Descrição de chapéu Entrevista da 2ª

Criamos essa nova classe média e ela tem outras demandas, diz Evo à Folha

Ex-presidente da Bolívia afirma que, após ter sofrido um golpe, seu partido ganhará as próximas eleições

Cidade do México

“Mônica, bom dia. Uma consulta: poderíamos fazer a entrevista no seu hotel? Não temos disponível o endereço que eu te dei”, escreveu por WhatsApp o ex-chanceler da Bolívia Diego Pary Rodríguez horas antes da entrevista de Evo Morales à Folha, marcada para as 11h de quinta-feira (28).

Uma sala foi improvisada às pressas no hotel Ibis. Pouco depois, Evo chegou acompanhado por três seguranças. 

Asilado no país há quase 20 dias, ele estava saindo de um campo militar onde foi abrigado pelo governo e buscava uma casa para morar. Terá que viver por conta própria.

O ex-presidente, que agora faz o próprio café da manhã e reaprendeu a arrumar a cama, ainda não decidiu se ficará no México ou se mudará para a Argentina, onde também tem garantido asilo político.

Diz que pretende voltar à Bolívia, ainda que não seja candidato a presidente. “Não sou nenhum delinquente”, afirma.

Na entrevista, Evo respondeu às críticas, feitas até por aliados, de que errou ao tentar um quarto mandato presidencial consecutivo. Falou sobre a participação dos militares no que definiu inicialmente como um “golpe cívico, político e policial” e reconheceu que parte da “nova classe média” da Bolívia, que emergiu em seu governo, acabou não se identificando com ele.

O ex-presidente revelou ainda como se embrenhou na selva depois de renunciar e saiu da Bolívia quase sem roupa —e sem documentos. 

 

O senhor conversou com Lula por telefone há alguns dias. Sobre o que falaram? 

Eu conheci o Lula em encontros como o Foro de São Paulo e de Porto Alegre. Eu era dirigente, camponês índio, e ele, operário. Depois, ele se tornou presidente [em 2003]. Quando eu era candidato à Presidência [da Bolívia, em 2005], tivemos bonitas conversas. 

Ele me expressou toda a sua solidariedade e me convidou para visitá-lo em sua casa no Brasil. Eu o vi muito forte, como sempre. Conversamos sobre a Bolívia. Estou sendo acusado de sedição, de terrorismo —e se supõe que sou discriminador e racista agora? Como alguém pode aguentar essa injustiça?

Ele foi solidário e humano. Sempre respeito o irmão Lula.

 

​​​​Ele já disse que o senhor errou ao tentar o quarto mandato [a Constituição da Bolívia permite dois mandatos. Evo, em 2016, perdeu o referendo que propunha que a regra fosse modificada. Ainda assim, autorizado pela Justiça, concorreu às eleições]. 

Na minha atividade social, sindical, eleitoral e política, nunca me conduzo com cúpulas, mas sempre escutando o povo. 

A Central Obrera Boliviana e outros setores sociais disseram que o único candidato [a presidente em 2019] era Evo Morales. Se cometi algum erro, foi ter aceitado [a vontade] do povo. Não sei se foi um erro no final. Houve uma eleição. Ganhamos no primeiro turno.

Mas a Constituição, feita sob seu governo, prevê dois mandatos presidenciais. O senhor perdeu o referendo e insistiu na candidatura. Não passou do limite do respeito às regras? 

Lamentavelmente foi o referendo da mentira. Foi uma campanha suja contra mim. Há advogados que estão na prisão e outros que fugiram do país porque montaram uma mentira. Por que tanto medo de Evo? Por que usar tanta mentira para ganhar o referendo? 

Houve acusações de uso de fake news na votação do brexit, na Inglaterra, e na eleição presidencial do Brasil. Mas os derrotados reconheceram os resultados. O senhor, não. 

Poderíamos derrubar legalmente o referendo, devido às fraudes. Mas isso não ocorreu, e a Constituição não foi modificada.

