Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

PF faz busca em gráficas e na sede do PSL de Minas em apuração dos laranjas

Irmão de coordenador de campanha de ministro do Turismo é um dos alvos da operação

Brasília

A Polícia Federal cumpre na manhã desta segunda-feira (29) sete mandados de busca e apreensão em endereços de Minas Gerais relacionados às investigações sobre o esquema das candidaturas de laranjas do PSL de Minas Gerais, ligado ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Um dos alvos é a sede do partido, em Belo Horizonte. A operação foi batizada de Sufrágio Ostentação. A PF também foi na casa e na empresa de Reginaldo Donizete, irmão do coordenador da campanha do ministro no Vale do Aço e também ex-assessor de seu gabinete.

As investigações começaram após a Folha revelar em fevereiro que o hoje ministro do Turismo de Jair Bolsonaro (PSL), Marcelo Álvaro Antônio, comandou um esquema de candidatas laranjas em Minas durante as eleições, quando comandava o partido no estado.

A sigla ainda continua sob seu comando político. O atual presidente no estado e diferentes dirigentes são ex-assessores indicados por ele para esses postos.

Álvaro Antônio nega ter patrocinado esquema de laranjas, e Bolsonaro diz que aguarda as investigações para decidir se mantém ou não seu ministro. A Polícia Federal vê elementos de participação de Álvaro Antônio na fraude.

caso das laranjas do PSL é alvo de investigações da Polícia Federal e do Ministério Público em Minas e em Pernambuco e levou à queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido nacionalmente em 2018.

Ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, durante assinatura de atos após reunião no Palácio do Itamaraty
Ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, durante assinatura de atos após reunião no Palácio do Itamaraty - Folhapress

As buscas na manhã desta segunda-feira estão sendo feitas também em gráficas e empresas que declararam ter prestado serviços para as candidatas.

Ao todo, são sete mandados, dois na capital, dois em Contagem, um em Coronel Fabriciano e um em Ipatinga. A operação foi autorizada pela 26ª Zona Eleitoral de Belo Horizonte.

Conforme a Folha mostrou, parte do dinheiro público direcionado por Álvaro Antônio para quatro candidatas do Vale do Aço e Curvelo voltou para empresas ligadas a assessores e ex-assessores do gabinete de Álvaro Antônio na Câmara. Ele exercia o mandato de deputado federal em 2018.

Apesar de figurar como campeãs no recebimento desses recursos públicos, essas candidatas tiveram votação inexpressiva e não apresentaram sinais de terem feito campanha efetiva.

Até o momento, quatro candidatas do PSL de Minas afirmaram aos investigadores terem sido usadas ou recebido propostas para serem laranjas do partido comandado na época por Álvaro Antônio. Outras quatro são investigadas sob suspeita de participação.

Essas candidatas e a deputada federal Alê Silva (MG) acusam o ministro de chefiar o esquema.

Em entrevista à Folha, Alê Silva relatou a existência de esquema de candidaturas de laranjas comandado por Álvaro Antônio e afirmou ter recebido a informação de que o ministro do Turismo a ameaçou de morte em uma reunião com correligionários, no fim de março, em Belo Horizonte.

A deputada federal prestou depoimento espontâneo à Polícia Federal em Brasília e solicitou proteção policial. Eleita com 48 mil votos, Alê Silva foi a primeira congressista a relatar às autoridades a existência do esquema de laranjas do PSL de Minas.

Álvaro Antônio nega ter feito ameaças e diz que a deputada faz campanha difamatória contra ele em busca de espaço no partido no estado. ​

Camila Mattoso , Ranier Bragon e Fábio Fabrini
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.