Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

'Não existe olavetes contra militares', diz Bolsonaro

Presidente nega disputa entre os grupos por influência na administração ou por cargos

Sérgio Dávila
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (5) que não existe uma disputa em seu governo entre o núcleo militar e o que chamou de "olavetes", seguidores do escritor Olavo de Carvalho.

Segundo ele, não há uma disputa entre os dois grupos por influência na administração ou por cargos no governo, como pelo comando da Secom (Secretaria de Comunicação Social) e pela Apex (Agência de Promoção de Exportações do Brasil).

"Não existe olavetes contra militares. Agora, [dizem que] militares querem a Apex e a Secom. Isso não existe", disse o presidente.

Segundo o presidente, não há como monitorar os movimentos de pessoas ligadas ao escritor. "Tem mais de 20 mil pessoas formadas por ele [Olavo]", acrescentou.

A declaração foi feita em café da manhã do presidente com jornalistas, no Palácio do Planalto. A Folha estava entre os convidados.

O principal alvo de Olavo tem sido o ministro general Santos Cruz (Secretaria de Governo), que disse à Folha que é preciso restabelecer o diálogo entre Executivo e Legislativo e reinterpretar a suposta disputa entre as chamadas nova e velha política.

É na tensão com a classe política que Olavo e o seu grupo no governo, a ala ideológica, apostam para manter o eleitorado de Bolsonaro mobilizado a seu favor. O canal direto com a população pregado por Olavo e discípulos preocupa o Congresso, que vê nos gestos uma tentação autoritária do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Olavo, seus alunos e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, estreitaram laços com o estrategista americano Steve Bannon, ex-assessor de Trump, demitido da Casa Branca em episódio à época rumoroso. Hoje, aliados dizem que a relação está novamente azeitada.

Presente no encontro com jornalistas nesta sexta-feira, o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, afirmou que não existe ala militar no governo. "É uma invenção. Tentam criar. Se existisse, somos amigos há mais de 40 anos. Não vai sair fofoquinha", disse.

Nos primeiros 100 dias, Bolsonaro gastou parcela de seu capital político em evitar disputas entre os militares e os olavetes. ​

Além de Sérgio Dávila, diretor de Redação da Folha, participaram do café da manhã no Palácio do Planalto João Fábio Caminoto (O Estado de S. Paulo), Alan Gripp e Paulo Celso Pereira (O Globo), Vera Brandimarte (Valor Econômico), Aruana Brianezi (A Crítica), Linda Bezerra (Correio da Bahia), Carlos Marcelo Carvalho (Estado de Minas), Leusa Santos (Folha de Pernambuco), Leonardo Mendes Júnior (Gazeta do Povo), Gerson Camarotti e Natuza Nery (GloboNews), Luciana Gimenez (Rede TV), Edu Ribeiro (Record) e Carlos Etchichury (Zero Hora).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.