O que fizeram, frente a isso, os movimentos sociais? Buscaram outro caminho, legal, baseado em jurisprudência internacional, em tratados de direitos humanos [a corte constitucional da Bolívia foi acionada e considerou que a limitação de mandatos feria direitos humanos e políticos de Evo].

Os movimentos disseram: “Vamos lá, tudo pelo processo de mudança. Foi demonstrado que a Bolívia tem muito futuro e isso não pode parar”.

Sabe, nosso movimento político se baseia nos movimentos sociais. Nós quebramos a doutrina norte-americana, de pluralismo ideológico e independência sindical —ou seja, sindicato não pode fazer política.
Os movimentos campesino e indígena disseram: “Não. Temos o direito de fazer política”. A nossa geração resolveu passar da luta sindical à luta eleitoral. E decidiram: Evo candidato.

Nós mostramos que a Bolívia tem esperança. Antes, nos faziam cantar o “Lamento Boliviano”. Em 1985, no neoliberalismo, diziam: “A Bolívia está morrendo”. E para que ela não morra [é preciso] privatização, privatização.

Por que agora esse golpe? Eles não perdoam porque nacionalizamos. Mudamos a matriz econômica e a Bolívia cresceu.

Uma vez eu tive um problema com Lula [dá risada]. Quer que te conte? Quando nacionalizamos [o gás, que era explorado pela Petrobras], Lula se irritou.

É que o senhor nem sequer o avisou. 

Quando fui eleito [para o primeiro mandato, em 2005], Lula me disse: “Evo, vamos trabalhar juntos, comunique-se comigo. Se eu não puder falar, ligue para o professor Marco Aurélio [Garcia, então assessor de assuntos internacionais do governo].

Eu liguei para o Marco Aurélio [em 2006, quando decidiu nacionalizar o gás]. Ele não atendeu. Chegou o dia 1º de maio, nacionalizamos. 

Lula não ficou bravo por isso, mas porque entrei na Petrobras com as Forças Armadas. Isso deixou ele zangado.

Depois expliquei a ele: a Petrobras pode ser sócia, mas não vai ser a dona dos meus recursos naturais. [Lula disse] “Sim, Evo, eu já sei, já sei”. E o assunto ficou resolvido.

Há uma análise de que, pelos méritos de seu governo na área econômica, o senhor poderia ter saído do cargo pela porta da frente. Não fez isso por tentar ficar no poder a qualquer custo. 

Eu aceito e estou acostumado a receber críticas. Mas o importante é fazer história. Fui o presidente da melhor história da nossa amada Bolívia. Ninguém pode negar isso. Não fizeram em 180 anos o que fizemos em quase 14 anos. Foram recordes de redução da pobreza, de crescimento, de diminuição da desigualdade. Os dados estão aí. As futuras gerações vão julgar.

O senhor em 2005 ganhou com 53% dos votos, chegou a 64% em 2009 e a 61% em 2014. Neste ano, teve 47%. Por que a queda? 

Estamos vivendo esse momento, é parte da política. Mas voltaremos a atingir os 3 milhões de votos daqui a pouco. Te juro [ergue o braço com a mão fechada].

Mas por que perdeu tanto? 

As novas gerações não conheceram como viviam as pessoas na ditadura militar ou nas ditaduras do modelo neoliberal. Tem crianças, jovens, que acham que se vivia em boas condições, com telefonia celular, crescimento, universalização dos benefícios sociais. Eles nasceram e viveram isso e, imagino, querem outras conquistas. Nós fizemos essa nova classe média e ela tem outras demandas. 

E parte dela não se identifica com o senhor? 

Foi crescendo a mentalidade de luxo, lucro. E ela tem preconceitos. 

O papel das redes sociais nisso também ficou claro. Me dói ter que enfrentar grupos violentos. Não entendo como, depois de tantos anos, nasce o fascismo e o golpismo.

