Descrição de chapéu Governo Trump

Reativo, Trump dobra a aposta e pede para China investigar Biden

Em meio à espiral do impeachment, presidente repete solicitação que fez à Ucrânia

São Paulo e Washington | Reuters

Ele dobrou a aposta. Em meio à espiral do inquérito de impeachment, o presidente dos EUA, Donald Trump, repetiu a solicitação que fez à Ucrânia e pediu à China que investigue o rival democrata Joe Biden e seu filho Hunter.

Em entrevista nesta quinta (3), o republicano se comportou da maneira mais trumpiana possível: quando acuado, a melhor estratégia é atacar. 

Pressionado pelos democratas, que pisam fundo no ritmo da investigação de impeachment, o presidente afirmou que os negócios de Hunter Biden com Pequim, na época em que o pai dele era vice-presidente dos Estados Unidos, deveriam ser apurados.

“A China deveria começar uma investigação sobre os Bidens, porque o que aconteceu na China é tão ruim quanto o que aconteceu na Ucrânia”, disse Trump a repórteres ao deixar a Casa Branca para viajar para a Flórida. A solicitação veio momentos depois de discutir as próximas negociações comerciais com a China e dizer que, “se eles não fazem o que queremos, temos um poder tremendo”.

Trump fala com repórteres ao sair da Casa Branca e embarcar para viagem à Flórida - Leah Millis/Reuters

A referência à China é uma alusão a acusações sem evidências que Trump e seu advogado pessoal, Rudolph Giuliani, fazem sobre os negócios de Hunter no país asiático.  

Giuliani diz ter provas de que o filho de Biden foi beneficiado com US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 6,12 bilhões) de um fundo local, acusação negada pelo advogado de Hunter. Até onde se sabe, não há nenhuma investigação oficial sobre o caso.

Um porta-voz de Biden pai, possível rival do republicano na corrida presidencial do ano que vem, respondeu que Trump está “desesperadamente se agarrando a teorias da conspiração que foram desmontadas e desmentidas”.

Além de Ucrânia e, agora, China, Trump também pediu ajuda estrangeira aos governos de Itália, Austrália e, segundo um relatório, Reino Unido.

Se no contato com os dois primeiros o foco era encontrar elementos que sujassem Biden pai e filho, as solicitações aos três últimos buscavam minar a investigação que desembocou no relatório ex-procurador especial Robert Mueller, responsável por apurar a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, na qual Trump saiu vitorioso. 

No caso da Austrália, por exemplo, Trump teria pressionado o premiê Scott Morrison a pedido do secretário de Justiça dos EUA, William Barr. 

O primeiro inquérito sobre a influência da Rússia no pleito de 2016 foi motivado por informações fornecidas pela inteligência australiana, que descobriu evidências de que Moscou, junto com a campanha de Trump, estaria por trás do vazamento de emails do Partido Democrata ao site WikiLeaks. 

O contato do presidente americano seria uma tentativa de fazer a Austrália revisar essas informações. 

O pedido público à China, nesta quinta, mostra que o presidente está disposto a desafiar os críticos que classificaram essas solicitações como abuso de poder, argumentando essencialmente que não há nada de errado em procurar ajuda estrangeira para obter ganhos políticos.

Enquanto o presidente falava a repórteres do lado de fora da Casa Branca, Kurt Volker, diplomata americano que atuou como enviado especial dos EUA à Ucrânia, testemunhava a membros de um comitê do Congresso, parte do inquérito de impeachment em tramitação na Câmara dos Representantes.

O depoimento de Volker ao órgão acontece depois de um dia dramático no inquérito, em que Trump discutiu com jornalistas em uma entrevista coletiva, recorreu a um impropério no Twitter e rotulou a investigação como “uma farsa e uma fraude”, ao mesmo tempo em que prometeu cooperar com o processo.

A portas fechadas, Volker  disse a deputados que alertou Rudy Giuliani, advogado pessoal de Trump, de que as informações recebidas por ele de autoridades ucranianas sobre suspeitas de corrupção envolvendo Joe Biden e seu filho Hunter eram infundadas.

O ex-enviado especial afirmou que recomendou cautela a Giuliani e lhe disse que as fontes do defensor não eram confiáveis e, por isso, não deveria acreditar no que elas diziam em relação aos Bidens. 

Hunter fez parte do conselho de administração da Burisma Holdings, uma das maiores companhias de gás natural da Ucrânia, no período de 2014 —quando seu pai ainda era vice-presidente de Barack Obama— até o meio deste ano.

A empresa foi investigada pelas autoridades ucranianas, mas Hunter não era o alvo do inquérito. Nunca foi encontrada nenhum irregularidade envolvendo o filho do democrata.

Segundo Volker, uma das fontes de Giuliani era o ex-procurador-geral da Ucrânia Viktor Shokin, que foi o responsável pela investigação sobre empresa. O ex-enviado especial disse a Giuliani para não acreditar no que Shokin dizia sobre Hunter.

Durante seu mandato como vice, Biden pressionou a Ucrânia a demitir o então procurador-geral, argumentando que ele estava envolvido em esquemas de corrupção. Ele foi substituído em 2016.

Giuliani e Trump afirmam que as ações de Biden visavam a proteger o filho e não tinham relação com a agenda diplomática americana de combate à corrupção na Ucrânia.

O advogado pessoal de Trump se reuniu várias vezes com autoridades ucranianas, dentro e fora do país, em seus esforços de comprometer a imagem de Biden e aumentar as chances de reeleição de Trump em 2020.

Volker renunciou ao cargo de enviado especial na última sexta-feira (27), após a divulgação da transcrição do telefonema de Trump com o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski.

O depoimento do ex-enviado é o primeiro de uma série de eventos do inquérito, nenhum deles público, agendados para os próximos dez dias.

Na sexta-feira (4), será a vez do inspetor-geral de Inteligência, Michael Atkinson, depor. Marie Yovanovitch, embaixadora dos EUA em Kiev até Trump convocá-la de volta em maio, antes do final de seu período oficial, se encontrará com membros do comitê no dia 11 de outubro.

Até lá —e depois também—, a perspectiva é de que o presidente americano siga se defendendo com intensidade, com falas cheias de termos como “caça às bruxas” e “assédio presidencial”, como costuma afirmar em entrevistas coletivas e nas redes sociais.  Assim é Donald Trump.

 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.