Descrição de chapéu Governo Trump

Para acadêmicos, caso americano não usa brechas legais como o de Dilma

Democratas não estão usando a lei para obter ganhos partidários, afirmam

São Paulo

Diferentemente do processo que levou à saída da ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016) da Presidência no Brasil, a razão que originou a abertura de um inquérito para avaliar o afastamento do americano Donald Trump é um uso legítimo da lei do impeachment, afirma Steven Levitsky, autor do livro “Como as Democracias Morrem”.

À Folha o cientista político diz que o caso de Dilma é um exemplo de “constitutional hardball”, termo referente à utilização de brechas na legislação para propósitos políticos, o que configuraria uma ameaça à democracia, explica Fernando Bizzarro, cientista político doutorando na Universidade Harvard.

Para Levitsky, esse cenário só seria plausível nos EUA caso os democratas estivessem usando a lei para obter ganhos partidários, o que diz não ser o caso, já que Trump usou o cargo para pressionar um governo estrangeiro para interferir nas eleições de 2020. 

Ambos os cientistas políticos concordam que a legislação americana foi criada para atender a esse tipo de situação. 

Levitsky diz que os democratas têm sido contidos sobre um impeachment. Se tivessem optado pelo recurso desde o começo do mandato de Trump, como sugeriram alguns membros do partido, o processo atual poderia ser considerado “constitutional hardball”. 

A contrário, diz, os democratas esperaram o desfecho do caso do ex-procurador especial Robert Mueller, responsável por um relatório sobre interferências nas eleições de 2016. A investigação buscou determinar se houve interferência russa no pleito que elegeu Trump.

A direção do Partido Democrata foi relutante em seguir em frente com o impeachment, já que o processo teria apoio quase nulo dos republicanos, diz Levitsky. Bizzarro corrobora a interpretação, acrescentando que o fato de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, não ter apoiado antes o processo dá mais legitimidade a ele. 

Agora, os democratas decidiram apresentar o pedido, ao que parece, com a anuência de republicanos —se não seu apoio, afirma Levitsky. O governador republicano Phil Scott (Vermont) manifestou seu apoio ao impeachment e o senador Mitt Romney (Utah) está considerando o caso, assim como outros. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.