Com novo conflito, ONU alerta que situação na Bolívia pode sair do controle

Oito pessoas morreram em confronto com forças policiais; autoridades locais pedem pacificação do país

La Paz | AFP

A Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet, denunciou neste sábado (16) "o uso desnecessário e desproporcional da força pela polícia e pelo Exército" que pode levar a situação na Bolívia a "sair do controle". 

Ela condenou as mortes que já somam 18 desde que os conflitos comelaram, um dia após o anúncio da suposta vitória de Evo nas eleições de 20 de outubro, marcadas por acusações de fraudes.

"Condeno essas mortes. Trata-se de um desenvolvimento extremamente perigoso, pois longe de apaziguar a violência, é possível que a agrave", acrescentou Bachelet.

Michelle Bachelet durante coletiva de impressa da ONU neste sábado(16) em que alertou que a situação da Bolívia pode sair do controle com o aumento da violência
Michelle Bachelet durante coletiva de impressa da ONU neste sábado (16) em que alertou que a situação da Bolívia pode sair do controle com o aumento da violência - Fabrice Coffrini /AFP

A autoproclamação de Jeanine Añez como presidente interina na terça (12), em uma sessão sem quórum e após a renúncia de todos os que lhe antecediam na linha sucessória, revolta os seguidores de Evo. 

"Tem mobilizações por toda parte, essas últimas 72 horas foram duras", criticou o ministro do Interior, Arturo Murillo, que anunciou que a ordem que as forças militares e policiais receberam é de "proteger o povo".

Autoridades bolivianas também pediram a pacificação do país, após as mortes da última sexta-feira (15).

"Estamos passando por momentos difíceis, pedimos aos movimentos sociais e outras organizações que diminuam as posições. Não podemos viver de luto", reclamou a presidente da Câmara de Senadores, Eva Copa, do partido de Evo.

Jerjes Justiniano, ministro da Presidência do novo governo de Añez, tinha afirmado antes que as gestões para acabar com a violência devem envolver "o país todo" e pediu aos bolivianos para "parar com essa atitude (de confronto) e, ao contrário, buscar coisas que nos unam".

Contudo, uma "concentração pela paz", convocada por associações de moradores de La Paz para pedir o fim da violência após quase quatro semanas de protestos, confrontos e saques, foi suspensa de última hora, segundo os organizadores, "por motivos de segurança".

A algumas quadras do local onde a reunião aconteceria, cerca de mil camponeses vindo de um povoado de La Paz marcharam em protesto contra o novo governo e em defesa de Evo.

Asilado no México desde a terça-feira (12), o agora ex-presidente renunciou no domingo (9), pressionado pelas Forças Armadas e por protestos que questionavam sua reeleição no pleito de 20 de outubro.

Uma mesa de negociação está instalada há uma semana para buscar as condições de pacificar o país, segundo o representante local da União Europeia, León de la Torre.

Espera-se que se some à mesa, integrada por congressistas pró e contra Evo, Jean Arnault, enviado pessoal do secretário-geral da ONU, António Guterres.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.