Descrição de chapéu The New York Times

Presos pelo dobro do tempo que viveram livres, inocentes são libertados nos EUA

Trinta e seis anos após caso, promotores anunciam que condenações de 3 homens foram equivocadas

Timothy Williams
The New York Times

Os três adolescentes foram presos no Dia de Ação de Graças de 1983 e considerados culpados por um crime repugnante: teriam matado a tiros um garoto de 14 anos quando ele percorria o corredor de seu colégio de ensino médio, a caminho do refeitório. 

Segundo as autoridades, eles queriam a jaqueta do garoto. Vista como mesquinha e assustadora, essa motivação provocou indignação em Baltimore, nos Estados Unidos, onde um júri rapidamente condenou os rapazes por homicídio e os sentenciou à prisão perpétua.

Trinta e seis anos mais tarde, promotores anunciaram que as condenações foram equivocadas. Eles agora reconhecem que o verdadeiro assassino foi outro adolescente.

Nesta segunda-feira (25), os três homens, agora cinquentões grisalhos, saíram da prisão, libertados depois de passar toda sua vida adulta atrás das grades.

Alfred Chesnut abraça sua mãe após deixar a prisão, em Baltimore
Alfred Chesnut abraça sua mãe após deixar a prisão, em Baltimore - Todd Kimmelman - 25.nov.19/Mid-Atlantic Innocence Project/AFP

Alfred Chestnut, Ransom Watkins e Andrew Stewart pareceram aliviados, mas também perplexos quando emergiram do presídio e falaram com um grupo de jornalistas que os aguardava sobre os anos passados na prisão, travando o que muitas vezes pareceu ser uma luta impossível para comprovar sua inocência de um crime que eles sempre insistiram que não cometeram.

“Sempre sonhei com este momento”, disse Chestnut, com sua mãe de um lado e sua noiva do outro. “Todos meus amigos da prisão sabem que sempre falei disso, sempre sonhei com isso o tempo todo. Mesmo quando era jovem, sabe: ‘Por que isso está acontecendo comigo?’.”

Como parte de uma série de revisões de processos judiciais antigos e questionáveis, um setor da procuradoria pública de Baltimore identificou vários erros na investigação do caso do adolescente morto no colégio. 

A revisão concluiu que foi um estudante diferente, já falecido, quem atirou em DeWitt Duckett, o aluno de 14 anos morto quando andava na escola Harlem Park Junior, em Baltimore.

Na segunda-feira (25) o juiz Charles Peters, do tribunal de Baltimore, aceitou o pedido apresentado pela promotoria estadual para inocentar os três homens.

“Estou com o coração partido por estes três homens, que precisam agora se conformar com o fato de que vivemos em um mundo que foi capaz de tirar 36 anos da vida de homens inocentes”, disse Marilyn Mosby, que assumiu a direção da procuradoria estadual em 2015, décadas após o julgamento original. 

“O que está ocorrendo hoje não é uma vitória. É uma tragédia que esses homens tiveram 36 anos de suas vidas roubadas.”

Procuradorias em todo o país estão designando investigadores para rever condenações nos casos em que as evidências sugerem a possibilidade de terem ocorrido erros.

De San Francisco a Nova York, procuradores agora têm equipes de investigadores especializados para vasculhar provas antigas. 

Dezenas de pessoas vêm sendo libertadas todos os anos graças à descoberta de erros importantes em seus processos ou de evidências de erros de conduta por parte de policiais ou promotores

Da esq. para a dir., Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins ao serem libertados, em Baltimore
Da esq. para a dir., Alfred Chesnut, Andrew Stewart e Ransom Watkins ao serem libertados, em Baltimore - Todd Kimmelman - 25.nov.19/Mid-Atlantic Innocence Project/AFP

Em Baltimore, o departamento de Mosby absolveu seis outras pessoas de crimes graves desde que ela assumiu a direção.

O caso dos três homens libertados na segunda-feira se destaca pelo tempo que eles cumpriram de prisão e a idade em que foram encarcerados: eles passaram atrás das grades o dobro do tempo que viveram em suas casas. 

Eles haviam insistido desde o começo que eram inocentes e diziam isso às pessoas cada vez que surgia uma oportunidade. 

Mesmo quando tiveram chances de conseguir liberdade condicional, depois de cumprir anos de suas sentenças, não puderam recebê-la porque se recusavam a confessar a culpa pelo homicídio.

O gabinete de Mosby disse que o processo contra os três homens envolveu vários erros de conduta, incluindo mentiras contadas por Jonathan Shoup, o procurador estadual da época, que influenciou o julgamento injustamente a favor dos promotores. Shoup morreu em 2016.

No dia 18 de novembro de 1983, Chestnut, Watkins e Stewart, então estudantes de 16 anos do ensino médio, cabularam aula e foram visitar amigos de outros anos, até que um segurança do colégio os expulsou do campus.

Cerca de 30 minutos mais tarde, DeWitt, o aluno de 14 anos, estava indo ao refeitório almoçar com amigos quando alguém o mandou entregar sua jaqueta. Depois de lutar com o agressor, ele recebeu um tiro na nuca de uma pistola de calibre 22 e caiu ao chão. Morreu duas horas mais tarde.

O crime no colégio atraiu muita atenção à época. A polícia estava sob pressão enorme para elucidar o caso rapidamente, disseram promotores.

Segundo o gabinete de Mosby, um dos erros cometidos na investigação inicial foi que Shoup negou que seu gabinete estivesse de posse de evidências que poderiam colocar em dúvida a culpa dos três rapazes. 

Mas várias testemunhas identificaram o autor do tiro como sendo outra pessoa, Michael Williams, então com 18 anos. Williams morreu em um tiroteio, em 2002.

As novas evidências só foram reveladas em 2018 quando Chestnut, hoje com 52 anos, apresentou uma solicitação de informação que consta do registro público e acabou recebendo acesso ao arquivo do processo, que tinha sido selado pelo juiz que presidira o julgamento.

O arquivo também mostrou que quatro testemunhas jovens que disseram ao tribunal que Chestnut e os outros tinham participado do crime na realidade não conseguiram identificá-los em fotos mostradas pela polícia antes do julgamento.

Segundo os documentos do tribunal, as testemunhas, que eram alunos do colégio na época, se retraíram desde então. Disseram aos investigadores que foram pressionadas por policiais, que se reuniram com eles várias vezes sem a presença dos pais deles, e treinados sobre o que dizer.

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.