Não sei se, depois [da eleição do presidente Donald] Trump nos EUA, essa onda não começou a crescer. Fortaleceram-se grupos fascistas no mundo e agora isso chegou à Bolívia.

O senhor definiu a sua saída do cargo como um golpe cívico, político e policial. Só depois incluiu nele os militares. Qual foi a participação deles? 

O golpe de Estado começou em 21 de outubro, no dia seguinte à eleição, quando Carlos Mesa [candidato adversário] não reconheceu os resultados. Nesta tarde, centros eleitorais foram incendiados, e a polícia suspeitosamente se afastou. 

A suspensão da divulgação dos resultados não ajudou a criar essa atmosfera de desconfiança? 

A pergunta deveria ser feita ao Tribunal Eleitoral [que tomou a decisão]. Mas suspenderam a contagem rápida [dos votos], e não a oficial. Um relatório preliminar dizia que eu ganhava com sete pontos percentuais a mais dos votos [eram necessários dez de diferença em relação ao segundo colocado para que a eleição fosse decidida em primeiro turno]. E eu dizia: esperemos os votos da região rural. Em uma comunidade indígena, ganhamos com 97%.

Começaram a queimar tribunais, mas o objetivo era queimar as atas de escrutínio que chegavam das áreas rurais.

Mas o senhor ainda estava decidido a seguir na Presidência?  

Nós exigimos que se respeitassem os resultados. O golpe foi também de caráter internacional: a OEA [Organização dos Estados Americanos] se soma a ele na madrugada do domingo, dia 10 [ao divulgar um informe preliminar apontando irregularidades nas eleições].

Meu erro foi ter confiado no Luis Almagro [secretário-geral da OEA]. Ele veio à Bolívia em maio e disse: “Evo está habilitado [a ser candidato]”. Sobrevoou uma concentração de helicóptero, [disse] “impressionante como Evo convoca isso”, “Evo é histórico”.

Quando a direita começa a falar de fraude, o que fizemos? [Pedimos] uma auditoria eleitoral [comandada pela OEA].

Os técnicos diziam que ela seria divulgada no dia 13. Mas, na madrugada do dia 10, já havia um informe preliminar [apontando irregularidades].

Eu disse a eles [OEA]: “Vocês vão incendiar a Bolívia. Haverá mortos por culpa de vocês”.

Mas o senhor confiava na OEA e concordou com a auditoria. Por que não aceitar o resultado? 

O que disse a OEA? “Evo ganhou, mas pode ser que não [tenha vencido] no primeiro turno”. Então por que não disseram “vamos ao segundo turno?”. Por que sugerem novas eleições? Isso é golpe.

O senhor mesmo convocou novas eleições neste dia. 

Novas eleições, com novos atores. Tudo pela paz. Se não querem Evo candidato, nenhum problema. Mas, como era um golpe de Estado, [passaram a exigir que] Evo não termine seu mandato. Que não saia pela porta, mas sim pela janela.

Foi um plano para criminalizar o movimento indígena, em especial Evo Morales.

Quando a OEA respaldou sua candidatura, o senhor confiava em Almagro. E agora não confia. Não é uma contradição? 

Eles é que estão demonstrando a sua contradição. Estou convencido: são imposições dos Estados Unidos. Almagro não responde aos movimentos sociais humildes que lutam por sua libertação. Responde a um sistema.

E até agora, depois de 15 dias [do informe preliminar], não há um informe final. Estamos organizando uma comissão da verdade. Já temos dois informes 

[pega um papel e lê]: de Walter Mebane, da Universidade de Michigan, e do Centro de Investigação Econômica e Política de Washington [que divergem da OEA]. Em uma investigação profunda, [com checagem] voto por voto, mesa por mesa, sei que ganharíamos com mais votos.

Em que momento, depois de anunciar novas eleições, decidiu também renunciar? 

Do racismo passaram ao fascismo. Começaram a perseguir militantes e autoridades do nosso governo. Queimaram suas casas e ameaçaram queimar suas famílias para que renunciassem. Na sexta (8), a polícia se amotina e se soma ao golpe.

