Descrição de chapéu Coronavírus

Pandemia se agrava na Venezuela e passa a ameaçar profissionais de saúde

Em Maracaibo, num dos estados mais ricos do país no passado, Covid-19 já matou 9 trabalhadores desde início da crise

Buenos Aires

Próxima à fronteira com a Colômbia, a cidade de Maracaibo, na Venezuela, é uma das mais castigadas pela pandemia do coronavírus no país. Com mais de 90% dos leitos de UTI ocupados, a capital do estado de Zulia vê tanto a população de 1,6 milhão de habitantes quanto os profissionais de saúde serem atingidos pela Covid-19.

"Nós simplesmente não estamos dando conta, e nossos colegas estão morrendo", diz à Folha a médica Dianela Parra, que integra a ONG Colegio de Medicos. A associação registrou nos últimos dias as mortes de três profissionais, que se somam a outras seis vítimas entre trabalhadores de saúde desde o início da crise. Cinquenta médicos e enfermeiros já foram infectados.

Os números do regime chavista apontam que o país contabiliza, até agora, 26.800 casos e 229 mortes, e o estado Zulia, com 3.674 contaminações e 57 óbitos, aparece como a segunda região mais atingida, atrás da área metropolitana de Caracas, com 5.015 casos e 40 mortos.

Com os dados oficiais, Zulia soma 15 mortes por milhão de habitantes —na Venezuela toda, são 8 por milhão. O Brasil, o segundo país mais afetado pela pandemia no mundo, registra 484 mortes por milhão de pessoas.

Homem de máscara espera atendimento no Hospital Universitário em Maracaibo, no estado de Zulia, na Venezuela
Homem de máscara espera atendimento no Hospital Universitário em Maracaibo, no estado de Zulia, na Venezuela - Marcos Salgado - 18.jul.20/Xinhua

Médicos independentes concordam que Maracaibo e a capital são as mais afetadas, mas contestam as cifras. "Calculamos que a curva está subindo num volume muito maior do que mostram os dados oficiais", afirma o infectologista Julio Castro Méndez, com base em informações de colegas, relatos e fotos.

Ele chefia a associação Medicos Por la Salud, criada em 2014, quando o regime de Nicolás Maduro parou de divulgar informações epidemiológicas. O grupo mantém estimativas e informações sanitárias num site.

A desconfiança com os dados fez com que a ONG Human Rights Watch e a Universidade Johns Hopkins publicassem um comunicado conjunto pedindo transparência ao governo venezuelano sobre os dados da doença e a entrada de ajuda humanitária nas zonas mais afetadas.

O texto afirma que "o número de infectados seguramente é muito maior que as cifras divulgadas pelo governo devido à escassa disponibilidade de testes confiáveis, falta total de transparência e perseguição a profissionais da saúde e jornalistas que questionem a versão oficial".

Em Maracaibo, explica Castro Méndez, "quase não há como diagnosticar a doença, porque os únicos laboratórios que fazem o teste de detecção do coronavírus na Venezuela estão em Caracas".

"Então é preciso enviar as amostras para a capital, e muitas se perdem no caminho. Além disso, há muita gente morrendo em casa ou nos hospitais por questões respiratórias sem que se saiba a razão. Elas tampouco são testadas. Acreditamos que seja devido ao vírus, que está atacando de forma exponencial."

De acordo com relatos à Human Rights Watch de profissionais de saúde que não quiseram se identificar, a situação em centros médicos de Maracaibo, como o Hospital Universitário, já passou do limite.

Além da falta de leitos de UTI e de ar-condicionado nos locais de atendimento, eles relatam que o suprimento de água é intermitente e que profissionais e pacientes são obrigados a levar lençóis, máscaras, luvas e comida, porque esses itens inexistem nos centros médicos.

O fato de enfermeiros terem de comprar o próprio material de proteção é agravado pela média dos salários desses profissionais em Zulia: US$ 6 (R$ 32), enquanto uma máscara para evitar o contágio custa US$ 1.

Assim, afirma a parlamentar de Maracaibo Nora Bracho, membro da Assembleia Nacional e do partido Un Nuevo Tiempo, enfermeiros e médicos vêm se demitindo em grande número devido ao medo de contaminação.

A Venezuela tem tido uma curva mais lenta de infecções em relação a outros países da região, o que seria explicado pelo isolamento do país, mergulhado em crises política e humanitária.

A ditadura, por sua vez, afirma que Maracaibo é muito afetada porque está localizada em uma região onde se concentram refugiados que retornaram da Colômbia, trazendo o vírus para a Venezuela.

"Isso pode ser uma parte do problema, mas não é uma justificativa", diz Castro Méndez. "O regime tem sucateado a rede hospitalar do país há anos."

Zulia, no passado um dos estados mais ricos do país devido à exploração de petróleo, também enfrenta falta de água, luz e gasolina, principalmente desde o ano passado.

Um dos locais em Maracaibo apontados como foco das transmissões é Las Pulgas, mercado a céu aberto que oferece tanto produtos alimentícios legais quanto material contrabandeado vindo da Colômbia.

As primeiras infecções da região foram identificadas em pessoas que estiveram no local, um espaço de 37 mil metros quadrados e frequentado por milhares de pessoas todos os dias.

Agora, o mercado está controlado pelo Exército, e apenas produtos essenciais, distribuídos por oficiais, têm autorização para serem comercializados. Medidas sanitárias, como obrigatoriedade do uso de máscaras e distanciamento social, também foram impostas.

Segundo Castro Méndez, a dura quarentena determinada pelo governo e vigiada pela Guarda Nacional Bolivariana e pela Faes (Força de Ações Especiais) não resolve o problema.

"A patrulha está sendo usada mais com fins políticos e de encobrimento das informações da doença do que para conter a mobilidade das pessoas. Estimamos que a adesão à quarentena, de fato, não chega a 50%, uma vez que os trabalhadores informais têm de sair às ruas para trabalhar, e então são infectados."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.