Putin diz que centenas de espiões estrangeiros foram descobertos na Rússia em 2018

Presidente russo pede aos serviços de segurança que protejam informações sensíveis do país

Moscou | AFP

Os serviços especiais russos desmascararam, no ano passado, centenas de espiões trabalhando para países estrangeiros ativos na Rússia, declarou nesta quarta-feira (6) o presidente russo, Vladimir Putin.

"Graças a operações especiais bem-sucedidas, as atividades de 129 quadros e 465 agentes de serviços especiais estrangeiros foram interrompidas" em 2018, disse Putin em discurso para oficiais do Serviço de Segurança Russo (FSB, ex-KGB).

"Os serviços de inteligência estrangeiros aspiram fortalecer sua atividade no território russo e buscam obter por todos os meios informações relacionadas à política, economia, ciência e tecnologia", continuou o presidente.

Putin também criticou a intensidade das atividades de espiões estrangeiros, enquanto a Rússia é, por sua vez, apontada pelo Ocidente por envolvimento em vários escândalos de espionagem.

Vladimir Putin fala durante encontro do Serviço de Segurança Russo, o FSB, em Moscou - Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin/Reuters

Entre esses casos estão o envenenamento, em março de 2018, de um ex-agente duplo russo, Serguei Skripal, e sua filha, na Inglaterra, atribuído a Moscou pelas autoridades britânicas. O Kremlin nega veementemente qualquer envolvimento.

Ex-chefe do FSB, Putin pediu aos serviços de segurança que trabalhem "efetivamente" diante desse desafio, inclusive para proteger "dados sobre o desenvolvimento, testes e produção de sistemas de armas russas".

As declarações são feitas em um momento em que Washington suspendeu sua participação no Tratado INF, que proíbe mísseis com alcance de 500 a 5,5 mil quilômetros, acusando a Rússia de violar as disposições do documento assinado em 1987.

Em resposta, Moscou fez o mesmo e deu a si mesmo dois anos para desenvolver novos mísseis terrestres.

No final de fevereiro, durante seu discurso anual no Parlamento, Vladimir Putin detalhou o progresso dos programas destinados a criar novas armas russas, que ele acredita serem "invencíveis". As características técnicas da maioria são classificadas como secretas. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.