Ministra do Tesouro renuncia e amplia crise no governo canadense

Jane Philpott disse que já não confiava na administração de Justin Trudeau, mergulhada em acusações de obstrução de justiça

AFP e Reuters

A ministra do Tesouro do Canadá, Jane Philpott, renunciou nesta segunda-feira (4), e disse que já não confiava no governo do premiê Justin Trudeau, mergulhado em grande crise política.

"Estive considerando os eventos que sacudiram o governo nas últimas semanas e, após uma reflexão séria, cheguei à conclusão de que devo renunciar como membro do gabinete", publicou a ministra em uma rede social.

"Os princípios solenes em jogo são a independência e a integridade de nosso sistema de justiça. Infelizmente, perdi a confiança em como o governo tratou este assunto, e em como respondeu aos problemas que se apresentaram", assinalou.

O pedido de renúncia tira uma poderosa figura feminina do governo a poucos meses de uma eleição cujas pesquisas mostram que Trudeau pode perder.

A ex-ministra do Tesouro do Canadá, Jane Philpott, durante evento em Quebec
A ex-ministra do Tesouro do Canadá, Jane Philpott, durante evento em Quebec - Chris Wattie - 2.mai.18/Reuters

Em um evento do Partido Liberal em Toronto, Trudeau disse que estava desapontado, mas que entendia as razões que levaram  Philpott a renunciar.

"Preocupações desta natureza precisam ser levadas a sério, e eu posso assegurar que estou", afirmou o premiê, que não apontou os motivos específicos para o pedido de demissão da agora ex-ministra do Tesouro.

Ele também a agradeceu pelos serviços prestados a seu governo, algo que não fez quando a ex-ministra da Justiça e procuradora-geral Jody Wilson-Raybould renunciou.

Segundo a imprensa, Jane é próxima de Wilson-Raybould, responsável por desencader a crise no governo liberal de Trudeau ao acusar funcionários do alto escalão de tentarem evitar o julgamento por fraude da gigante da engenharia SNC-Lavalin.

O anúncio surpreendente de Jane acrescenta um novo capítulo à situação complexa vivida por Trudeau.

Na semana passada, a oposição pediu a renúncia do primeiro-ministro e o lançamento de uma investigação federal sobre as denúncias de Jody durante seu depoimento, em fevereiro, na Comissão de Justiça da Câmara dos Comuns.

Segundo Jody, Trudeau, um de seus ministros e conselheiros próximos ao premiê a pressionaram de forma "inapropriada", que incluiu "ameaças veladas", para que interviesse em um processo penal, e que a perseguiram para que o caso fosse resolvido fora dos tribunais.

A ex-ministra se negou, e o julgamento está próximo de começar.

A SNC-Lavalin foi acusada em 2015 de corrupção por suspeita de ter subornado funcionários na Líbia entre 2001 e 2011 para garantir contratos governamentais durante o reinado de Muamar Kadafi, morto em 2011.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.