Descrição de chapéu Diplomacia Brasileira

Bolsonaro diz que coronel é cotado para embaixada do Brasil em Israel

País não tem tradição de enviar empresários, como o militar, para representações no exterior

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (10) que o coronel da reserva Paulo Jorge de Nápolis é cotado para assumir o comando da embaixada do Brasil em Israel.

Na semana passada, a Folha noticiou que o presidente decidiu indicar o militar, que trabalha na empresa aeroespacial IAI (Israel Aerospace Industries), para a representação diplomática.

Na saída do Palácio do Alvorada, onde parou para conversar com um grupo de apoiadores, o presidente avaliou como natural fazer uma troca neste momento, uma vez que o diplomata Paulo César Meira de Vasconcellos assumiu a função em 2017.

"A ideia é trocar, não quer dizer que seja aquele coronel. Existe a intenção de trocar, o que é natural. É natural trocar", disse. "O coronel está no radar, não quer dizer que seja ele. Ele foi adido militar por três anos lá."

Entre 2013 e 2015 na embaixada brasileira em Tel Aviv, o coronel foi responsável pela interlocução entre os canais diplomáticos brasileiros e israelenses na área de defesa.

Depois de voltar ao Brasil, serviu como oficial de ligação entre os adidos militares no exterior, os 40 adidos estrangeiros baseados em Brasília e o Estado-Maior do Exército. 

Antes, havia sido comandante do centro de instrução de operações especiais da Força. O coronel é formado na turma de 1987 da Academia Militar das Agulhas Negras.

Não há tradição no Brasil, como nos Estados Unidos, de enviar empresários para representar o país no exterior. 

No passado, políticos importantes sem cargo público eram frequentadores da representação em Lisboa, e a posição na Agência Internacional de Energia Nuclear, em Viena, foi ocupada por um físico especializado no tema.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.