Governo da Nicarágua e oposição encerram diálogos sem acordo

Negociação tentava dar fim à crise política no país; opositores deixam aberta possibilidade de reabrir conversas

Manágua | AFP

O governo de Daniel Ortega e a oposição deram por encerradas na quarta-feira (3) as negociações que pretendiam superar a crise política que afeta a Nicarágua há quase um ano. Os diálogos, que haviam começado em 27 de fevereiro, terminaram sem que as partes alcançassem consenso em temas cruciais.

Protestos contra o governo estouraram em abril de 2018, deixando mais de 325 mortos, 700 detidos e milhares de exilados em países vizinhos. O estopim foi a tentativa do ditador Daniel Ortega de realizar uma reforma previdenciária. 

Terminadas as negociações, duas questões ficaram sem solução: a justiça para vítimas da violência durante os protestos e as reformas democráticas, que englobam modificações no sistema eleitoral e uma possível antecipação das eleições de 2021, a pedido da oposição.

Membros da opositora Aliança Cívica durante entrevista coletiva em Managua, na Nicarágua
Membros da opositora Aliança Cívica durante entrevista coletiva em Managua, na Nicarágua - Oswaldo Rivas/Reuters

"Venceu o prazo estabelecido sem se encontrar um consenso nesses pontos, que são indispensáveis para obter resultados que nos permitam superar a profunda crise no país", afirmou o principal negociador da oposição, o ex-diplomata Carlos Tünnerman.

Tünnerman disse que as partes "têm total divergência" sobre os temas e decidiram "fazer consultas até que consigam condições que permitam retomar o debate".

Contudo, a negociação alcançou acordos parciais para a libertação de detidos durante os protestos e para o fortalecimento de garantias, como o direito à mobilização, destacou o opositor.

A opositora Aliança Cívica pela Justiça e a Democracia (ACJD) afirmou que concentrará seu trabalho em lutar para o cumprimento dos acordos alcançados, o que é responsabilidade do governo.

O bloco opositor também deixou aberta a possibilidade de reabertura das negociações com a presença de mediadores internacionais, com uma "discussão profunda dos temas de justiça e antecipação das eleições".

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.