Descrição de chapéu Opinião José Vicente

Negros, vai ter luta

Eis a síntese de nossa trajetória na história do país

José Vicente, reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, em evento em São Paulo em 2017 - Zé Carlos Barretta - 27.jun.17/Folhapress
José Vicente

Lutar e resistir foi e é a síntese da trajetória do negro na longa marcha de travessia na história brasileira. Lutar para garantir sua vida e existência no regime brutal da escravidão, lutar para alcançar sua liberdade e direito de autonomia e destruir a escravidão. Lutar para sobrepor e superar todas as iniquidades advindas da formalização cínica, ardilosa e trapaceira da libertação.

O negro resistiu a todos os vilipêndios contra sua raça, suas crenças, sua religiosidade, sua cultura, sua arte, sua estética, sua dignidade e sua desumanização. Diferentemente do que dizem por aí, e conforme informam as últimas notícias do front da Lava Jato de hoje e de sempre, não foram os negros os artífices dessa história, e não foi por sua ação ou omissão que o país beijou, de novo, a lona.

Pelo contrário, nos quilombos negros e, sobretudo, no quilombo de Zumbi, o negro lutou e resistiu juntamente com os brancos e índios --e pelos brancos e índios-- pelo fim da opressão e a agressão da dignidade humana.

O negro Luiz Gama (1830-1882) lutou com os brancos e pelos negros a favor da liberdade negra e contra a vergonha da escravidão. E Maria Soldado (1895-1958), mulher negra e valente guerreira, descansa com seus despojos no mausoléu dos heróis da revolução de 1932. Ela e mais de 2.000 soldados negros, da Legião Negra, defenderam nas trincheiras e com suas vidas os ideais, a glória e a honra do "non ducor, duco" --não sou conduzido, conduzo-- da Revolução Constitucionalista e da bandeira paulista.

É sabido e notório que o negro construiu nas costas e entregou para a nação a oitava economia do planeta, a quinta maior extensão geográfica do mundo e a maior nação africana fora da África. Como pode se ver à exaustão nos registros de todos os tempos, seguramente, o negro não é o malandro dessa história, nem o quilombola de sete arrobas que, de forma desrespeitosa, preconceituosa e discriminatória andam afirmando por aí.

O fato é que ao final, a desenfreada intolerância, a altíssima voltagem da discriminação, a banalidade da agressão diária e o desbragado tratamento de cidadão de segunda classe que nos é conferido de forma intencionada e naturalizada na maioria dos espaços públicos e privados, todos os dias, são o combustível e a energia que nos movem, nos orientam e nos convocam nesse Dia Nacional da Consciência Negra.

Mais uma vez iremos honrar a memória dos nossos ancestrais e lustrar o brilho de suas lutas, realizações e conquistas fantásticas. Desde o imemorial passado de reinos, reis e rainhas, grande invenções e realizações científicas e tecnológicas do mundo africano do passado à realidade do mundo atual e global.

Reforçaremos nosso sentido e compromisso de crença no ideal da justiça, prosseguiremos no objetivo inquebrantável da busca do tratamento igualitário e trabalharemos incansavelmente para construir um país justo, democrático, plural e que valorize e dignifique a riqueza da diversidade racial.

A luta de hoje, enfim, é fazer mudar conceitos retrógrados e inaceitáveis, despoluir e desembotar mentes, amansar e colocar amor, solidariedade e fraternidade nos corações. É virar mentalidades e transformar nossa riqueza da diversidade racial na energia criadora para produzir mais, realizar mais, pacificar mais, fazer mais e melhor. Um Brasil para todos, com o respeito à dignidade da pessoa humana acima tudo.

Todos juntos e misturados, porque esse é nosso código, esse é o nosso DNA. Como ontem e hoje para esses e todos os demais desafios: vai ter luta.

José Vicente

Advogado, doutor em educação e reitor da Faculdade Zumbi dos Palmares

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.