Descrição de chapéu The Washington Post

Groenlândia diz a Trump que está aberta para negócios, mas não à venda

Presidente americano discutiu com assessores possibilidade de comprar o território dinamarquês

Copenhague, São Paulo e Estocolmo | Reuters e AFP

A Groenlândia disse nesta sexta (16) que está aberta para negócios com os EUA, mas não à venda, após Donald Trump ter discutido com assessores a ideia de comprar a maior ilha do mundo como modo de expandir o território americano.

"A Groenlândia é rica em recursos valiosos. Estamos abertos aos negócios, não à venda", afirmou a ministra de Relações Exteriores do território, Ane Lone Bagger.

A Groenlândia, um território dinamarquês autônomo localizado entre os oceanos Atlântico e Ártico, é uma das áreas habitadas mais frias do mundo.

Depende do apoio econômico da Dinamarca, que também cuida de sua defesa e política externa, mas tem autonomia para resolver seus assuntos internos.

 

A ideia de comprar o território foi recebida como piada por alguns conselheiros do presidente americano, mas levada mais a sério por outros, inforou o jornal The Washington Post. 

 O interesse de Trump foi inicialmente noticiado pelo jornal The Wall Street Journal. O ex-presidente Harry Truman (1945-1953) já se dispusera a comprar a ilha em 1946 por US$ 100 milhões.

Trump deve visitar Copenhague (capital dinamarquesa), em setembro, e o Ártico estará em pauta durante reuniões com os primeiros-ministros da Dinamarca e da Groenlândia. Mas não há indicações de que uma compra do território esteja na agenda das conversas do presidente americano.

Políticos dinamarqueses fizeram troça da ideia na sexta-feira. "Tem que ser uma piada de 1º de abril. Mas totalmente fora de época", disse o ex-primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen em uma rede social.

"Se ele realmente está contemplando isso, então esta é a prova final de que enlouqueceu", disse Soren Espersen, porta-voz de assuntos estrangeiros do Partido Popular Dinamarquês, de ultradireita, à emissora DR. "O pensamento da Dinamarca vendendo 50 mil cidadãos para os Estados Unidos é completamente ridículo", completou.

"Tenho certeza de que a maioria na Groenlândia acredita que é melhor ter uma relação com a Dinamarca do que com os Estados Unidos no longo prazo", disse à Reuters Aaja Chemnitz Larsen, parlamentar dinamarquesa do segundo maior partido da Groenlândia, Inuit Ataqatigiit (IA).

"Oh, querido Senhor. Como alguém que ama a Groenlândia, esteve lá nove vezes e ama o povo, esta é uma catástrofe total e completa", disse o ex-embaixador dos EUA na Dinamarca, Rufus Gifford.

A Groenlândia está recebendo atenção de superpotências globais, incluindo China, Rússia e Estados Unidos, devido à sua localização estratégica e seus recursos minerais.

 
Em maio, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que a Rússia estava se comportando de forma agressiva no Ártico e que as ações da China também deveriam ser vigiadas de perto.

Um tratado de defesa entre a Dinamarca e os Estados Unidos de 1951 atribui os direitos militares dos EUA sobre a Base Aérea de Thule, no norte da Groenlândia.

Trump pressionou seus principais assessores para investigarem se o governo dos EUA poderia comprar a gigantesca ilha coberta de gelo, disseram duas fontes com conhecimento da situação ao Washington Post.

O pedido presidencial deixou os assessores desconcertados, e alguns deles continuavam acreditando que não era sério, mas Trump o mencionou durante semanas. Tal como acontece com muitas das divagações do republicano, os assessores estão à espera de mais orientações antes de decidir se devem analisar o assunto seriamente.

Uma dos temas que foram discutidos é, caso isso seja legal, qual seria o processo para adquirir uma ilha que tem seu próprio governo e uma população, e de onde viria o dinheiro para comprar a enorme massa de terra.

De acordo com o World Factbook da CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA), a Groenlândia tem 2,2 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 1,7 milhão são cobertos de gelo —os Estados Unidos tem 9,8 milhões de quilômetros quadrados. 

Assim, a Groenlândia tem um território maior do que Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha e Reino Unido somados e é a maior ilha do mundo.

Isso porque a Austrália, com 7,6 milhões de quilômetros quadrados, é considerada um continente pela maior parte dos geógrafos e não uma ilha    

A Groenlândia possui recursos naturais consideráveis, como carvão e urânio, mas apenas 0,6% da terra é usada para a agricultura. Tem cerca de 58 mil habitantes, o que faz dela um dos menores países do mundo em população.

Normalmente, o Congresso americano deve aprovar o direcionamento do dinheiro do governo antes que a Casa Branca possa usá-lo, mas Trump já demonstrou disposição para contornar essas restrições.

Alguns na noite de quinta-feira (15) responderam às notícias com incredulidade; outros, com apoio.

"Essa ideia não é tão louca quanto parece na manchete", disse em uma redes social o deputado republicano Mike Gallagher, de Wisconsin. "É um movimento geopolítico inteligente. Os Estados Unidos têm um forte interesse estratégico na Groenlândia, e isso deve estar claramente sobre a mesa."

A maioria, no entanto, respondeu com zombaria. O deputado democrata Steve Cohen, do Tennessee, compartilhou uma reportagem sobre a ideia de Trump e refletiu: "Um ótimo lugar para sua 'biblioteca presidencial'".

E Jonah Goldberg, membro do Instituto Americano de Empresas, tuitou que o MAGA —sigla do slogan da campanha de Trump, "Make America Great Again"—  é "um anagrama de Make Greenland American Already" [Faça a Groenlânda Americana Já].

Esta não é a primeira vez que os EUA mostram interesse em um território gelado. Em 1867, o país comprou o Alasca da Rússia por US$ 7,2 mi (equivalentes a US$ 100 mi hoje), em um negócio feito pelo então secretário de Estado, William Seward, com o czar Alexandre 2º.

De acordo com informações da BBC, à época a compra era considerada uma loucura, mas acabou se mostrando um dos melhores negócios da história dos EUA. A aquisição do Alasca adicionou mais de 1,5 milhão de quilômetros quadrados ao território do país. O Alasca é o maior Estado americano.​

O Alasca é também uma fonte de petróleo. Em meados do século 20, enormes reservas foram encontradas ao norte do Estado. A exploração petrolífera rende milhares de dólares à região, que, com uma população de cerca de 1 milhão de pessoas, tem um PIB de US$ 44 bilhões anuais.

Principais territórios comprados pelos EUA*

Louisiana Os EUA pagaram US$ 15 milhões em 1803 para adquirir da França uma região com 2,1 milhões de quilômetros quadrados que hoje se divide em 15 estados americanos, da atual Louisiana (no sul) a Montana (norte)  

Alasca A região com 1,5 milhão de quilômetros quadrados foi comprada da Rússia em 1867 por US$ 7,2 milhões

Gadsden O território com 76.800 km² foi comprado do México em 1854 por US$ 10 milhões e ganhou o nome do embaixador responsável pela negociação, James Gadsden; atualmente se divide entre os estados do Arizona e do Novo México 

Ilhas Virgens Com 346 km², o grupo de ilhas foi adquirido da Dinamarca em 1917 por US$ 25 milhões em ouro, na última expansão feita pelos EUA 

* todos os valores são da época da compra

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.