Espanha remove última estátua em homenagem ao ditador Francisco Franco

Votação determinou retirada do monumento, apesar da posição contrária da ultradireita e da abstenção de conservadores

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Madri e Melilla | AFP e Reuters

A última estátua do ditador Francisco Franco (1892-1975) em território espanhol foi removida nesta terça-feira (23) dos portões de Melilla, cidade autônoma que pertence à Espanha e está localizada na costa noroeste da África.

Sem muito alarde, um grupo de trabalhadores operou uma escavadeira mecânica e brocas pesadas para remover pedaços da plataforma de tijolos sobre a qual estava a estátua de bronze.

Depois, o monumento foi levantado por uma corrente presa em volta do que seria o pescoço de Franco e carregado envolto em plástico-bolha por uma caminhonete. Segundo autoridades de Melilla, a estátua foi levada para um armazém municipal, mas o uso que será feito dela não foi especificado.

Erguido em 1978, três anos após a morte do ditador, o monumento celebrava o papel de Franco como comandante da Legião Espanhola na Guerra do Rif, um conflito na década de 1920 em que Espanha e França lutaram contra tribos berberes no Marrocos.

"Este é um dia histórico para Melilla", disse Elena Fernandez Trevino, responsável pela educação e cultura na cidade, na segunda-feira (22), depois que a assembleia local votou pela remoção do monumento, apontando que era "a única estátua dedicada a um ditador ainda na esfera pública na Europa".

Apenas o Vox, partido da ultradireita espanhola, votou contra a medida. Seus representantes argumentaram que a estátua celebra o papel militar de Franco, não sua ditadura.

Segundo o Vox, portanto, a Lei da Memória Histórica, que determina a remoção de todos os símbolos ligados ao regime de Franco, não se aplicaria a este caso. O Partido Popular, conservador, absteve-se de votar.

Grupo de trabalhadores remove estátua de bronze erguida em homenagem ao ditador Francisco Franco em Melilla - Jesus Blasco de Avellaneda - 23.fev.21/Reuters

A lei foi aprovada em 2007, durante o governo liderado pelo socialista José Luis Rodríguez Zapatero. Além de remover monumentos da ditadura no espaço público, a legislação também prevê a renomeação de várias ruas dedicadas a figuras do franquismo.

O atual primeiro-ministro da Espanha, o também socialista Pedro Sánchez, fez da reparação e da reabilitação das vítimas do regime de Franco uma de suas prioridades desde que assumiu o governo, em 2018.

Depois de uma longa disputa com os descendentes do ditador, o Executivo espanhol retirou os restos mortais de Franco de um enorme mausoléu nos arredores de Madri, onde ele havia sido sepultado, e os transportou, em outubro de 2019, para um discreto nicho familiar em um cemitério da capital.

O processo teve muito simbolismo porque o monumento se tornou um lugar de exaltação do franquismo —e nenhum outro país da Europa Ocidental tem espaços semelhantes dedicados a homenagear ditadores.

"A Espanha moderna é produto do perdão, mas não pode ser produto do esquecimento", disse Sánchez, à época. "Um tributo público a um ditador era mais do que um anacronismo. Era uma afronta à nossa democracia."

Em setembro de 2020, a Justiça espanhola ordenou a seis netos de Franco que devolvessem ao Estado um palácio em Sada, na Galícia, no noroeste do país, do qual a família desfrutava havia décadas.

O palácio havia sido doado por sua proprietária e adquirido por um órgão franquista em 1938, em plena Guerra Civil espanhola (1936-1939). Após o conflito, o ditador comandou o país até sua morte, em 1975.

Na sentença, o tribunal declarou a nulidade da doação de 1938, uma vez que a propriedade foi doada "ao chefe de Estado, não a Francisco Franco a título pessoal".

Nascido em Ferrol, na Galícia, Franco defendia ideias nacionalistas e fascistas. Como general, fez parte de um movimento de militares e conservadores que tentou dar um golpe contra um governo de esquerda, em 1936.

O golpe falhou, mas deu início a uma guerra civil. Franco comandou uma ofensiva militar para dominar o país e teve apoio da Alemanha nazista e da Itália fascista. Do outro lado, os republicanos receberam ajuda da União Soviética e de defensores do comunismo. O conflito deixou centenas de milhares de mortos ao longo de três anos, em lutas armadas e execuções sumárias.

Quando assumiu, Franco implantou um regime que concentrava o poder em suas mãos de forma absoluta. Houve perseguição a opositores, censura e culto à sua imagem, além da defesa do catolicismo e de manutenção dos costumes. Após sua morte, a Espanha deu início a uma transição para retornar à democracia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.