Gráficas não comprovam serviços para laranjas do PSL ligadas a ministro

Em buscas, PF não achou registros de que empresas declaradas por candidatas em Minas tenham realizado trabalho para elas nas eleições

Camila Mattoso Ranier Bragon
Brasília

Nas buscas realizadas na última segunda-feira (29), a Polícia Federal não encontrou em gráficas de Minas Gerais nenhum vestígio de que tenham de fato trabalhado para candidatas laranjas do PSL ligadas ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Quatro mulheres investigadas sob a suspeita de terem simulado concorrer a cargos de deputada estadual e federal declararam ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) ter produzido material e outros serviços de campanha nas empresas, que emitiram notas fiscais.

O delegado da Polícia Federal em Minas Gerais Marinho Rezende, responsável pela investigação das candidaturas laranjas do PSL no estado, fala a repórteres após operação na última segunda (29)
O delegado da Polícia Federal em Minas Gerais Marinho Rezende, responsável pela investigação das candidaturas laranjas do PSL no estado, fala a repórteres após operação na última segunda (29) - Fernanda Canofre - 29.abr.2019/Folhapress

A operação da PF, no entanto, não encontrou registros físicos que indicassem que os serviços tenham efetivamente sido prestados —recibos e ordens de serviços de outras candidaturas, por exemplo, foram encontrados.

O resultado reforça a suspeita da polícia de que ou as gráficas não produziram nada do que foi declarado pelas candidatas ou fizeram o material para outras pessoas.

Essas foram as primeiras buscas feitas pelos policiais na atual investigação.

A apuração da PF começou após a Folha revelar em fevereiro o esquema de candidaturas de laranjas relacionado ao ministro de Jair Bolsonaro, que também é do PSL. Álvaro Antônio, que dirigia o partido em Minas nas eleições, nega irregularidades. Ele foi o deputado federal mais votado do estado. Bolsonaro declarou que aguarda a conclusão das investigações para decidir o futuro de seu ministro.

Agora, a PF realiza a perícia em computadores, mas quase todas as empresas já sinalizaram que não haveria nada guardado. Após a operação, ao menos dois representantes das firmas foram ouvidos.

A polícia considera que as quatro candidatas mentiram em suas prestações de conta. 

No dia da busca, uma das gráficas disse que tem como praxe guardar registros físicos por seis meses --e que eles já foram eliminados. Em outro caso, a que emitiu nota fiscal para duas das suspeitas afirmou ter o hábito de anotar as ordens de serviço em um bloquinho --que, no entanto, já deveria ter ido para o lixo.

Uma outra empresa, que declarou ao TSE ter prestado serviço a algumas dessas integrantes do PSL, também disse que os pedidos nem sempre eram armazenados e que devem ter sido apagados. 

Uma quarta gráfica disse que não possui registro e que as solicitações eram feitas, na maioria das vezes, por telefone ou pessoalmente.

Um quinto alvo também não tinha nenhum documento físico para comprovar o trabalho, mas foi o único a informar que teria registro em seu sistema.

Além das gráficas, a PF fez busca na casa de um irmão do coordenador da campanha do ministro no Vale do Aço, Robertinho Soares, que também integra o comando estadual do PSL. Reginaldo Donizete Soares, irmão de Robertinho, é sócio de duas empresas (a I9 Minas e a Imagem Comunicação) que figuram como prestadoras de serviços eleitorais (pesquisas, publicidade) às candidatas suspeitas.

A I9 não funciona há pelo menos dois anos. As duas empresas, segundo informado ao TSE, teriam recebido R$ 44,9 mil de duas dessas mulheres.

Além das candidaturas mineiras, o jornal revelou esquema semelhante em Pernambuco, onde o partido é politicamente comandado por Luciano Bivar, hoje presidente nacional do PSL —há também investigação no estado.

O caso levou à queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido nacionalmente em 2018.

Outro lado

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, minimizou a falta de indícios de atuação das gráficas detectada durante as buscas realizadas pela Polícia Federal.

"Sobre os materiais produzidos para a campanha, é natural que eles não estejam nas gráficas uma vez que eles foram utilizados na campanha", afirmou o ministro, por meio de sua assessoria. 

"A Folha de S.Paulo mais uma vez, numa atitude totalmente irresponsável sem qualquer compromisso com o leitor ou a sociedade, tenta distorcer os fatos para atender a interesses políticos", disse.

O PSL de Minas, ainda controlado politicamente por Álvaro Antônio, encaminhou resposta similar: "Na visão do partido, estranho seria se materiais que deveriam ter sido distribuídos na eleição estivessem nas gráficas até hoje".

Robertinho Soares nega que tenha participado de esquema. Seu irmão Reginaldo afirmou que está colaborando e que as apurações correm em segredo de Justiça.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.