Descrição de chapéu Eleições 2018

Agressão a Jair Bolsonaro faz presidenciáveis mudarem tom das campanhas

Equipes avaliam que eleitor desaprovará ataques feitos a Bolsonaro

Daniel Carvalho Gustavo Uribe
Brasília

Após o ataque sofrido por Jair Bolsonaro (PSL), as campanhas dos demais presidenciais estão revendo suas estratégias e tentando trabalhar o episódio para desconstruir o discurso de violência do próprio candidato.

As equipes de Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) cancelaram, ao menos parcialmente, as agendas eleitorais e fizeram reuniões nesta sexta-feira (7) para definir o tom que será adotado durante estes primeiros dias de comoção por causa do atentando.

A avaliação é de que ataques ao capitão reformado neste momento de debilidade podem ser mal recebidos pelo eleitorado. Os partidos farão pesquisas qualitativas, com grupos de eleitores, para aferir o impacto do atentado na disputa presidencial.

Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, Marina telefonou para Michelle, mulher de Bolsonaro, para dizer que vai orar por ele e decidiu manter a recém-adotada estratégia de viajar mais pelo país em agendas com maior exposição ao público.

A equipe da candidata entende que esta é uma maneira de marcar posição diante do radicalismo da eleição e defender a bandeira de pacificação na disputa.

A ideia é interromper as críticas a Jair Bolsonaro, culpar a polarização política pela violência e apenas reagir a manifestações polêmicas que o candidato venha a fazer mesmo internado. A expectativa é que ele fique no hospital por até dez dias.

Assim como Marina, Ciro não interrompeu a agenda e seguiu périplo pelo Nordeste, na tentativa de herdar os votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, impedido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) de disputar a eleição.

Ao menos no curto prazo, o ex-governador do Ceará irá cessar os ataques a Bolsonaro, a quem já comparou ao ditador alemão Adolf Hitler, e adotará um discurso de que violência gera mais violência, referindo-se sutilmente às práticas do adversário.

“Repudio a violência como linguagem política e solidarizo-me com meu opositor”, disse Ciro Gomes em rede social após o ataque a Bolsonaro.

O discurso de paz também já passou a ser adotado por Geraldo Alckmin nesta sexta, horas depois que Bolsonaro apresentou condições de ser transferido de Minas Gerais para São Paulo.

“Dia de comemorar a nossa independência. A liberdade de poder criar um país do jeito que a gente merece, melhor a cada dia. Onde o ódio, a intolerância e o radicalismo dão lugar ao diálogo, à união e ao bom senso”, afirmou o tucano ao abordar o Sete de Setembro numa rede social.

Alckmin regravou trechos da propaganda partidária que vai ao ar nos próximos dias, eliminando críticas diretas a Bolsonaro enquanto o adversário está convalescente.

Alckmin perdeu fatia do eleitorado do PSDB para Bolsonaro e vinha atacando diretamente o adversário na tentativa recuperar apoiadores.

Integrantes da campanha tucana vão esperar o resultado de pesquisas e a decantação da comoção que se instalou no final desta semana e que, avaliam, se estenderá por cerca de quatro dias, até que o candidato do PSL apresente sinais de melhora em seu quadro de saúde.

Um dos coordenadores do PSDB diz que a expectativa é de que Bolsonaro cresça nas pesquisas da próxima semana, mas não o suficiente para garantir que o capitão reformado é nome certo no segundo turno da disputa.

Para este tucano, outro fator que causará interferência no cenário eleitoral é a oficialização de Fernando Haddad como o presidenciável do PT, o que deve acontecer nesta terça-feira (11).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.