Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

A novos diplomatas, Araújo diz que país 'não venderá alma' para exportar minério de ferro e soja

Discurso com críticas à China foi feito em aula magna a novatos do Instituto Rio Branco

Patrícia Campos Mello
São Paulo

Em discurso na aula magna para os alunos do Instituto Rio Branco nesta segunda-feira (11), o chanceler Ernesto Araújo afirmou que o Brasil não vai vender sua alma para exportar minério de ferro e soja.

A China é a maior compradora de soja e minério de ferro do Brasil. “Nós queremos vender soja e minério de ferro, mas não vamos vender nossa alma. Isso é um princípio muito claro. Querem reduzir nossa política externa simplesmente a uma questão comercial, isso não vai acontecer.”

chanceleres andam lado a lado; nas laterais, bandeiras brasileiras e americanas
O chanceler brasileiro Ernesto Araújo se encontra com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Washington, no início de fevereiro - Yuri Gripas - 5.fev.2019/Reuters

O ministro das Relações Exteriores disse aos recém-ingressos no Itamaraty que o Brasil, nos últimos anos, fez uma opção equivocada ao querer se integrar à América Latina, Europa e Brics em vez de aprofundar as relações com os Estados Unidos. Segundo Araújo, os parceiros que não foram capazes de ajudar no desenvolvimento do país.

“Essa aposta equivocada talvez explique que o Brasil foi o país que mais cresceu no mundo quando seu principal parceiro de desenvolvimento eram os EUA, e depois estagnou, quando desprezou essa parceria com os EUA e passou a buscar Europa, integração latino-americana, e, mais recentemente, o mundo pós -americano dos Brics.”

Araújo também questionou se a parceria com a China seria benéfica para o Brasil. “De fato, a China passou a ser o grande parceiro comercial do Brasil e, coincidência ou não, tem sido um período de estagnação do Brasil.”

Araújo afirmou que, ao ciclo do Barão de Rio Branco, seguiu-se um ciclo de “Barão de Munchhausen” na política brasileira, referindo-se ao personagem do século 18 que costumava mentir muito e exagerar suas aventuras.

“Foi um ciclo do Brasil com parceiros errados, tentando puxar a si mesmo para o desenvolvimento, sem conseguir sair dessa estagnação.”

Segundo ele, não há diferença entre as políticas externas do PT e do PSDB.

“Todas as politicas externas dessas últimas décadas são essencialmente as mesmas; é curioso, os petistas e os antigos críticos do PT se unem ao nos criticar, porque finalmente vamos fazer alguma coisa nova.”

Ele acusou o último governo, de Michel Temer, de querer normalizar as relações com a Venezuela. “As pessoas estavam se acostumando com o fato de que precisaríamos normalizar relações com um governo facínora como o da Venezuela, pelo simples fato de que temos fronteira com ele.”

Araújo voltou a fazer um libelo contra o globalismo, dizendo que, após a queda do muro de Berlim, houve “um processo de globalização econômica cada vez mais capturado por uma ideologia pós- marxista”.

Também disse que uma das prioridades da política externa é “trabalhar pela liberdade da internet”. “Queremos fazer isso em todas as frentes, é fundamental para o futuro da sociedade democrática”, afirmou.

“Hoje, metade da nossa vida se dá no mundo real e metade no mundo virtual. Precisamos promover os valores humanos de democracia nessa esfera virtual, o Brasil tem capacidade de fazer isso.”

O chanceler também disse que o governo Bolsonaro não irá se desviar de seus princípios.

“Muita gente acha que o governo Bolsonaro é um táxi; que ganhou a eleição, e agora basta entrar nesse táxi e conduzi-lo para onde quiser. Não é assim, a eleição não foi instrumento para que outros interesses ocupem e levem para outro lugar, a direção é muito clara e dada pelo presidente.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.