Em reformulação de gabinete, presidente do Peru troca ministro da Saúde pela 2ª vez

Martín Vizcarra muda 11 auxiliares após queda de cinco pontos percentuais em pesquisa de aprovação

Lima | AFP

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, trocou 11 de seus 18 ministros, entre os quais o titular da Saúde, na segunda mudança na pasta desde que a pandemia de coronavírus eclodiu no país, há quatro meses.

A saída de Víctor Zamora é a mais notável após as constantes críticas que recebeu devido à administração da crise sanitária no país.

O número oficial de mortos pela Covid-19 no Peru chegou a 12.417, mas os críticos do agora ex-ministro, substituído por Pilar Mazzetti, afirmam que a cifra de óbitos, mascarada pelas subnotificações, já ultrapassou 30 mil.

Com o presidente Martín Vizcarra à frente, ministros tomam posse de seus cargos no Salão Dourado do Palácio Presidencial, em Lima
Com o presidente Martín Vizcarra à frente, ministros tomam posse de seus cargos no Salão Dourado do Palácio Presidencial, em Lima - Presidência do Peru via AFP

Mazzetti é a terceira o ocupar o Ministério da Saúde desde que a pandemia atingiu o Peru. A prestigiosa neurologista e ex-ministra lidera o grupo que assessora o governo no combate ao coronavírus.

A nova titular da Saúde já ocupou a pasta na gestão de Alejandro Toledo (2001-2006) e foi ministra do Interior durante o segundo mandato de Alan García (2006-2011).

Zamora havia assumido o cargo em 21 de março no lugar de Elizabeth Hinostroza, uma semana depois de o Peru ter decretado um confinamento obrigatório nacional que durou até 30 de junho.

Na reestruturação de seu gabinete, Vizcarra nomeou Mario López Chavarri como novo chanceler, substituindo Gustavo Meza-Cuadra, ambos diplomatas de carreira, e Jorge Montoya, ex-chefe da Força Aérea, como ministro do Interior.

"Combater a pandemia até que o vírus seja derrotado e recuperação econômica até que haja mais trabalho e renda para os peruanos" são os objetivos desse gabinete, disse Vizcarra após uma cerimônia no Palácio do Governo, na qual os novos ministros foram empossados.

O presidente também ratificou no cargo a ministra da Economia, María Antonieta Alva, arquiteta de um plano que busca resgatar a economia do colapso.

À frente do gabinete, Vizcarra designou como primeiro-ministro Pedro Cateriano, advogado liberal que já ocupou essa mesma posição durante o governo de Ollanta Humala (2011-2016). Ele sucede Vicente Zeballos, que ocupava a cadeira desde 30 de setembro de 2019.

As mudanças coincidem com a queda de cinco pontos percentuais na aprovação do presidente, que era de 65% em julho, de acordo com pesquisa da Ipsos divulgada pelo jornal El Comercio.

Dois ministros tomaram posse virtualmente, incluindo a nova ministra do Comércio, Rocío Barrios, em quarentena após ter recebido o diagnóstico de Covid-19.

A líder da oposição, Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, celebrou no Twitter: "Era urgente que houvesse mudanças. Este novo gabinete é uma oportunidade para corrigir erros".

"Não é hora de discutir diferenças políticas. Esperamos que essa nova equipe seja bem-sucedida, porque a vida e a economia de todos os peruanos dependem de sua administração."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.