Governo da Bolívia expulsa diplomatas do México e da Espanha

Presidente interina acusa os dois países de planejarem a fuga de um ex-ministro de Evo Morales

São Paulo e La Paz | AFP

A presidente interina da Bolívia Jeanine Áñez ordenou, nesta segunda (30), que a embaixadora do México, María Teresa Mercado, e outros funcionários do governo espanhol deixassem o país em 72 horas.  

“O governo constitucional que presido decidiu declarar 'persona non grata’ a embaixadora do México na Bolívia, María Teresa Mercado, a encarregada de negócios da Espanha na Bolívia, Cristina Borreguero, o cônsul Álvaro Fernández, e um grupo de supostos diplomatas encapuzados e armados”, disse Áñez em uma declaração à imprensa. 

A presidente interna da Bolívia, Jeanine Áñez, fala com a imprensa no palácio presidencial em La Paz
A presidente interna da Bolívia, Jeanine Áñez, fala com a imprensa no palácio presidencial em La Paz - David Mercado/Reuters

A presidente acusou os diplomatas de "ferir gravemente a soberania e a dignidade do povo e do governo constitucional da Bolívia".

A chanceler do governo boliviano Karen Longaric firmou que a expulsão dos diplomatas não implica em uma ruptura de relações diplomáticas entre os países, segundo o jornal boliviano El Deber.    ​

O ministro das Relações Exteriores do México afirmou que se trata de uma decisão de caráter político e instruiu sua embaixadora à retornar ao México para garantir a sua segurança.  

Segundo o governo boliviano, a encarregada de negócios e o cônsul espanhóis chegaram à embaixada mexicana em La Paz na sexta (27), juntamente com agentes de segurança "encapuzados e supostamente armados", com a intenção de retirar do país o ex-ministro Juan Ramón Quintana, um dos principais auxiliares do ex-presidente Evo Morales. 

A Bolívia já havia enviado uma nota de "protesto enérgico" à Espanha no sábado (28). Madri, porém, negou que a visita fosse "facilitar a partida" de um membro do governo de Morales.

Madrid respondeu à medida boliviana nesta segunda (30) com a expulsão de três diplomatas bolivianos, que também foram declarados "persona non grata".

"Em reciprocidade ao gesto hostil do Governo interino da Bolívia (...), a Espanha decidiu, por sua vez, declarar 'persona non grata' a três membros do corpo diplomático e consular boliviano em nosso país e a lhes dar um prazo de 72 horas para deixar a Espanha", afirma um comunicado oficial do governo espanhol.

A Espanha também informou que enviará uma missão à Bolívia para investigar a decisão de La Paz de não fornecer salvos-condutos para as pessoas asiladas na embaixada mexicana. Áñez afirma que existem pedidos de apreensão e investigação relacionados a elas.

O México, por ora, afirmou que não vai tomar uma decisão semelhante, na busca por "continuar construindo canais de comunicação". 

A ex-primeira dama dos EUA, Michelle Obama (à dir.) cumprimenta María Teresa Mercado, embaixadora mexicana que foi expulsa da Bolívia
A ex-primeira dama dos EUA, Michelle Obama (à dir.) cumprimenta María Teresa Mercado, embaixadora mexicana que foi expulsa da Bolívia - 13.abr/2010 - Omar Torres/AFP

Depois da renúncia de Evo Morales à Presidência boliviana em 10 de novembro, a embaixada mexicana deu asilo a um grupo de funcionários e pessoas próximas ao ex-presidente —muitas delas foram acusadas pelo governo interino de cometer crimes como sedição e revolta armada.

O governo mexicano havia se recusado a entregar o grupo antes que ele recebesse um salvo-conduto para sair do país. 

A embaixada, então, afirmou que estava sofrendo “intimidação e amedrontamento” por uma “excessiva” presença de serviços de inteligência e de segurança bolivianos no local. O México chegou a anunciar que iria recorrer à Corte Internacional de Justiça (CIJ), que tem sede em Haia, na Holanda.  

O governo boliviano respondeu dizendo que existiam ameaças de ataques contra a embaixada.

As relações entre Bolívia e México deterioraram-se desde que o governo do mexicano Andrés Manuel López Obrador decidiu conceder asilo a Evo Morales e seus familiares

Evo renunciou à Presidência da Bolívia após pressão das Forças Armadas e protestos intensos nas grandes cidades do país. 

Embates aconteceram depois das controversas eleições presidenciais de 20 de outubro no país, que deram vitória (e o quarto mandato) a Evo Morales. 

O pleito, marcado por idas e vindas e acusações de fraude, foi contestado pela oposição e, depois de uma auditoria, também pelo secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos), Luis Almagro, que pediu sua anulação.

No início de dezembro, quase 45 dias depois da eleição, a OEA concluiu que houve “ações deliberadas para manipular os resultados das eleições na Bolívia", incluindo alteração e queima de atas de votação e falsificação de assinaturas.  

ex-presidente boliviano está agora exilado na Argentina, país que negou pedidos de extraditar tanto Evo quanto seus filhos, que hoje vivem em Buenos Aires.


A crise na Bolívia

20.out
Bolivianos vão às urnas

21.out
Contagem dos votos é paralisada e então retomada; protestos começam

24.out
Após apuração tumultuada, resultado oficial dá vitória a Evo Morales; oposição não reconhece

30.out
OEA começa a auditar resultado do pleito

10.nov
Sob pressão das Forças Armadas e do líder opositor Luís Fernando 
Camacho, Evo e seu vice renunciam à Presidência

11.nov
México concede asilo político a Evo, que aceita

12.nov
Evo chega à Cidade do México; no mesmo dia, a senadora oposicionista Jeanine Áñez se declara presidente interina

12.dez
Evo deixa México e vai para Argentina na condição de refugiado

30.dez
Governo boliviano expulsa diplomatas do México e da Espanha

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.