Descrição de chapéu

Cultura à deriva

Setor troca de comando e passa ao Turismo, em mostra de revanche de Bolsonaro

O novo secretário de Cultura, Roberto Alvim - Bruno Santos/Folhapress

Não se nota motivação na transferência da Secretaria Especial de Cultura para a pasta do Turismo, recém-promovida, além de nova mostra de desprezo do presidente Jair Bolsonaro pelo setor —ou por aquilo que ele julga ser o setor.

Ao que parece, o alcance da visão das hostes bolsonaristas sobre a política cultural não vai além de confrontar artistas e intelectuais simpatizantes da esquerda, supostamente em razão de generosas verbas do patrocínio estatal.

Assim, tratou-se de rebaixar a secretaria o ministério dedicado à área, providência de importância mais simbólica do que administrativa. Pior, a estrutura foi acomodada de início na esdrúxula pasta da Cidadania, um saco de gatos de programas sem maior relação entre si sob o comando do conservador Osmar Terra (MDB).

Na sequência houve uma série de iniciativas, em diversas instâncias do Executivo, no sentido de boicotar eventos e obras a partir de preconceitos ideológicos tacanhos.

O primeiro secretário de Cultura, Henrique Pires, deixou o cargo em agosto, quando o ministério suspendeu edital para projetos de TV que contemplava séries com temática LGBT. Seu substituto, o economista Ricardo Braga, durou poucas semanas no governo.

Assume o posto agora Roberto Alvim, no que evidencia outro ato de revanchismo contra expoentes do mundo artístico que Bolsonaro vê como antagonistas. O ex-diretor do Centro de Artes Cênicas da Funarte, afinal, ganhou triste notoriedade com um ataque recente à atriz Fernanda Montenegro.

O vexame se completa com a transferência da secretaria para o Turismo, ministério inexpressivo no qual se equilibra aos trancos e barrancos Marcelo Álvaro Antônio, investigado por envolvimento no esquema de candidaturas de fachada do PSL —sigla da qual o presidente busca agora se afastar.

Esquece-se, no mais das vezes, que a Cultura não se limita a subsídios tributários a produções em música, cinema ou teatro.

Seu aparato inclui, por exemplo, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Instituto Brasileiro de Museus e a Fundação Biblioteca Nacional, que juntos dispõem de R$ 850 milhões no Orçamento deste ano —o suficiente para mais que duplicar as verbas da pasta que vai absorvê-los.

Haveria sentido, teoricamente, na combinação entre políticas de valorização do turismo e da cultura. Não parece ser o caso, porém.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.