Descrição de chapéu Governo Trump Coronavírus

Ao Congresso, médico demitido por Trump denuncia omissões e falta de plano contra vírus

Rick Bright alerta que EUA terão 'inverno mais sombrio de sua história' sem mudança de estratégia

São Paulo e Washington | Reuters e AFP

Os EUA passarão pelo momento “mais sombrio de sua história moderna” se o presidente Donald Trump não mudar a estratégia contra o novo coronavírus, disse em depoimento ao Congresso americano o médico Rick Bright, que até abril participava dos esforços do governo para combater a pandemia.

Após ser demitido do comando de uma agência federal, Bright fez uma denúncia formal contra a administração Trump, na qual afirma que as autoridades ignoraram seus alertas sobre a falta de preparo do governo para lidar com a Covid-19.

Por isso, foi convocado nesta quinta-feira (14) para depor a um subcomitê de saúde da Câmara dos Representantes (equivalente à Câmara dos Deputados no Brasil).

O médico Rick Bright se prepara para iniciar depoimento no Congresso americano, em Washington
O médico Rick Bright se prepara para iniciar depoimento no Congresso americano, em Washington - Shawn Thew/AFP

Em um mais de três horas de testemunho, Bright disse que a gestão federal ainda não tem um “plano geral” para a pandemia e que o país precisa rapidamente desenvolver uma estratégia nacional para testar a população.

“Nossa janela de oportunidades está fechando. Se não melhorarmos nossa resposta agora, baseada na ciência, temo que a pandemia vai piorar e se prolongar”, afirmou aos deputados.

Os Estados Unidos são o país mais atingido no mundo pela pandemia, com mais de 1,4 milhões de casos confirmados de coronavírus e mais de 85 mil mortes mortes, de acordo com compilação de dados realizada pela Universidade Johns Hopkins.

Segundo Bright, mesmo que esses números melhorem nos próximos meses, a tendência é que eles voltem a piorar durante o outono —que vai de setembro a dezembro nos EUA—, quando começa a temporada de gripe no país.

Isso, diz ele, vai “colocar uma pressão sem precedentes no sistema de saúde [do país]”.

E vai piorar ainda mais no inverno, de dezembro a março no hemisfério norte, afirmou o médico. “Sem um planejamento melhor, 2020 será o inverno mais sombrio da história moderna.”

"Os americanos merecem a verdade, uma verdade baseada na ciência. Temos os melhores cientistas do mundo, deixe-nos falar sem medo de represálias", afirmou ele.

Bright disse que começou a ficar preocupado com a situação dos EUA em janeiro, quando recebeu um email de um executivo de uma grande fabricante de máscaras médicas. Na mensagem, ele alertava que o país não teria condições de produzir equipamentos na velocidade necessária caso fosse atingido pela pandemia.

"Ele dizia: 'Estamos na merda. Todo o mundo está'", relatou o médico. Após receber o e-mail, Bright avisou imediatamente o comando do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, equivalente ao Ministério da Saúde no Brasil), mas disse que foi ignorado.

O secretário da pasta, Alex Azar, por sua vez, afirmou nesta quinta que todas as questões levantadas pelo médico foram investigadas e arquivadas.

Durante o depoimento, Bright colocou ainda em dúvida a previsão da Casa Branca de que haverá uma vacina contra o coronavírus entre 12 e 18 meses.

O médico tem como especialidade o desenvolvimento de vacinas e dirigia até abril a Barda, agência do governo americano responsável pela produção de vacinas e medicamentos.

Ao ser removido do cargo, no último dia 22, ele foi transferido para uma posição inferior no Instituto Nacional de Saúde, outra agência do governo.

Logo após o caso, o médico deu entrevista ao jornal The New York Times na qual afirmou que demissão tinha ocorrido após ele questionar o modo como a Casa Branca queria usar a cloroquina e a hidroxicloroquina no combate à pandemia.

Na denúncia feita contra o governo, na qual pede para ser readimitido em seu antigo cargo, Bright afirma que a gestão Trump promoveu os medicamentos como uma panaceia, embora "claramente não tenham mérito científico".

O presidente americano —assim como seu colega brasileiro, Jair Bolsonaro— defendeu diversas vezes o uso da cloroquina no tratamento para o coronavírus, embora estudos não tenham atestado eficácia.

Nesta quinta, Bright voltou ao assunto e afirmou que, no caso da hidroxicloroquina, ocorreu uma tentativa do governo de driblar o processo normal para aprovar o medicamento no tratamento da Covid-19.

Por meio de uma rede social, Trump disse que nunca conheceu o médico pessoalmente e afirmou que suas atitudes mostram que ele não deveria mais trabalhar no governo federal.

Mais tarde, o presidente disse a jornalistas que acompanhou parte do depoimento e voltou a atacar Bright. “Para mim ele é não nada além de uma pessoa desiludida e infeliz”, afirmou o republicano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.