Folha celebra 98 anos e realiza semana de encontros e debates

Eventos públicos com colunistas tratarão de questões como 'Dá para ter orgulho de ser brasileiro hoje?'

São Paulo

Para marcar seus 98 anos, que serão completados na terça-feira (19), a Folha vai realizar ao longo desta semana uma série de eventos na sede do jornal, no centro de São Paulo.

A partir das 18h30, na própria terça, acontecerá um novo Encontro com Leitores, com os colunistas Clóvis Rossi e Mônica Bergamo e mediado pelo editor-executivo do jornal, Sérgio Dávila. O mais recente ocorreu em dezembro.

Rossi não levará nada preparado. "Minha intenção é satisfazer as curiosidades que os leitores expuserem sobre o funcionamento da máquina Folha", afirma.

A editora Thea Severino (à esquerda, de costas) guia leitores durante visita à Redação do jornal - Gabriel Cabral - 11.dez.2018/Folhapress

O encontro será para convidados, mas os cinco debates programados para o final da manhã, de segunda a sexta, já estão abertos para inscrição.

Mediados por editores e com a participação da plateia, colunistas como Elio Gaspari, Delfim Netto, Manoela Miklos e Nizan Guanaes discutirão tópicos como "O Brasil vai voltar a crescer?", "Ser mulher em tempos de #metoo" e "Dá para ter orgulho de ser brasileiro hoje?".

"Acreditamos que aproximar leitores de colunistas e da Redação seja uma boa forma de comemorar", afirma a diretora de Redação, Maria Cristina Frias, que em agosto sucedeu o irmão Otavio Frias Filho (1957-2018) no cargo. 

A programação será gravada e disponibilizada posteriormente no site da Folha, junto com a cobertura diária.

Encerrando a semana, a edição de domingo (24) trará um especial sobre o 98º aniversário da Folha. O jornal circulou pela primeira vez em 19 de fevereiro de 1921, com o título Folha da Noite.

"Sua excelência, o leitor, como dizia o sr. Frias, é a razão do nosso trabalho", diz Maria Cristina, em referência ao pai, Octavio Frias de Oliveira (1912-2007), publisher da Folha

"A polarização política e em relação à imprensa representa, de um lado, um desafio maior para os jornalistas, mas de outro, um novo público demonstra perceber que o jornalismo independente, crítico, apartidário e pluralista tem um valor intrínseco", afirma.

Ela lembra que "o caos da informação exige jornalismo mais seletivo, qualificado e didático", como escreveu Otavio Frias Filho em 1997. "É essa prática que continuamos a perseguir e que segue relevante para informar os fatos objetivos, em contraposição a notícias falsas e intolerantes."

OS DEBATES

De segunda (18) a sexta (22), das 11h30 às 13h, no auditório da Folha (alameda Barão de Limeira, 425, 9º andar, Campos Elíseos, centro de São Paulo). Inscrições pelo site eventos.folha.uol.com.br

 

Folha, 98

Encontro com leitores
Para convidados

Terça (19), 18h30
Com Clóvis Rossi  e Mônica Bergamo
Mediador  Sérgio Dávila

Debates com colunistas
Inscrição pelo site  eventos.folha.uol.com.br

Segunda (18), 11h30
Há diferença entre  as patrulhas de direita
e de esquerda?

Antonio Prata  e Luiz Felipe Pondé
Mediador  Silas Martí

Terça (19), 11h30
Conservadorismo ou atraso?
Elio Gaspari  e Mônica Bergamo
Mediadora  Daniela Lima

Quarta (20), 11h30
O Brasil vai voltar a crescer?
Delfim Netto e Marcos Lisboa
Mediadora  Alexa Salomão

Quinta (21), 11h30
Ser mulher em  tempos de #metoo
Ilona Szabó  e Katia Rubio
Mediador  Marcos Augusto Gonçalves

Sexta (22), 11h30
Dá para ter orgulho  de ser brasileiro hoje?
Contardo Calligaris  e Nizan Guanaes
Mediadora  Patrícia Campos Mello

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.