Descrição de chapéu Venezuela

Grupo paramilitar cerca prédio da Assembleia Nacional da Venezuela

Jornalistas e oposicionistas passaram ao menos 3 horas isolados dentro do edifício

Buenos Aires

Políticos da Assembleia Nacional venezuelana, de maioria opositora, e jornalistas foram cercados na tarde desta terça-feira (26) no prédio onde o órgão funciona.

O episódio aconteceu ao final de uma sessão que teve como principal orador o líder da oposição, Juan Guaidó, desde 23 de janeiro juramentado como presidente interino da Venezuela.

Durante pelo menos três horas, jornalistas venezuelanos que trabalham em veículos e blogs locais ficaram isolados dentro da Assembleia Nacional.

Membros de coletivos, como são chamados os grupos paramilitares ligados ao governo, estavam estacionados do lado de fora do edifício e bloquearam todas as saídas. 

Coletivos cercam prédio da Assembleia Nacional na Venezuela
Coletivos e membros da Guarda Nacional cercam prédio da Assembleia Nacional na Venezuela - Divulgação/Assembleia Nacional da Venezuela

Ao final da tarde desta terça, a assessoria de imprensa de Guaidó divulgou vídeos que mostram seu comboio sendo atacado por membros de coletivos.

Nas imagens, eles tentavam abrir as portas e golpeavam os vidros dos automóveis com força.

O Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa afirmou, em comunicado, que houve vários ataques aos profissionais no local.

Jornalistas da Reuters tiveram material de gravação e celulares roubados. 

Após saírem do prédio, integrantes da rede colombiana NTN 24 sofreram pauladas dos coletivos.

Enquanto isso ocorria, outros meios se atrincheiraram dentro da Assembleia, como o Efecto Cocuyo e El Pitazo, esperando que os coletivos deixassem o local.

 
Forças de segurança e coletivos cercam prédio da Assembleia Nacional, em Caracas
Forças de segurança e coletivos cercam prédio da Assembleia Nacional, em Caracas - Assembleia Nacional/Divulgação

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou em um comunicado divulgado na noite de terça que os Estados Unidos condenam os ataques à comitiva de Guaidó e o assédio aos deputados da Assembleia Nacional e aos profissionais da mídia.

"Estamos monitorando de perto os relatos desses atos de intimidação praticados pelas gangues armadas sem lei de Nicolás Maduro", diz o texto. 

A chancelaria dos EUA também afirmou que "proteger a Assembleia Nacional, que foi eleita democraticamente, é responsabilidade das forças de segurança", e que elas deveriam "por fim à intimidação desses grupos armados". 

Na sessão desta terça, Guaidó falou aos parlamentares sobre os próximos passos para a chamada "tomada de Miraflores", série de protestos e eventos que culminaria em uma marcha até o palácio presidencial para ocupar o lugar de Nicolás Maduro.

Nas últimas semanas, o ditador contou com uma demonstração de apoio da Rússia —dois aviões das forças armadas russas pousaram na Venezuela no sábado (24); cerca de uma centena de militares estavam a bordo.

O regime também tem intensificado suas ações contra opositores e jornalistas.

O incidente acontece justamente quando o entorno de Guaidó vem sofrendo baixas importantes e ataques. 

Nos últimos dias, Roberto Marrero, chefe do escritório de Guaidó, foi preso e levado à temida prisão do Helicoide.

O deputado Sergio Vergara, que faz parte do círculo íntimo do líder opositor, teve sua casa revistada, assim como a deputada Kelly Perfecto, ligada a Marrero, e o advogado Juan Antonio Planchart Márquez, primo de Guaidó que costuma ajudá-lo com questões jurídicas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.