Eleição no Senado tem reviravolta no STF, flores, enquete e até voto a mais

Toffoli decidiu na madrugada anular a manobra do plenário pelo voto aberto

Ranier Bragon, Daniel Carvalho, Thais Bilenky e Marina Dias

Brasília

Decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) na madrugada deste sábado (2) impondo voto secreto na eleição para a presidência do Senado foi seguida de cenas inusitadas ao plenário da Casa.

A principal delas foi quando, durante a apuração da primeira votação manual, descobriu-se que haver 82 cédulas, sendo que só há 81 senadores na Casa. Havia 80 cédulas de votação dentro de envelopes, a forma correta, e duas fora deles. Com a confusão, uma nova votação foi realizada.

Senadores Antonio Anastasia (PSDB), Carlos Viana (PSD) e Rodrigo Pacheco (DEM) mostram as cédulas com voto em Davi Alcolumbre (DEM-AP)
Senadores Antonio Anastasia (PSDB), Carlos Viana (PSD) e Rodrigo Pacheco (DEM) mostram as cédulas com voto em Davi Alcolumbre (DEM-AP) - Pedro Ladeira/Folhapress

Antes, senadores favoráveis ao voto aberto decidiram abrir a cédula e, em alguns casos, anunciaram seu candidato, em protesto à liminar expedida à 0h pelo presidente do STF, Dias Toffoli, determinando eleição secreta.

Alguns parlamentares foram além como Jorge Kajuru (PSB-GO), que delegou seu voto a seguidores de rede social que o definiram em enquete pública.

Potencialmente favorecido pelo voto secreto, por ter apoio envergonhado de parte dos colegas, Renan Calheiros (MDB-AL) conseguiu emplacar dois aliados na Mesa Diretora, ao contrário da véspera.

Um deles, Jorge Maranhão (MDB-PB), que presidiu a sessão por ser o senador mais velho —85 anos— deu o tom do cansaço que a eleição interna causou. Após o depósito das cédulas por todos os senadores, Maranhão anunciou ao microfone: “Vou dar uma mijada”.

O senador, na presidência da sessão, cancelou a exoneração do secretário-geral Luiz Fernando Bandeira de Mello, o segundo aliado de Renan presente à Mesa na eleição.

Na sexta-feira (1º), o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) insistiu em ficar na presidência da sessão apesar de questionamentos, por ter sido candidato a presidente.

Kátia Abreu (PDT-TO) foi uma das mais ferozes críticas de Davi na véspera. Ela chegou a tomar a pasta de trabalhos do colega para impedi-lo de presidir a sessão.

No sábado, entregou-lhe um buquê de rosas brancas para restabelecer a paz. “Não dei a pasta, mas dei flores”, ela disse.

Três senadores desistiram na última hora de disputar a presidência da Casa, favorecendo Davi como o nome para barrar Renan. Simone Tebet (MDB-MS), Alvaro Dias (Pode-PR) e Major Olímpio (PSL-SP) deixaram a eleição e Tasso Jereissati (PSDB-CE), que se dizia candidato, terminou por não se registrar.

 

Thais Bilenky, Ranier Bragon e Marina Dias
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.