Descrição de chapéu Governo Trump

Democratas acusam Trump formalmente de abuso de poder e obstrução do Congresso

Agora, plenário da Câmara dos Deputados espera votar artigos de impeachment na próxima semana

Washington e São Paulo | Reuters e AFP

Os líderes do Partido Democrata na Câmara dos EUA anunciaram nesta terça-feira (10) as acusações formais no processo de impeachment contra Donald Trump, atribuindo ao presidente americano os crimes de abuso de poder e obstrução do Congresso.

Com isso, a tendência agora é que já na próxima semana a Casa —de maioria democrata— realize a votação para autorizar o impeachment do presidente, que será então julgado pelo Senado. Ele permanecerá no cargo no cargo até o final do processo. 

O presidente do comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff, durante entrevista coletiva no Capitólio, em Washington, para anunciar as acusações formais contra Trump
O presidente do comitê de Inteligência da Câmara, Adam Schiff, durante entrevista coletiva no Capitólio, em Washington, para anunciar as acusações formais contra Trump - Jonathan Ernst/Reuters

O texto de nove páginas afirma que o republicano montou um esquema para "pedir de forma corrupta" ajuda do governo ucraniano para investigar um possível adversário seu nas eleições de 2020 —o ex-vice-presidente democrata Joe Biden.

"O Presidente Trump abusou dos poderes da Presidência ao ignorar e prejudicar o interesse nacional e outros interesses vitais nacionais para obter um benefício político pessoal impróprio", diz um trecho da acusação. 

"Ele também traiu a nação ao abusar de sua função ao recrutar um poder estrangeiro para corromper eleições democráticas", afirma o texto.

A acusação diz ainda que Trump praticou obstrução e fez uma "provocação categórica, indiscriminada e sem precedentes" contra o Congresso ao ordenar que subordinados seus se recusassem a testemunhar e a entregar documentos aos deputados que investigavam a questão ucraniana.

Os democratas deram andamento rápido ao inquérito de impeachment desde o início da investigação, em 24 de setembro, sobre as alegações de que Trump pressionou Kiev a investigar o filho de Biden, Hunter, que foi conselheiro de uma empresa ucraniana.  

Eles acusam Trump de infringir a lei ao reter uma ajuda militar de US$ 400 milhões à Ucrânia, bem como ao condicionar o agendamento de uma reunião na Casa Branca para convencer o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, a iniciar a investigação contra o rival. 

O presidente republicano "enxerga a si mesmo como acima da lei", disse nesta terça o deputado democrata Jerrold Nadler, que comanda o comitê Judiciário da Câmara. "Temos de ser claros, ninguém, nem mesmo o presidente, está acima da lei."  

Ao lado da presidente da Casa, Nancy Pelosi, e de colegas presidentes dos comitês que investigaram se Trump deveria ser impugnado, Nadler também disse a repórteres que o presidente havia colocado em risco a Constituição dos EUA, minando a integridade das eleições de 2020. 

Por outro lado, os republicanos acusam os democratas de tentar anular os resultados das eleições de 2016 classificando o processo como uma "caça às bruxas" contra Trump, que nega ter cometido qualquer irregularidade.  

"O presidente vai se defender dessas falsas acusações no Senado e espera ser completamente inocentado, uma vez que não fez nada de errado", disse em comunicado a porta-voz da Casa Branca,  Stephanie Grisham.  

O próprio presidente usou uma rede social para se defender. Ele disse que a acusação feita por Nadler "não era verdadeira" e afirmou que nunca pressionou o presidente ucraniano. 

​Caberá agora ao comitê Judiciário da Câmara decidir se aceita ou não as acusações contra o presidente. 

A expectativa é que essa votação aconteça já nesta quinta (12) e que o colegiado confirme o prosseguimento do processo, abrindo o caminho assim para uma sessão histórica no plenário da Câmara. 

Segundo o jornal The New York Times, se tudo ocorrer como o previsto, a tendência é que já na próxima semana os deputados votem o impeachment do presidente dos Estados Unidos —todas as previsões apontam que a Casa deve aprovar a medida. 

O processo seguirá então para o Senado, a quem cabe julgar se de fato Trump cometeu os crimes dos quais é acusado, o que deve acontecer no início de 2020. 

O presidente permanecerá no cargo até o julgamento no Senado e é improvável que ele seja condenado, uma vez que a Casa tem maioria republicana —são necessários dois terços dos votos para que ele seja afastado.  

Mesmo assim, o rito do impeachment ainda pode ter impacto em sua campanha à reeleição no próximo ano e na disputa pelo controle do Legislativo.  

Em toda a história americana, a Câmara só autorizou a abertura do processo contra dois presidentes, os democratas Andrew Johnson (1868) e Bill Clinton (1998), mas ambos acabaram inocentados no Senado. 

Além deles, o republicano Richard Nixon renunciou em 1974 quando a Câmara se preparava para votar a abertura do processo e seu impeachment já era dado como certo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.