Descrição de chapéu
Diplomacia Brasileira

Caso Eduardo Bolsonaro-China mostra preconceito e política na pandemia

Emergência sanitária se insere na disputa entre Washington e Pequim pela primazia mundial

São Paulo

A resposta dada pelo embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, à postagem de Eduardo Bolsonaro apontando o dedo para Pequim como responsável pela pandemia do coronavírus traz para o contexto brasileiro um aspecto subjacente à crise pela qual o mundo passa.

A emergência sanitária atual não é a primeira, nem será a última, na qual países e grupos étnicos se acusam mutuamente. Nisso há um misto de preconceito e de cálculo político.

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara
O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara - Gilmar Felix - 10.mar.2020/Câmara dos Deputados

Em 1894, um surto de peste bubônica em Yunnan (China) espalhou-se pelo mundo a partir de navios mercantes que passaram por Hong Kong. Não foi uma reedição da Peste Negra mais famosa da história (1347-1351), mas durou 30 anos e matou mais de 10 milhões de pessoas só na Índia.

Na costa oeste americana, onde os imigrantes chineses já eram tratados com desprezo, jornais publicavam cartuns de orientais comendo ratos para indicar a origem da praga. O famoso vídeo da sopa de morcego de Wuhan, que não era lá, tem antecedentes.

No caso do deputado filho do presidente, que chefia a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, o preconceito vem carregado de tintas ideológicas.

Os Bolsonaro se dizem anticomunistas, apesar da viagem pragmática e bem-sucedida do pai do clã à ditadura chinesa no ano passado, necessidade decorrente de um fato inescapável: Pequim é o maior parceiro comercial do Brasil.

Ainda assim, Eduardo sacou a já manjada comparação entre a pandemia na China e a crise de Tchernóbil, cujo acobertamento de um desastre nuclear em 1986 é associado à perda final de credibilidade do sistema soviético.

A avaliação em si não é nova nem necessariamente incorreta —o problema é que não se sabe ainda o que vai acontecer. Mas é também imprecisa: a China tem um poderio econômico que a União Soviética dos anos 1980 nunca sonhou em ter.

Isso não importa, já que Eduardo é figura pública e indissociável da figura presidencial. A grosseria no momento em que Pequim está fornecendo ajuda e tecnologia para combater a pandemia é incompreensível para um país com as carências que tem o Brasil.

Ela está ligada ao propalado alinhamento entre Brasília e a Washington de Donald Trump. O presidente americano adora tratar o novo coronavírus como “vírus chinês”, ou “vírus de Wuhan”. Até segunda ordem, não é errado, já que toda a pesquisa sobre a pandemia coloca sua origem naquela cidade.

Mas embute o mesmo preconceito dos cartuns sobre chineses comedores de ratos, e no momento em que EUA e China disputam uma feroz guerra comercial. Obviamente, os pobres vendedores de comida asiática nas Chinatowns americanas não têm nada com isso.

Na mão inversa, a China sob ataque por Bolsonaro e pelo trumpismo em geral também não tem conduta ilibada nessa disputa.

Desde o começo do mês, quando ficou claro que Pequim controlou o pior de seu surto de coronavírus, o governo passou a propagandear a versão de que o patógeno foi introduzido secretamente em Wuhan por militares americanos.

Uma fake news clássica, dado que prova alguma foi apresentada, e a teoria surgiu no momento em que Trump passou a levar a pandemia a sério. Ato contínuo, repórteres de veículos americanos tiveram suas permissões de trabalho cassadas por Pequim.

A China é uma ditadura comunista que controla estritamente a circulação de informação, e os dados disponíveis mostram que houve erros e negligências ao lidar com o começo da crise em janeiro.

Apesar das cenas dantescas vindas da Itália e de outros lugares, foram os chineses que aguentaram o pior da Covid-19 até aqui.

A não identificação ocidental com o outro oriental naturalmente reduziu a empatia —isso se vê até agora, quando os fechamentos de países na Europa assustam mais do que valas comuns cheias no Irã.

Mas também são os chineses que, ao passar pelo pior, já têm condições de dividir conhecimento e oferecer ajuda econômica, papel que historicamente era associado aos EUA e a outras potências do Ocidente.

Seria ingênuo achar que não há expectativa de ganho político com qualquer humanitarismo de Xi Jinping, mas e daí?

No filme-catástrofe “O Dia Depois de Amanhã” (Roland Emmerich, 2004), o novo presidente americano faz seu primeiro pronunciamento à nação na embaixada do país no México.

O motivo: ele, antes um negacionista do aquecimento global, teve de fugir de uma hecatombe climática que congelou os EUA.

Talvez uma versão dessa distopia esteja no centro das reações epidérmicas de políticos de lado a lado.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.