Prefeito de Seul é encontrado morto um dia após acusação de assédio sexual

Filha de Park Won-soon reportou desaparecimento do pai horas antes de corpo ser descoberto

Seul | Reuters

O prefeito de Seul, Park Won-soon, foi encontrado morto nesta quinta (9), horas após sua filha ter reportado o seu desaparecimento.

Segundo a Agência de Polícia Metropolitana de Seul, o corpo de Park foi localizado no Monte Bugak, região norte da cidade, perto da última área rastreada por meio do sinal de seu telefone celular.

A morte do prefeito, que tinha 64 anos, foi registrada um dia após uma secretária de seu gabinete acusá-lo de assédio sexual à polícia, de acordo com duas redes de televisão do país.

O prefeito de Seul, Park Won-Soon, durante entrevista na capital sul-coreana
O prefeito de Seul, Park Won-Soon, durante entrevista na capital sul-coreana - Ed Jones - 26.mai.14/AFP

Park havia cancelado sua agenda oficial desta quinta e informado à prefeitura que estava doente.

De acordo com a polícia, a filha do prefeito disse que ele havia deixado a residência oficial às 10h40 (22h40 de quarta-feira, horário de Brasília), usando um chapéu preto e uma mochila, após deixar uma mensagem "similar a um testamento".

Os agentes foram acionados cerca de cinco horas depois, quando a filha disse que o celular de Park estava desligado.

Centenas de policiais foram destacados para realizar as buscas, com o auxílio de drones e cães farejadores.

Prefeito de Seul desde 2011, Park tinha mais dois anos de mandato. Seu substituto será Seo Jeong-hyup.

O político, do Partido Democrático, era visto como potencial candidato à Presidência da Coreia do Sul nas próximas eleições, marcadas para 2022.

Antes de ser prefeito, advogava contra violações de direitos humanos e ganhou vários casos importantes, como a primeira condenação por assédio sexual na Coreia do Sul, segundo o jornal The New York Times.

Equipe forense carrega o corpo do prefeito de Seul, Park Won-soon, encontrado após ser notificado como desaparecido
Equipe forense carrega o corpo do prefeito de Seul, Park Won-soon, encontrado após ser notificado como desaparecido - Ed Jones/AFP

Ele também fez campanha pelos direitos das chamadas "mulheres de conforto", escravas sexuais coreanas forçadas a trabalhar em bordéis para o Exército japonês durante a Segunda Guerra Mundial.

Park elogiou a coragem das mulheres sul-coreanas quando o movimento #MeToo se espalhou pela Coreia do Sul, em 2018, e apresentou diversas acusações de abuso sexual contra uma série de homens importantes no país.

"Resolver casos individuais não é suficiente. Acho que precisamos de solidariedade social", disse ele à época, pedindo apoio ao movimento.

O prefeito também se destacou nas manifestações que ajudaram a concretizar o impeachment da ex-presidente Park Geun-hye em 2017.

Ele foi um dos líderes mais agressivos da Coreia do Sul no combate ao coronavírus, impondo uma série de medidas municipais destinadas a conter sua disseminação, como o fechamento de casas noturnas.

As medidas levaram Seul a registrar apenas 1.390 casos da Covid-19.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.