Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Lá na frente todos votarão em mim, diz Bolsonaro ao indicar disputa pela reeleição

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse que trabalharia pelo fim da reeleição presidencial

São Paulo e Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sinalizou sua candidatura à reeleição em discurso de improviso na manhã desta quinta-feira (20) em Eldorado, cidade onde foi criado, no interior de São Paulo.

"Meu muito obrigado a quem votou e a quem não votou em mim também. Lá na frente todos votarão, tenho certeza disso", disse o presidente, em discurso no qual estava cercado por moradores.

Já à tarde, em São Paulo, indagado se pretende tentar a reeleição, disse que descarta a ideia caso seja aprovada “uma boa reforma política”. Do contrário, estará à disposição dos eleitores.

“Olha, se tiver uma boa reforma política eu posso até, nesse caldeirão, jogar fora a possibilidade de reeleição. Posso jogar fora isso aí. Agora, se não tiver uma boa reforma política e se o povo quiser, estamos aí para continuar mais quatro anos.”

Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro disse que trabalharia pelo fim da reeleição presidencial. 

A uma semana do segundo turno, em outubro passado, o presidente afirmou que vinha conversando com o Congresso para criar um projeto de reforma política que acabasse com a possibilidade de um presidente disputar um novo mandato. 

"O que eu pretendo fazer, tenho conversado com o Parlamento também, é fazer uma excelente reforma política para acabar com o instituto da reeleição, que, no caso, começa comigo, se eu for eleito", afirmou, quando disputava a Presidência com o petista Fernando Haddad.

Uma semana depois, já eleito presidente, ele deu outro tom ao tratar do tema e disse que a possibilidade de não concorrer a mais quatro anos como presidente dependeria da aprovação da reforma. 

“A possibilidade de não concorrer à reeleição é se a gente conseguir fazer um grande acordo para aprovar a reforma política. Não é apenas: ‘Eu não vou concorrer a reeleição’”, disse um dia depois de eleito. 

Já neste ano, em entrevistas à Jovem Pan em abril e à revista Veja no final de maio, o presidente admitiu disputar mais um mandato em 2022. 

À rádio Bolsonaro disse que "a pressão está muito grande" para que, se ele estivesse bem, concorrer a mais quatro anos no cargo. Na entrevista para a revista, repetiu que a condição para isso não ocorrer seria a aprovação de uma ampla reforma política, o que não está no horizonte do Congresso.

"Se a gente fizer uma boa reforma política eu topo ir para o sacrifício e não disputar a reeleição. Porque um dos grandes problemas do Brasil na política é a reeleição. O cara chega ao final do primeiro mandato dele, ou ele quer continuar no poder, que lhe deu fama e prestígio, ou ele quer continuar porque se o outro, o adversário, assumir vai levantar os esqueletos que ele tem no armário. Existe isso no Brasil", afirmou à Veja.

"Então o meu caso é o seguinte: com uma boa reforma política, que diminuiria o número de parlamentares de 500 para 400, entre outras coisas mais, eu toparia entrar nesse bolo aí de não disputar a eleição."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.