Descrição de chapéu Coronavírus

Explosões populares na América Latina pós-vírus não estão distantes, avalia cientista político

Para Andrés Malamud, recessão impedirá que governantes saiam vitoriosos da crise

Buenos Aires

A pandemia chegou à América Latina numa era de raiva, enfrentamentos e polarizações, o que faz com que o impacto do coronavírus na região seja diferente daquele na Europa.

Para o cientista político argentino Andrés Malamud, governos voltados ao centro do espectro político e frutos de coalizões tendem a oferecer resposta melhor para o combate à Covid-19.

Itália e Espanha, porém, governados por alianças de costuras difíceis e instáveis, são exceções.

"Os enfrentamentos de 2019 na América Latina causam um cenário de polarização política favorável à disseminação do vírus, isso pode ser visto no Brasil, na Bolívia e no Equador", afirma o professor da Universidade de Lisboa.

Equatorianos aguardam do lado de fora de uma clínica de saúde em Guayaquil
Equatorianos aguardam do lado de fora de uma clínica de saúde em Guayaquil - Santiago Arcos - 15.abr.20/Reuters

Já "governos burgueses e mais centristas" —Chile, Argentina e Peru—, segundo definição de Malamud, apresentam ambientes mais propícios para enfrentar uma crise como a que se dá agora.

"Para a Argentina, nada melhor que um governante como Alberto [Fernández] e um chefe de governo da cidade de Buenos Aires como Horacio Rodríguez Larreta, que são de campos políticos diferentes, mas tendem ao centro", afirma.

"Isso faz com que possam trabalhar de forma coordenada. Seria horrível para a Argentina, neste momento, ter autoridades como [Mauricio] Macri e Cristina [Kirchner] no poder, porque ambos são muito polarizadores", avalia o cientista político, em referência ao ex-presidente, derrotado nas últimas eleições, e à atual vice-presidente.

Para o cientista político, é certo que, devido à grande recessão após o fim da pandemia, não existirão "governantes vitoriosos", mas ainda assim há uma diferença entre "sair mal e sair muito mal".

É por isso, avalia Malamud, que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, prende-se tanto à minimização da doença e à valorização da economia.

"Ele sabe que, só com a economia indo bem, tem chance de se reeleger. Mas isso está em grave risco agora. A recessão atingirá todo o continente. A uns países mais, outros menos. O Brasil, com esse comportamento, tende a ser muito afetado, em número de mortes e na gravidade da recessão."

Por isso, o analista argentino não vê distante a possibilidade de explosões populares por conta da fome, pois a grande quantidade de trabalhadores informais, sem possibilidade de atuar durante as quarentenas, é um dos agravantes para toda a região.

Assim, a distribuição de bônus e ajudas econômicas é essencial neste momento, mesmo que, caso a pandemia dure muito tempo, não seja possível evitar a revolta dos que vivem em comunidades pobres.

"O Brasil virou um anti-exemplo. Não só por ter um governante negacionista, mas por essas imagens de pessoas fazendo carreatas contra líderes mais tecnocratas, pressionando para retomar o que consideram uma 'vida normal', quando isso não é mais possível. Isso é visto com assombro por europeus e pela comunidade internacional", diz.

Ainda que considere a atuação de Piñera, no Chile, como mais favorável ao combate à pandemia, Malamud não exclui a possibilidade de novo surto social no país tão logo a quarentena acabar.

Para o acadêmico, o aumento da popularidade do presidente é apenas momentâneo, e a pressão, que já era imensa antes da crise do coronavírus, pode piorar depois. A tendência, assim, seria o retorno dos protestos de 2019 impulsionados pela desigualdade social e agora intensificados pela recessão.

Da mesma forma, a Bolívia, mergulhada em caos político desde as últimas eleições presidenciais, que desembocaram na renúncia de Evo Morales, deve ver a tensão explodir "numa sociedade com histórico de enfrentamentos muito forte".

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.