Descrição de chapéu Governo Trump

ONGs processam Trump por repressão violenta a protestos contra morte de Floyd

Entidades alegam que governo violou direito de expressão e liberdade de imprensa

São Paulo

A União Americana pelas Liberdades Civis e outras entidades entraram na Justiça nesta quinta-feira (4) contra o presidente americano, Donald Trump, seu secretário de Justiça, William Barr, e autoridades envolvidas na repressão ao protesto próximo à Casa Branca na segunda-feira (1º).

Os autores da ação afirmam que houve violação dos direitos dos manifestantes garantidos pelas primeira e quarta emendas à Constituição americana —liberdade de expressão e veto a detenções e inspeções arbitrárias, respectivamente.

O ato ocorria de forma pacífica em frente à Casa Branca até policiais e agentes da Guarda Nacional começarem a usar bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha para dispersar a multidão e abrir caminho para Trump.

O presidente então caminhou alguns metros até a igreja de St. John, onde posou para fotos segurando uma Bíblia —o que irritou líderes religiosos.

Com uma Bíblia, Trump posa para fotos em frente à igreja de St. John, a poucos metros da Casa Branca, em Washington
Com uma Bíblia, Trump posa para fotos em frente à igreja de St. John, a poucos metros da Casa Branca, em Washington - Tom Brenner -1º.jun.20/Reuters

Os manifestantes protestavam contra o assassinato de George Floyd, homem negro de 46 anos que morreu em Minneapolis após ter o pescoço prensado no chão por quase nove minutos, enquanto outros três agentes ajudavam a segurá-lo.

Antes da dispersão do protesto, Trump fez um duro discurso no qual prometeu restaurar a ordem e ameaçou os atos com a mobilização de militares.

Também figuram como autores da ação o movimento Black Lives Matter (vidas negras importam), o Comitê de Advogados de Washington pelos Direitos Humanos e Assuntos Urbanos, o Comitê dos Advogados pelos Direitos Civis Legais e o escritório de advogados Arnold & Porter.

As entidades pedem que a Justiça proíba os acusados de violar novamente esses direitos constitucionais, além de indenização pelos danos causados pelas forças de segurança.

Donald Trump fala nos jardins da Casa Branca, em primeiro pronunciamento após os protestos contra o racismo tomarem conta do país - Brendan Smialowski -1.jun.2020/AFP

Assédio a jornalistas

A União Americana pelas Liberdades Civis (Aclu, na sigla em inglês), ajuizou também uma segunda ação relacionada à atuação das forças de segurança durante atos sobre o assassinato de Floyd, desta vez contra a polícia de Minneapolis.

A organização argumenta que os policiais assediaram e agrediram jornalistas que cobriam os protestos na cidade, violando assim a liberdade de imprensa.

Um dos episódios de tensão entre membros da imprensa e agentes que mais geraram repercussão envolveu o repórter negro Omar Jimenez, da CNN americana.

Enquanto transmitia atualizações ao vivo sobre os atos, Jimenez foi detido e algemado pela polícia, assim como um produtor e um cinegrafista de sua equipe.

A câmera seguiu gravando, e a cena inteira foi exibida ao vivo durante um telejornal matinal. Jimenez aparece perguntando aos agentes, várias vezes, se eles gostariam que ele fosse para um outro local, mas ninguém responde.

Não muito longe de onde o grupo foi preso, Josh Campbell, um repórter branco também da CNN, relatou uma experiência completamente diferente.

Ele afirmou que conversou tranquilamente com agentes da Guarda Nacional, que pediram "educamente que eu saísse de um lugar e fosse para outro". "Não usaram algemas. Muito diferente do que Omar vivenciou", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.