Ataque a tiros em escola da Califórnia mata 2 e deixa 3 feridos

Suspeito atirou contra a própria cabeça e está em estado grave

São Paulo | Reuters

Ao menos duas pessoas morreram em mais um ataque a tiros em uma escola nos Estados Unidos e três ficaram feridas. 

O caso aconteceu na quinta (14), na instituição de ensino médio Saugus, em Santa Clarita, uma cidade localizada a cerca de 80 km de Los Angeles.

O suspeito, descrito pela polícia como um asiático vestido em roupas pretas, atirou contra a própria cabeça após o ataque —ele foi levado a um hospital e está em estado grave. O estudante da escola, cujo nome não foi revelado, completou 16 anos nesta quinta. 

Mulheres se abraçam após ataque a tiros na escola Saugus, em Santa Clarita, na Califórnia
Mulheres se abraçam após ataque a tiros na escola Saugus, em Santa Clarita, na Califórnia - Frederic J. Brown/AFP

A polícia local afirmou que o suspeito tirou uma arma semiautomática de calibre 45 de sua mochila e abriu fogo contra os estudantes. O ataque foi gravado e durou cerca de 16 segundos. Ele teria guardado a última bala para atirar em si mesmo. 

As vítimas são uma garota de 16 anos e um garoto de 14. Duas meninas (de 14 e 15 anos) e um menino (14) ficaram feridos. 

O FBI informou que até o momento os motivos ou ideologia por trás do atentado são desconhecidos. 

O ataque na escola, que tem cerca de 2.400 alunos, ocorreu cerca de 20 minutos antes do início das aulas, pela manhã. Outras escolas da região cancelaram as aulas por precaução.

Imagens de TV mostraram uma fila de estudantes saindo do local e veículos de policiais e bombeiros estacionados em frente à escola. 

O episódio é mais um de uma série de ataque a tiros nos Estados Unidos, onde a reincidência de atentados do tipo tem estimulado o debate sobre o controle da venda de armas e o direito ao porte, previsto na Constituição americana. 

Em agosto, um atirador matou 20 em um massacre em uma loja do hipermercado Walmart, em El Paso. Outras nove foram mortas e mais 27 feridas em um outro atentado na cidade de Dayton, no estado de Ohio, horas depois.

Segundo levantamento realizado pela revista americana Mother Jones, que exclui assaltos e confrontos entre gangues e só considera atentados em lugares públicos com quatro ou mais vítimas, entre 2010 e 2019 ocorreram 63 ataques a tiros nos EUA, mais que o triplo da década anterior —20 episódios, que geraram 171 mortes no total.

Estudantes deixam a escola Saugus, em Santa Clarita, após o ataque - Frederic J. Brown/AFP

Considerando as vítimas de El Paso e Daytona, o saldo de 2010 até agora é de 526 mortes, aumento de 207% em relação ao período entre 2000 e 2009.

Este ano marca o aniversário de 20 anos do massacre na escola Columbine, no Colorado, quando dois adolescentes mataram 12 alunos e um professor e feriram outros 20 antes de se matarem. 

A pré-candidata à Presidência do Partido Democrata Kamala Harris disse em uma rede social que "nossas crianças e comunidades estão sendo aterrorizadas" por atiradores. Ela é uma das principais defensoras de uma reforma nas leis que regulam a posse de armas entre os pré-candidatos à eleição americana de 2020. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.