Peronistas moderados anunciam chapa para enfrentar Macri e Fernández na Argentina

Roberto Lavagna, ministro da economia na gestão de Nestor Kirchner, lançou candidatura à Presidência

Sylvia Colombo
Buenos Aires

Nesta quarta-feira (12), em mais um dia de definições das chapas que concorrerão à Presidência da Argentina, o peronista moderado Roberto Lavagna anunciou sua candidatura ao lado de Juan Manuel Urtubey, que concorrerá como vice.

Lavagna foi ministro da economia durante a gestão de Néstor Kirchner (2003-2007), e Urtubey, um peronista de centro-esquerda, é o atual governador da Província de Salta.

Ambos vinham buscando candidaturas isoladas, mas, nas pesquisas de opinião, não saíam da faixa dos 8% a 10% das intenções de voto.​

Roberto Lavagna, então ministro da economia da Argentina, durante evento em São Paulo
Roberto Lavagna, então ministro da economia da Argentina, durante evento em São Paulo - Lalo de Almeida - 16.jun.04/Folhapress

Na terça-feira (11), o presidente Mauricio Macri, candidato à reeleição, escolheu Miguel Pichetto como candidato a vice, um peronista da velha guarda e líder do bloco no Senado desde 2003.

Já a definição sobre a candidatura de Sergio Massa, ex-chefe de gabinete de Cristina Kirchner e terceiro colocado nas eleições de 2015, foi adiada para a semana que vem. Ex-prefeito de Tigre, Massa lidera a Frente Renovadora, uma aliança peronista de centro-direita.

Ele ainda poderá decidir, até o dia 22 de junho, data máxima para a inscrição das candidaturas, se disputará as primárias com a chapa de Alberto Fernández e Cristina Kirchner ou se vai se aliar a eles, em troca de participação num eventual novo no governo.

Os três fizeram longa reunião nesta quarta-feira (12), mas, como não chegaram a um consenso, a decisão foi adiada para a semana que vem.

Fernández e Cristina querem os votos de Massa, melhor colocado entre os peronistas moderados. Tê-lo na aliança poderia trazer boa quantidade de votos para a dupla.

 
Além dessas candidaturas, também concorrerão siglas menores, como a Coalizão Cívica (direita) e a Frente de Esquerda (esquerda).

O prazo para a formação das chapas para as eleições, cujo primeiro turno ocorre em 27 de outubro, encerrou-se nesta quarta. Até o dia 22, porém, é possível mudar os nomes que as formam. Seria a data final para o lançamento das candidaturas, dentro das composições já definidas.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.