Descrição de chapéu

Dossiê obscuro

Ministério da Justiça deve explicar por que monitora policiais antifascistas

O ministro da Justiça, André Mendonça, no Palácio do Planalto
O ministro da Justiça, André Mendonça, no Palácio do Planalto - Pedro Ladeira - 29.abr.20/Folhapress

Embora o presidente Jair Bolsonaro tenha deixado nas últimas semanas a prática de ataques públicos a instituições e adversários políticos, amplos setores de seu governo prosseguem no fomento da polarização e do conflito ideológico.

Assim o exemplifica a revelação do UOL de que o Ministério da Justiça deflagrou, no mês de junho, ação sigilosa para monitorar um grupo de 579 servidores federais e estaduais da área de segurança identificados como participantes de um “movimento antifascista”.

Além desses funcionários, o dossiê inclui quatro acadêmicos, entre eles o ex-secretário de Direitos Humanos do governo Fernando Henrique Cardoso, Paulo Sérgio Pinheiro, desde 2011 presidente da comissão internacional da Organização das Nações Unidas (ONU) voltada à República Árabe da Síria.

A produção de um dossiê com nomes, endereços em redes sociais e, em alguns casos, fotografias coube à Secretaria de Operações Integradas (Seopi), uma das cinco secretarias subordinadas ao ministro André Mendonça.

O titular da pasta, como se sabe, foi nomeado por Bolsonaro em abril para substituir Sergio Moro, que deixou o cargo ao se declarar coagido a interferir no comando da Polícia Federal —que investiga parentes e aliados do mandatário.

Mendonça, que ao tomar posse no cargo identificou o presidente como um “profeta na luta contra a criminalidade”, não parece ter maiores pruridos quando se trata de agradar ao chefe.

O documento preparado pelo ministério foi encaminhado a diversos organismos da esfera pública, entre os quais a Polícia Federal, o Centro de Inteligência do Exército (CIE), a Polícia Rodoviária Federal, a Casa Civil e a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

A reportagem despertou a reação de setores da sociedade, forças políticas e instituições. Já há solicitações para que o ministro deponha no Congresso, procedimentos em curso no Ministério Público Federal e pedido ao Supremo Tribunal Federal para que investigue o caso e mantenha a guarda provisória da documentação.

São respostas justificadas diante de uma iniciativa nebulosa e de aparência persecutória. Cabe ao ministro Mendonça prestar as explicações sobre os motivos que o levaram a investir em tal empreitada.

editoriais@grupofolha.com.br

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.