Queimam a casa da minha irmã. Saqueiam a minha casa. Não há polícia. Queimam a casa do presidente da Câmara, que renuncia. Os companheiros se mobilizam para, na segunda (11), recuperar a praça Murillo [no centro de La Paz] e a Casa Grande del Pueblo [sede do governo]. A polícia, amotinada, ia meter bala, massacraria meus companheiros. Renunciamos [no dia 10] para que não houvesse massacre. 

A decisão foi tomada antes de os militares sugerirem a sua renúncia, no mesmo dia 10? 

Estávamos em debate. Agora, claro, se eu não poderia usar as Forças Armadas para enfrentar [a polícia], o massacre ocorreria. Felizmente evitamos isso. Depois da minha renúncia, houve 33 mortos a bala em dez dias. Na minha gestão, não houve uma pessoa morta a bala.

Depois de decidir pela renúncia, o que o senhor fez? 

Um dia antes da renúncia, um oficial da equipe de segurança do Exército me disse: “Quero mostrar essas mensagens e chamadas telefônicas”. Elas diziam: “Entreguem Evo. Nós nos responsabilizamos pela parte operativa. Temos 50 palos grandes”, ou US$ 50 mil (R$ 212 mil), em troca de me entregarem.

No domingo (10), decidimos ir para [a região de] Chimoré, um lugar mais seguro para anunciar a nossa renúncia.

Eu estava em El Alto [cidade vizinha a La Paz]. Quando ia levantar voo, o coronel Guzmán, comandante do grupo presidencial, não quis me levar a Chimoré. “O que acontece, Guzmán? Que argumentos você tem?” Tive que ligar para o comandante da Forca Aérea boliviana, que deu a ordem. E assim levantamos voo.

Na chegada, em vez de ir para o terminal civil, me levaram para o terminal militar.

Vejo então na pista carros de dirigentes sindicais e de prefeitos, em alta velocidade.

Saí do aeroporto com eles. Estou convencido hoje de que, se não fossem meus irmãos dirigentes, eu teria sido preso.

O senhor teve medo de morrer ou de ser detido? 

Eu sou muito sereno. É pátria ou morte. Há dois caminhos para um político anti-imperialista: ser mártir ou herói. Não há outro. Estou convencido.

O que aconteceu depois? 

Entramos numa trilha pela selva, para ter mais segurança.

Estava apenas com a roupa do corpo? 

Como viajo bastante, sempre tenho uma maleta de roupa. E isso era tudo. Estava sem documentos. Porque a gente [chefes de estado] nunca leva isso. Alguém leva.

No dia seguinte, o Paraguai nos ofereceu asilo. Mas não havia logística. O México também ofereceu. O avião do México ia chegar. Meus companheiros suspeitaram de movimentos de militares. Em 
uma hora, mais de 10 mil pessoas se concentraram na porta do aeroporto de Chimoré.

Às 11h, me avisaram que a aeronave não pousaria, pois não eram permitidos aviões militares [na região]. Me chamaram dos EUA para dizer que poderiam emprestar um avião para me levar aonde eu quisesse. A mim me causou risos. “Vão me levar para [a prisão de] Guantánamo.”

Por fim, às 21h25, chegou o avião. Entramos, emocionados.

Alberto Fernández [presidente eleito da Argentina] chamava, [Nicolás] Maduro chamava. Muitos pelo mundo estavam preocupados. O México salvou as nossas vidas.

Como é a sua vida no México?

É acordar cedo, tomar banho e só comer, dormir e me comunicar. Só isso.

Em duas noites eu já aprendi a arrumar a minha cama, fazer o café da manhã. Graças à solidariedade, temos um pequeno apartamento para poder viver. Uma casa normal.

Seu partido, o MAS (Movimento ao Socialismo), participará das próximas eleições mesmo que o senhor não possa voltar à Bolívia?

