Cristina Kirchner surpreende e anuncia candidatura à vice-presidência da Argentina

Ex-presidente surfa em projeções contra Mauricio Macri e impulsiona nova onda kirchnerista

Sylvia Colombo
Buenos Aires | Reuters e AFP

Nenhuma candidatura está oficialmente confirmada, mas o que se tinha como quase certo até o fim de 2018, uma reeleição do atual presidente, Mauricio Macri, agora vem sendo ameaçado por uma explosiva ascensão nas pesquisas de sua arqui-rival, a ex-mandatária Cristina Kirchner (2007-2015).

Neste sábado (18), a ex-presidente surpreendeu ao anunciar sua candidatura como vice-presidente nas eleições gerais de outubro, em um vídeo divulgado nas redes sociais. 

“Pedi a Alberto Fernández [seu ex-chefe de gabinete] que encabece a fórmula que integraremos juntos, ele como candidato a presidente e eu como candidata a vice”, diz Cristina no vídeo de 12 minutos.

A decisão de Cristina pode mudar até 22 de junho, prazo final para inscrições. Quando se candidatou à Presidência em 2007 e 2011, também deixou para oficializar sua candidatura nos últimos dias.

Ao se colocar como vice, Cristina pode tentar aliviar a pressão política em seu julgamento por corrupção, que começa na próxima terça-feira (21), e a alta rejeição contra ela —que voltou a crescer desde o sucesso do lançamento de sua biografia, “Sinceramente”. O evento virou um ato político com grande presença de apoiadores.

Mas é possível que mantenha a decisão, repetindo um velho mantra peronista, “Cámpora al gobierno, Perón al poder”. 

Isso ocorreu em 1973, quando o general Juan Domingo Perón estava impedido de concorrer às eleições pelo governo militar e colocou Héctor Cámpora como candidato oficial. De fato, Cámpora ganhou a eleição, indultou Perón, convocou nova eleição, e Perón ganhou.

Pouco conhecido fora da Argentina, Fernández foi chefe de gabinete do presidente Néstor Kirchner (2003-2007) e de Cristina em parte de seu primeiro governo (2007-2011). Peronista moderado, ele tem boa fama entre os anti-cristinistas ao ter atuado durante a crise econômica de 2001.

Ela se refere a isso no vídeo, dizendo que Fernández trabalhou com seu marido “em tempos difíceis”. 

“Mas os tempos que estamos vivendo agora os argentinos são realmente dramáticos. Nunca tantos e tantas dormindo nas ruas, com problemas de trabalho ou chorando diante de um boleto impagável de luz ou de gás.”

A perspectiva de um retorno do kirchnerismo ao poder tem surgido como uma possibilidade real nos números e nas ruas, onde voltou-se a ver as cores celeste e branca, típicas da era K, com os dizeres “vamos voltar”, “Cristina presidenta” e “Néstor não morreu, Néstor vive no povo”.

Pesquisa recente do instituto Isonomia deu uma vantagem de nove pontos num segundo turno entre Cristina e Macri. Outras pesquisas vêm apontando resultados similares: um possível empate técnico entre Macri, 60, e Cristina, 66, no primeiro turno, cada um com algo em torno de 30%, e uma vitória de Cristina no segundo, com algo entre 5 e 9 pontos de vantagem. O próprio Macri admitiu que, caso ele ganhe, “será apertado”.

As pesquisas também mostram, porém, que ambos têm alto grau de rejeição e que ainda há uma faixa de cerca de 20% dos eleitores indefinidos.

Esse último dado poderia sugerir que a eleição ainda está aberta e que um terceiro nome teria espaço para crescer.

Porém, os que se apresentaram até agora como “terceira via” não decolaram —tanto os peronistas Sergio Massa e Juan Manuel Urtubey, além do ex-ministro da economia de Néstor Kirchner (1950-2010) Roberto Lavagna, não ultrapassam 12% dos votos.

Na última semana, Cristina obteve três vitórias. A primeira foi o lançamento de seu livro —que já vendeu 300 mil cópias—, quando 6 mil pessoas assistiram num telão, do lado de fora, seu discurso. 

Foi aplaudida e saudada pela multidão, que levou bandeiras, camisetas e repetia a todo instante: “Cristina presidente”.

Outro episódio foi o fato de a eleição regional em Córdoba, no último fim de semana, ter sido ganha pelo peronismo. Córdoba é a segunda mais importante província do país em termos políticos e econômicos e votou massivamente em Macri em 2015, praticamente definindo sua vitória.

Agora, o descontentamento dos cordobeses com Macri já se mostrou nas urnas.

Por fim, Cristina esteve no Partido Justicialista, o mais importante do peronismo. Ali, as principais figuras dessa corrente política posaram para uma foto com Cristina, que fez um discurso conciliador, pedindo uma candidatura única desta vez —é comum que o peronismo entre com três ou mais candidatos em cada eleição.

Cristina tem feito esses eventos para testar sua popularidade. Em um momento em que a Argentina está em uma grave crise econômica, com uma inflação acumulada nos últimos 12 meses de 55%, seu discurso antiajuste tem funcionado. Os sindicalistas, que farão nova greve geral no próximo dia 29, sinalizam apoiar sua candidatura.

Já Macri quer a reeleição, mas sua base está dividida. Dentro de sua coalizão, Cambiemos, o setor composto principalmente por membros da União Cívica Radical prefere que seja apresentado um outro nome, caso o de Macri se desgaste ainda mais com a deterioração da economia.

Este poderia ser o da governadora da Província de Buenos Aires, reduto de 38% do eleitorado argentino, Maria Eugenia Vidal, que é muito popular. Macri e seu entorno, porém, acreditam que Vidal seria uma opção para daqui a quatro anos, após um novo mandato do atual presidente.

O ensaísta Martín Caparrós retrata assim a eleição que se aproxima, caso se confirmem esses dois nomes: “A condição para votar em Cristina terá de ser o esquecimento, a convicção de que não ocorreu o que ocorreu [referindo-se aos escândalos de corrupção], enquanto a opção para votar em Macri é a crença, o fervor religioso de imaginar que aquilo que ele tanto prometeu e nunca ocorreu, desta vez, sim, acontecerá”.

Cristina, porém, tem alguns obstáculos para superar. Além da alta rejeição, está acusada em 10 processos de corrupção que estão em andamento na Justiça. Em cinco deles, já tem sua prisão preventiva decretada, e esta apenas não se cumpre porque ela tem foro privilegiado por ser senadora.

No próximo dia 21, será a primeira vez em que se sentará no banco dos réus. Porém, é pouco provável que Cristina seja condenada antes do dia de encerramento das inscrições de candidaturas. Até porque a Justiça tem de enviar um pedido ao Congresso para que se retire seu foro privilegiado, e o Congresso tem de aprovar.

Entre os dez processos estão os que a acusam de lavagem de dinheiro e desvio de verbas públicas, usando a rede de hotéis da família, na Patagônia, e de comprar divisa americana com informação privilegiada. Outro investiga a transferência de altos valores às contas de seus filhos (Florencia está em Cuba, oficialmente tratando de problemas de saúde, e Máximo é deputado e tem imunidade parlamentar).

Após a definição das candidaturas, ocorrem as primárias, em agosto. Já a eleição presidencial terá seu primeiro turno em 27 de outubro e o segundo turno, em novembro.

 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.