Hong Kong volta a ter protesto pacífico após episódios violentos

Semana teve briga em aeroporto e agressões a jornalistas

Hong Kong | Reuters

Centenas de milhares de manifestantes tomaram as ruas de Hong Kong neste domingo (18), na 11ª semana seguida de protestos.

O comparecimento demonstrou que o movimento ainda tem amplo apoio popular, a despeito das cenas violentas da semana passada, quando manifestantes tomaram o aeroporto da cidade, controlado pela China, e entraram em conflito com a polícia.

O episódio interrompeu voos por dois dias e alguns ativistas se desculparam depois. A escalada de violência na ocasião registrou também ao menos quatro agressões a jornalistas

O ato deste domingo foi um protesto mais calmo. "Eles têm dito a todos que somos desordeiros. A marcha de hoje mostrou que não somos", disse um manifestante de 23 anos chamado Chris, que trabalha com marketing e estava totalmente vestido de preto, com um cachecol cobrindo o rosto.

pessoas com laser na mao
Manifestantes usam canetas de laser durante protesto pacífico em Hong Kong - Kim Hong-Ji/Reuters

Um dos ativistas gritou contra um grupo que estava zombando da polícia: "Hoje é uma marcha pacífica! Não caiam na armadilha! O mundo está nos assistindo".

A raiva contra uma lei —já suspensa— que permitiria a suspeitos de crimes em Hong Kong serem extraditados para a China continental irrompeu em junho em forma de grandes protestos. 

A inquietação incorporou preocupações mais amplas quanto à erosão da liberdade sob a fórmula "um país, dois sistemas", na qual Hong Kong vive desde que voltou ao domínio chinês, em 1997. Os manifestantes rejeitam o que percebem como aumento da hegemonia da China sobre seu território.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.