Brasil autoriza novo voo fretado com ao menos 70 deportados dos EUA

Aeronave pousará em Belo Horizonte com brasileiros que tentaram entrar ilegalmente no país

Brasília

Ao menos 70 brasileiros foram deportados ao Brasil nesta sexta-feira (24), no segundo voo fretado pelo governo dos Estados Unidos com essa finalidade desde outubro. 

Segundo o Itamaraty, no entanto, existe a possibilidade de que o número de brasileiros no voo, que partiu da cidade de El Paso, no Texas, com destino ao aeroporto de Confins, em Belo Horizonte, seja maior. 

O número exato ainda não é conhecido pelas autoridades brasileiras porque mais pessoas podem ter sido incluídas de última hora. A checagem final só será realizada quando o avião aterrissar na capital mineira.

Voos fretados com deportados precisam ser autorizados pelo governo brasileiro, mesmo sendo bancados pelo governo americano. 

Brasileiros deportados dos EUA encontram familiares
Brasileiros deportados dos EUA encontram familiares no aeroporto de Confins, próximo a Belo Horizonte (MG) - Alexandre Rezende - 26.out.19/Folhapress

Conforme a Folha revelou, o governo Donald Trump solicitou formalmente a Brasília a autorização para fretar mais voos com o objetivo de deportar brasileiros por imigração irregular. 

Isso porque o número de cidadãos do país apreendidos ao tentar atravessar sem documentos a fronteira dos Estados Unidos bateu o recorde de 18 mil em 2019. Assim, o governo americano busca soluções para acelerar a devolução dessas pessoas ao Brasil. 

Em 2019, Brasília deu luz verde ao sobrevoo de uma única aeronave para devolver 70 brasileiros. O avião aterrissou no fim de outubro também no aeroporto de Confins (MG).

O uso de aviões alugados para deportar imigrantes em situação irregular é uma prática antiga. No entanto, o esquema vinha sendo pouco aplicado a brasileiros. Segundo o Itamaraty, nos últimos anos há registro de um outro voo fretado, em outubro de 2017.

Alugar aeronaves com esse fim não é a única maneira de mandar migrantes com documentação irregular de volta a seus países. As deportações também podem ocorrer por linhas comerciais, o que depende da disponibilidade de assentos e não atende a um fluxo grande de pessoas.

Segundo auxiliares do presidente Jair Bolsonaro, o número de cidadãos apreendidos nos últimos anos não era tão elevado. Ainda havia —da parte do Brasil— resistência política de governos anteriores a autorizar esses voos. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.