Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Gratidão é memória do coração', diz Malafaia após Bolsonaro esnobar Magno Malta

Pastor diz que apoia 'intransigentemente' presidente eleito, mas discorda da indicação de Osmar Terra

Anna Virginia Balloussier
São Paulo

Depois de tudo o que fez por Jair Bolsonaro, Magno Malta merecia mais. 

Ao menos na opinião do pastor Silas Malafaia, um dos maiores aliados do senador, que não foi reeleito e, por ora, está sem cargo político a partir de 2019.

A indicação de Osmar Terra para o Ministério da Cidadania enterra a hipótese de Malta ter um lugar na Esplanada. 

Magno Malta, Silas Malafaia, Jair e Flavio Bolsonaro em encontro no Rio
Magno Malta, Silas Malafaia, Jair e Flavio Bolsonaro em encontro no Rio, na pré-campanha à Presidência - Divulgação

"Minha filha, aprendi uma coisa: gratidão é memória do coração", diz o pastor, que recentemente gravou um vídeo em apoio ao senador capixaba.

Segundo Malafaia, para ajudar o então presidenciável do PSL, Malta "esqueceu a campanha dele e tomou ferro". Agora ficou a ver navios.

Bolsonaro chegou a dizer em junho, na Marcha para Jesus, que enviou uma "cartinha de amor" para convencer seu "vice dos sonhos" a ficar do seu lado. Malta, contudo, declinou o convite. 

Seu partido, o PR, não queria a aliança e ele mesmo preferia não arriscar uma reeleição que dava como certa. Perdeu.

Malafaia frisa que "apoia intransigentemente" o presidente eleito e que não lhe cabe indicar ou vetar nomes para o próximo governo. "Agora, presta atenção, apoiar uma pessoa não significa concordar com tudo o que ela faz." 

Ele lembra que foi Magno Malta, um aliado de primeira hora de Bolsonaro, que convenceu várias lideranças evangélicas a embarcar na candidatura do agora presidente eleito —e se inclui nesse grupo.

O líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo também fez lobby para emplacar o procurador regional da República Guilherme Schelb no Ministério da Educação.

A pasta acabou indo para Ricardo Vélez Rodríguez, um nome que no fim das contas agradou.

Não dá para dizer o mesmo de Osmar Terra, deputado do MDB que comandou o Ministério do Desenvolvimento Social na gestão Michel Temer. "Quem é esse cara pra Cidadania? O Magno tem expertise pra isso", diz sobre o senador famoso por abraçar pautas conservadoras. 

Segundo Malafaia, Malta "está lá no sítio dele no Espírito Santo", recolhido, e ainda "ora pra esse cara [Bolsonaro] dar certo".

O pastor afirma que o amigo não aceitá um posto menor, como o de conselheiro ou assessor especial da Presidência. "Disso ele tá fora."

Vice do presidente eleito, o general Antonio Hamilton Mourão chegou a se referir a Malta como um "elefante na sala" depois de ter rejeitado ser o número dois de Bolsonaro.

A bancada evangélica havia apresentado para a pasta da Cidadania uma lista tríplice ao futuro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, que também integra a frente religiosa. 

Foram levados os nomes dos deputados Marco Feliciano (Podemos-SP), Gilberto Nascimento (PSC-SP) e Ronaldo Nogueira (PTB-RS), este último já foi ministro do Trabalho no governo de Michel Temer.

A escolha de Osmar Terra dividiu a bancada. Parte a recebeu com elogios, parte se sentiu esnobada pelo presidente eleito e lembrou que ele só venceu a eleição com ajuda dos evangélicos.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.