Lula acertou propina em reunião com Sarkozy, diz Palocci

Ex-ministro diz que encontro com líder francês em 2009 selou compra de helicópteros e construção de submarinos

Fábio Fabrini
Brasília

O ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil) disse nesta segunda-feira (18) que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) acertou o pagamento de propinas para a compra de helicópteros e para a construção de submarinos nucleares numa reunião com o então presidente francês Nicolas Sarkozy, em 2009.

Segundo o ex-ministro, o encontro se deu em 7 de setembro daquele ano, numa visita de Sarkozy ao Brasil, e varou a madrugada. Na ocasião, os dois países selaram um acordo para a aquisição desses equipamentos para as Forças Armadas.

O então presidente francês, Nicolas Sarkozy, cumprimenta o então presidente Lula após entrevista em Brasília
O então presidente francês, Nicolas Sarkozy, cumprimenta o então presidente Lula após entrevista em Brasília - Alan Marques - 7.set.2009/Folhapress

Além dos submarinos e dos helicópteros, estava prevista a aquisição de caças franceses, o que não se concretizou, pois o governo Lula optou, mais adiante, por fechar contrato com a sueca Saab.

"Naquela oportunidade, quando foi feito um acordo do conjunto da compra, ali se tratou de ilícitos, sim, que se consubstanciaram em pagamento de propinas no projeto do submarino, no projeto dos helicópteros", declarou Palocci.

O ex-ministro afirmou que os recursos foram usados para financiar campanhas do PT. Ele não deu detalhes sobre o suposto esquema, pois as informações constam de seu acordo de delação premiada com a Polícia Federal, cujo conteúdo é sigiloso.

Nesta segunda, Palocci depôs como testemunha de acusação de ação penal em que Lula e o filho caçula, Luís Cláudio, são acusados de tráfico de influência no governo para viabilizar incentivos fiscais para montadoras de veículos e também a assinatura do contrato dos caças suecos. Por determinação da Justiça, ele deveria se ater a informações relativas ao processo.

Também foi ouvido o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim. Ele negou acerto de propina para a compra dos equipamentos militares. Disse que estava presente na reunião daquele 7 de setembro.

“Foi tratado de preço. Não houve absolutamente nenhuma pretensão de propina ou coisa do tipo”, declarou.

Outro lado

A defesa do ex-presidente Lula afirmou, em nota, que o depoimento de Palocci "só serviu para deixar ainda mais claro que ele negociou generosos benefícios com autoridades em troca de múltiplas e esfarrapadas acusações".

Segundo a defesa, quando confrontado pelo advogado Cristiano Zanin, Palocci admitiu que suas afirmações não foram presenciadas ou testemunhadas por terceiros, o que evidenciaria "o caráter imprestável de seu depoimento". "Durante a ação penal, 30 testemunhas prestaram depoimento e todas elas, inclusive aquelas arroladas pelo MPF, demonstraram que Lula não cometeu qualquer ato ilícito.

Dentre as pessoas ouvidas estão os dos ex-presidentes Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso, ex-ministros de Estado, membros das Forças Armadas e servidores da Presidência da República. A lisura da conduta de Lula foi confirmada também nesta data pelo depoimento prestado pelo ex-ministro Nelson Jobim", diz o comunicado.

A defesa argumenta que Palocci foi arrolado como testemunha de forma extemporânea, com base em referência "artificial a 'caças'" feita em depoimento prestado em 26 de junho de 2018 à Operação Greenfield – investigação que não tem relação com o objeto da ação penal relativa ao depoimento desta segunda.

Os advogados de Lula apresentaram petição afirmando que, embora Palocci tenha negado peremptoriamente sua iniciativa de incluir o tema dos caças naquele depoimento da Greenfield, telas capturadas a partir do vídeo da oitiva mostram suas anotações sobre o assunto e, consequentemente, sua suposta intenção de tratar do tema na audiência. 

A reportagem não localizou Sarkozy ou algum de seus representantes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.