Descrição de chapéu oriente médio

Prefeito diz que cidade israelense vive 'noite dos Cristais' e está à beira de guerra civil

Lod, próxima a Tel Aviv, foi colocada em estado de emergência após noite de confrontos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A cidade israelense de Lod, próxima a Tel Aviv, foi colocada em estado de emergência nesta terça-feira (11), em meio a grandes confrontos nas ruas entre israelenses árabes e judeus. O prefeito Yair Revivo pediu ajuda do Exército e disse que o local está à beira de uma guerra civil.

As tensões após a segunda noite seguida de bombardeios aéreos em Israel e em Gaza, no pior nível de violência na região em anos, levaram a um aumento dos protestos pró-palestinos entre os 21% da minoria árabe no país —israelenses por cidadania, mas palestinos por herança e cultura.

"Sinagogas estão sendo queimadas. Centenas de carros incendiados. Centenas de criminosos árabes vagando pelas ruas. A guerra civil estourou em Lod", escreveu o prefeito. "A comunidade nacionalista ortodoxa tem armas. Estou implorando para voltarem para casa, mas eles, compreensivelmente, querem proteger suas casas. Coquetéis molotov estão sendo lançados em casas de judeus. Isso é a Noite dos Cristais em Lod", acrescentou Revivo, em referência ao ataque nazista a judeus alemães em 1938.

Carro da polícia israelense incendiado após protesto em Lod, Israel, na terça (11) - AFP

A cidade foi colocada em estado de emergência, e o governo central enviou militares para conter a violência. Eles farão o controle dos acessos à região e poderão decretar lockdown. Lod tem cerca de 75 mil habitantes e fica nos arredores de Tel Aviv. Nela, fica o aeroporto Ben Gurion, o principal do país.

O premiê Binyamin Netanyahu foi à cidade na noite desta terça e disse que não tolerará a situação. "Se isto não é uma situação de emergência, não sei o que é. Estamos falando de vida e morte aqui."

Lá Fora

Receba toda quinta um resumo das principais notícias internacionais no seu email

Segundo o Jerusalem Post, ao comentar as cenas em Lod, o chefe da polícia de Israel, Kobi Shabtai, disse que esse tipo de violência não era visto desde outubro de 2000, quando ocorreu a Segunda Intifada. Nesta quarta-feira (12), autoridades de segurança disseram ter transferido 16 batalhões da polícia de fronteira da Cisjordânia ocupada para Lod e outras cidades israelenses devido à violência.

Lod já havia sido palco de conflitos na noite de segunda-feira (10). Cerca de 200 árabes israelenses fizeram um protesto em solidariedade aos palestinos de Jerusalém Oriental e Gaza, e as tensões aumentaram após manifestantes lançarem pedras e coquetéis molotov contra a polícia e edifícios, além de incendiar lixeiras e pneus. Dezesseis ativistas foram presos na cidade.

Um morador, Musa Hassuna, 33, foi morto a tiros em meio ao confronto com as forças de segurança, e seu funeral reuniu uma multidão. Nesta terça, testemunhas citadas pela mídia israelense disseram que um ou dois judeus armados atiraram em árabes, matando um e ferindo dois. Além dos confrontos, um míssil atingiu a casa de uma família árabe em Lod —uma mulher e uma criança morreram.

Um porta-voz do grupo militante islâmico Hamas em Gaza encorajou os cidadãos árabes a "se levantarem" contra "nosso inimigo e o seu", referindo-se a Israel.

Em outras cidades, ainda que em menor proporção, a agitação nas ruas assemelhou-se à vista em Lod. Dezenas de pessoas foram presas em locais de maioria árabe no centro e no norte de Israel, incluindo Umm al-Fahm, ao longo da fronteira com a Cisjordânia, e Jisr al-Zarqa, na costa mediterrânea.

Em Acre, na região da Galileia, um restaurante cujos donos são judeus foi incendiado, e alguns moradores árabes dizem estar com medo de sair de casa. Em Jafa, nos arredores de Tel Aviv, a polícia usou granadas de atordoamento para dispersar manifestantes que protestavam contra os ataques de Israel a Gaza.

Em Haifa, Jafa e Nazaré, ativistas árabes hastearam bandeiras palestinas e gritaram slogans em apoio às famílias sob ameaça de expulsão de um bairro de Jerusalém Oriental devido a um longo processo legal.

A nova fase de hostilidades entre Israel e o Hamas foi desencadeada por confrontos na mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, iniciados na sexta (7). No centro dos conflitos estão a liberdade de culto em alguns pontos da Cidade Antiga —que os palestinos dizem estar sendo tolhida— e uma decisão judicial que prevê o despejo de famílias palestinas de uma área disputada em Jerusalém.

Nesta terça, Israel enviou 80 jatos para bombardear a região de Gaza e concentrou tanques na fronteira, enquanto o Hamas disparou 130 foguetes contra Tel Aviv, segunda maior cidade e capital econômica de Israel. A facção radical, que controla Gaza e é considerada terrorista por Israel, EUA e União Europeia, disse que as ações são uma resposta ao ataque do governo israelense que derrubou um prédio de 13 andares em Gaza que abrigava um escritório usado pela liderança política do grupo.

Segundo o Ministério da Saúde de Gaza, ao menos 53 palestinos morreram, incluindo dez crianças, e 152 ficaram feridos. Israel contesta os relatos das autoridades de Gaza sobre as vítimas, assumindo a responsabilidade apenas pelas mortes de 15 combatentes do Hamas. Do lado israelense, foram registradas seis mortes, na pior troca de ataques aéreos em anos na região.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.