Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Gravidez é problema que dura só 9 meses', diz nova ministra das Mulheres

Contrária ao aborto, Damares Alves diz que pasta não tratará do tema e que interromper gravidez dura 'a vida inteira'

Marina Dias
Brasília

Oficializada nesta quinta-feira (6) por Jair Bolsonaro (PSL) como ministra da Mulheres, Família e Direitos Humanos, Damares Alves afirmou ser contra a legalização do aborto e disse que a gravidez é "um problema que dura só nove meses", enquanto interromper a gestação caminha ao lado da mulher "pela vida inteira".

"Se a gravidez é um problema que dura só nove meses, o aborto é um problema que caminha a vida inteira com a mulher", declarou Damares após sair de reunião com o presidente eleito na sede do governo de transição, em Brasília.

Damares Alves, futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, fala com a imprensa em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress

Para ela, o aborto será admitido apenas em casos previsto em lei.

Hoje o aborto é permitido no Brasil quando a gravidez é resultado de estupro, gestação na qual há risco de morte para a mãe e no caso de anencéfalos —liberado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Pastora evangélica, a nova ministra ressaltou que sua pasta não vai tratar do tema aborto e lidará somente com assuntos relacionados à vida.

"Essa pasta não vai lidar com o tema aborto, vai lidar com proteção de vida e não com morte", disse Dalamares. 

" Eu sou contra o aborto. ​Nenhuma mulher quer abortar. Elas chegam até o aborto porque, possivelmente, não foi lhe dada nenhuma outra opção. A mulher aborta acreditando que está desengravindando (sic), mas não está".

Em uma década, o SUS gastou R$ 486 milhões com internações para tratar quadros de complicação do aborto, sendo 75% deles provocados. De 2008 a 2017, 2,1 milhões de mulheres foram internadas —os dados constam de relatório do Ministério da Saúde.

Assessora do gabinete do senador Magno Malta (PR-ES), que chegou a ser cotado para o cargo, Damares disse ainda que são necessárias "políticas públicas de planejamento familiar" para que a interrupção da gravidez não seja tratada como um "método anticonceptivo".

​Damares disse que o governo de Bolsonaro tem como prioridade "combater a violência", inclusive contra a comunidade LGBT, na tentativa de afastar a imagem de homofóbico que permeia o presidente eleito.

"Se precisar, estarei nas ruas com as travestis, na porta das escolas, com as crianças que são discriminadas", afirmou a nova ministra.

Bolsonaro já deu diversas declarações contra minorias e chegou a dizer que preferia que um filho seu morresse em um acidente a ser gay.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do informado em versão anteriore deste texto, o aborto não é permitido em caso de risco de morte do feto. As possibilidades previstas para a interrupção legal da gravidez são estupro, risco de morte para a mãe e anencefalia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.