Descrição de chapéu Brexit

Deputados britânicos pró-brexit viram de costas durante execução de hino europeu

Protesto ocorre durante sessão de abertura do Parlamento do bloco

Deputados do Partido do Brexit viram de costas
Deputados do Partido do Brexit viram de costas durante a execução do hino europeu - Frederick Florin/AFP
Estrasburgo (França) e São Paulo | AFP

Um grupo de eurodeputados britânicos favorável à saída de seu país da União Europeia (UE) virou de costas durante a execução do hino do bloco na sessão de abertura do Parlamento Europeu, realizada nesta terça (2). 

Assim que os músicos começaram a tocar o trecho final da nona sinfonia de Beethoven (o hino europeu), os 29 deputados eleitos pelo Partido do Brexit, liderados por Nigel Farage, viraram-se de costas e assim permaneceram até o fim da música.

O presidente do Parlamento, o italiano Antonio Tajani, criticou a ação. "É uma questão de respeito, não importa se você compartilha as mesmas visões sobre a União Europeia", disse. 

A cerimônia em Estrasburgo (França) marca o início da nova legislatura, eleita no fim de maio para representar os atuais 28 Estados que fazem parte do bloco —são 751 deputados no total.  

Mas esse número pode cair para 27 no fim de outubro, quando está programada a saída do Reino Unido do bloco —o brexit. 

Caso o prazo seja mantido —ele já foi adiado duas vezes—, os eurodeputados britânicos deverão deixar seus cargos no Parlamento Europeu. 

Foi exatamente para defender essa saída que Farage, eurodeputado desde 1999, fundou no início de 2019 o Partido do Brexit. 

A sigla acabou sendo a mais votada no Reino Unido na eleição europeia. Com isso, elegeu 29 deputados e se tornou individualmente o maior partido do Parlamento ao lado da democracia-cristã alemã —a sigla de Angela Merkel. 

Mas como os partidos de ultradireita eurocéticos não conseguiram chegar a um acordo para a formação de um bloco unificado supranacional, Farage e seus correligionários acabaram isolados no Parlamento. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.