Descrição de chapéu Lava Jato

Após decisão do STJ, ex-governador Beto Richa deixa prisão

Tucano, investigado em desdobramento da Operação Lava Jato, foi solto nesta sexta (1)

Estelita Hass Carazzai
Curitiba

Investigado em um desdobramento da Operação Lava Jato, o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi solto nesta sexta (1), depois de passar uma semana preso preventivamente.

Ele deixou o Complexo Médico Penal, na região metropolitana de Curitiba, por volta das 10h, sem falar com a imprensa.

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), que tinha sido preso novamente, mas foi solto por decisão do STJ - Estelita Hass Carazzai - 7.out.2018/Folhapress

Richa é suspeito de se beneficiar de um esquema de propinas na concessão de rodovias no Paraná. O tucano foi denunciado nesta semana pelo Ministério Público Federal, sob acusação de corrupção passiva e organização criminosa.

Ele nega irregularidades e diz que nunca compactou com desvios.

A ordem de soltura foi dada pelo presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha, que atendeu o pedido de habeas corpus da defesa.

O ministro também concedeu um salvo-conduto a Richa e a seu irmão, José Pepe Richa, que era secretário da Infraestrutura e também é investigado. A ordem impede que eles sejam presos cautelarmente na operação, a não ser que “demonstrada, concretamente, a presença de algum dos fundamentos admitidos pela legislação para a decretação de tal medida”.

Os advogados do tucano argumentaram que os fatos que justificaram o mandado de prisão eram antigos e já haviam sido investigados no passado.

No entendimento do ministro, "nada de concreto foi demonstrado que se prestasse a justificar a necessidade de proteger a instrução criminal e, com isso, justificar a [prisão] preventiva decretada."

Segundo o ministro, "a situação fática" mudou completamente desde os supostos atos cometidos pelo ex-governador em 2011 e 2012. "Os fatos remontam há mais de sete anos e, além disso, a realidade é outra, houve renúncia ao cargo eletivo, submissão a novo pleito eleitoral e derrota nas eleições", escreveu.

A prisão preventiva havia sido decretada pelo juiz Paulo Sérgio Ribeiro, da 23 Vara Federal de Curitiba.

O magistrado entendeu que a medida era necessária para a conveniência da instrução criminal, após uma suspeita de obstrução de justiça pelo contador da família Richa, Dirceu Pupo Ferreira, que também foi preso preventivamente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.