Vaticano tranquiliza fiéis e afirma que saúde de Bento 16 dispensa preocupação

Jornal alemão havia noticiado que estado de papa emérito era extremamente frágil

Cidade do Vaticano e Brasília | AFP e Reuters

Após o jornal alemão Passauer Neue Presse noticiar que a saúde do papa emérito Bento 16 estaria "extremamente frágil", a Igreja Católica minimizou a gravidade da situação.

Em mensagem divulgada pelo Vaticano, o secretário pessoal de Bento 16, o monsenhor Georg Gänswein, afirmou que "as condições de saúde do papa emérito não são motivo de preocupação para além das de uma pessoa de 93 anos que está superando a fase aguda de uma doença dolorosa, mas não grave".

Nesta segunda-feira (3), o Passauer Neue Presse informou que Joseph Ratzinger sofre de erisipela no rosto, uma doença caracterizada por inchaço e vermelhidão que causam coceira e dores intensas.

O papa emérito Bento 16 gesticula antes de embarcar em um voo para Roma
O papa emérito Bento 16 gesticula antes de embarcar em um voo para Roma - Sven Hoppe - 22.jun.20/Reuters

O jornal citou como fonte o biógrafo de Ratzinger, Peter Seewald, para quem "a capacidade intelectual e a memória [de Bento 16] não estão afetadas, mas a voz é quase inaudível".

De acordo com o Passauer Neue Presse, Seewald se encontrou com o papa emérito em Roma, no sábado (1º), para apresentar a biografia que escreveu. O escritor afirmou que Ratzinger "se mostrou otimista e declarou que, se suas forças melhorarem, talvez volte a escrever".

Bento 16, o primeiro pontífice a renunciar em quase 600 anos, leva uma vida reservada em um pequeno mosteiro do Vaticano desde 2013.

Eleito para substituir o popular papa João Paulo 2º após 27 anos, Ratzinger deixou o posto alegando que estava muito velho e frágil para liderar uma institução com mais de 1,3 bilhão de seguidores.

À época, o Vaticano estava envolvido em uma série de escândalos financeiros e de abuso sexual, mas, segundo o papa emérito, sua saída se deu exclusivamente por questões de saúde.

Neste ano, Bento 16 se viu envolvido em nova polêmica após comparar, em biografia autorizada, publicada em maio, o casamento entre pessoas do mesmo sexo ao "anticristo".

"Há um século seria considerado absurdo falar sobre casamento gay. Hoje, quem se opõe a ele é excomungado da sociedade. Acontece a mesma coisa com o aborto e a criação de vida humana em laboratório", afirmou Ratzinger.

De acordo com o papa emérito, "a verdadeira ameaça para a Igreja é a ditadura mundial de ideologias que se pretendem humanistas". "A sociedade moderna está formulando um credo ao anticristo que supõe a excomunhão da sociedade quando alguém se opõe."

Em sua biografia, Bento 16 afirma que seus opositores desejam calar sua voz e que "o espetáculo de reações vindas da teologia alemã é tão equivocado e mal intencionado que prefiro não falar sobre isto".

Na Alemanha, onde a Igreja Católica é comandada por clérigos considerados reformistas, Ratzinger é criticado com frequência por suas opiniões sobre islã ou questões sociais.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.