O Departamento de Estado dos EUA reconheceu uma autoproclamada presidente de fato [Jeanine Añez, que hoje comanda a Bolívia]. Isso já é prova de que participaram do golpe de Estado.

O que diz o Departamento de Estado? [Que sejam feitas] eleições livres, transparentes e limpas. Então não pode haver perseguidos políticos nem exilados. Que classe de eleições seriam essas? Que classe de democracia?

Evo não será candidato, já está decidido. É uma decisão política, pronto, acabou. Esse é o sacrifício que eu faço para pacificar a Bolívia. “[Mas] Evo não pode voltar à Bolívia.” O que é isso? Isso não é eleição limpa, nem transparente, nem livre.

O senhor não teme voltar à Bolívia? Confia nas instituições?

Não sou corrupto, não sou nenhum delinquente. Tenho o direito de voltar. Há um governo de fato, com 33 mortos em dez dias. Como podemos confiar? É sua obrigação nos dar as garantias correspondentes. 

Ainda que não volte, o MAS vai participar?  

Claro, vai participar. Vamos ganhar as eleições, não sei se em primeiro turno.

Quem será o candidato?

Ainda não está definido. Estamos em contato com sindicatos, movimentos sociais, comunidades, escutando [para definir] como organizamos.

O senhor não vai participar dessas eleições. Mas e no futuro, pode participar de novo?

Isso veremos. 

Não é uma decisão para toda a vida?

Não, não, não. Por agora estamos falando da próxima eleição. Evo não é candidato. E queremos, assim como os EUA e a direita dizem, eleições livres e transparentes.

Quero dizer que, com Evo ou sem Evo, nosso processo de mudança vai continuar na Bolívia. Muito obrigado.

Juan Evo Morales Ayma, 60
​Primeiro presidente indígena da Bolívia, o líder cocaleiro governou o país por quase 14 anos. Eleito pela primeira vez em 2005, renunciou à Presidência depois de distúrbios no país e sob pressão de militares. Está asilado no México.


A TENSÃO POLÍTICA NA BOLÍVIA, DIA A DIA

20.out
Bolivianos vão às urnas para 1º turno das eleições presidenciais; resultados parciais indicam a realização de um 2º turno

21.out
Tribunal eleitoral aponta vitória de Evo após contagem ser interrompida e um novo método de apuração ser usado; opositor Carlos Mesa não reconhece a nova contagem e manifestantes saem às ruas

22.out
Governo pede auditoria externa da eleição à Organização dos Estados Americanos (OEA); grande protesto toma as principais ruas de La Paz

24.out
Saem os resultados oficiais, que confirmam vitória de Evo no 1º turno; Brasil, Argentina, União Europeia e EUA não reconhecem e pedem nova votação

30.out
Começa auditoria da OEA, com técnicos estrangeiros e resultado vinculante; acontecem as duas primeiras mortes de manifestantes em confrontos

3.nov
Tensão política aumenta quando um líder dos protestos, Luis Fernando Camacho, pede intervenção dos militares contra Evo, em tom de ultimato

5.nov
Camacho é barrado em aeroporto de La Paz ao tentar entregar a Evo uma carta pré-escrita de renúncia

 8.nov
Alguns policiais se rebelam contra o governo e anunciam que não vão mais reprimir manifestantes

10.nov
Após semanas de protestos ininterruptos, OEA adianta entrega de auditoria e pede a anulação das eleições de outubro; Evo Morales cede, anuncia novo pleito e é instado pelas Forças Armadas a renunciar

11.nov
Evo deixa a Bolívia rumo ao México, que lhe concedeu asilo político

12. nov
A senadora opositora Jeanine Añez se declara presidente interina do país

17.nov
Governo interino autoproclamado emite um decreto que exime de responsabilidade penal membros das Forças Armadas que atuem em "legítima defesa ou estado de necessidade"

23.nov
Congresso boliviano aprova novas eleições gerais no país sem a participação do ex-presidente Evo Morales e do ex-vice Álvaro García Linera

Colaborou Azahara Martín Ortega

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.