Procuradores criticaram Moro por questões éticas e adesão a Bolsonaro, mostram mensagens

'É tolerado por seus resultados', diz procuradora em novas conversas reveladas pelo Intercept

O ministro da Justiça, Sérgio Moro
O ministro da Justiça, Sérgio Moro - Adriano Machado/Reuters
São Paulo

Procuradores do Ministério Público Federal reclamaram de violações éticas supostamente cometidas por Sergio Moro e temeram a perda de credibilidade da Operação Lava Jato com a ida do então juiz para o governo Bolsonaro, mostram mensagens privadas enviadas por uma fonte anônima ao The Intercept Brasil e divulgadas no início da madrugada deste sábado (29). 

De acordo o site, as conversas ocorreram em grupos com representantes da Lava Jato e outros integrantes do MPF (Ministério Público Federal) e revelam críticas duras à agenda pessoal e política de Moro, além de o acusarem de desrespeitar os limites da magistratura para alcançar seus objetivos.

"Moro viola sempre o sistema acusatório e é tolerado por seus resultados", disse a procuradora Monique Cheker pouco antes de o juiz aceitar o convite de Jair Bolsonaro (PSL) para ocupar o Ministério da Justiça. 


RESUMO DOS VAZAMENTOS EM 3 PONTOS

  1. Mensagens reveladas pelo site The Intercept Brasil indicam troca de colaboração entre Moro, então juiz, e Deltan, procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato.
  2. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo
  3. Vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula

 

Nas conversas, os procuradores lamentam a proximidade de Moro com o presidente eleito e dizem que isso daria força às alegações de que a Lava Jato teria motivações políticas.

Em mensagens sobre a eleição presidencial, integrantes da Procuradoria criticaram inclusive o fato de Rosângela Moro, mulher do ex-juiz, ter comemorado a vitória de Bolsonaro em suas redes sociais.

"Esposa de Moro comemorando a vitória de Bolso nas redes", diz o procurador Alan Mansur logo após a eleição. "Erro crasso", responde José Robalinho Cavalcanti, ex-presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República.

"Moro já cumprimentou o eleito. Como perde a chance de ficar de boa, pqp", afirma a procuradora Janice Agostinho Barreto Ascari. "Esse povo do interior é muito simplório", ironiza o procurador Luiz Fernando Lessa. 

Para Janice, "Moro se perde na vaidade".

Procurador regional da 4ª Região, João Carlos de Carvalho Rocha concorda: "Ele se perdeu e pode levar a Lava Jato junto. Com essa adesão ao governo eleito toda a operação fica com cara de 'República do Galeão', uma das primeiras erupções do moralismo redentorista na política brasileira e que plantou as sementes para o que veio dez anos depois", afirma, em referência a um aparato militar montado pela Aeronáutica na Base Aérea do Galeão, em 1954, para interrogar suspeitos do atentado contra Carlos Lacerda na rua Tonelero, episódio considerado um dos estopins para o suicídio de Getúlio Vargas. Dez anos depois ocorreu o golpe militar. 

Segundo o Intercept, as conversas mostram que até mesmo Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, demonstrou preocupação com a adesão de Moro ao governo Bolsonaro.

"Temos uma preocupação sobre alegações de parcialidade que virão. Não acredito que tenham fundamento, mas tenho medo do corpo que isso possa tomar na opinião pública", afirmou. 

 

Alvo de críticas de Moro por seu desempenho em interrogatórios, a procuradora Laura Tessler também foi contra a decisão do ex-juiz.

"Além de ele não ter poder para fazer mudanças positivas, vai queimar a LJ [Lava Jato]. Já tem gente falando que isso mostraria a parcialidade dele ao julgar o PT. E o discurso vai pegar. Péssimo. E Bozo [Bolsonaro] é muito mal visto [...] se juntar a ele vai queimar o Moro", disse. 

Antônio Carlos Welter, integrante da Lava Jato, chega a dizer que a postura de Moro poderia ser considerada "incompatível com a de juiz" caso ele fosse para o governo.

Após Moro aceitar o convite para o ministério, as mensagens mostram críticas à atuação dele como juiz. Ângelo Augusto Costa, procurador do MPF em São José dos Campos, afirma em um grupo que não confia em Moro.

"Cara, eu não confio no Moro não. Em breve vamos receber cota de delegado mandando acrescentar fatos à denúncia. E, se não cumprirmos, o próprio juiz resolve. Rs", comenta. "Olha, penso igual, responde a procuradora da República ​Monique Cheker. "Moro é inquisito, só manda para o MP quando quer corroborar suas ideias, decide sem pedido do MP (variasssss vezes) e respeitosamente o MPF do PR sempre tolerou isso pelos ótimos resultados alcançados pela Lava Jato", ela completa. 

Segundo a procuradora, essa fama de Moro é antiga. Ela conta que, quando atuava no Paraná, em 2008, isso já acontecia.

"Alguns colegas do MPF do PR diziam que gostavam da pro atividade dele, que inclusive aprendiam com isso", conta Monique.

"Fez umas tabelinhas lá, absolvendo aqui para a gente recorrer ali, mas na investigação criminal - a única coisa que interessa - opa, a dupla polícia/juiz eh senhora", responde Ângelo Augusto. 

 

Outro lado

Segundo o Intercept, a Lava Jato rebateu as novas revelações afirmando que as conversas podem não ser autênticas.

“O trecho do material enviado à Força-Tarefa não permite constatar o contexto e a veracidade do conteúdo. Autoridades públicas foram alvo de ataque hacker criminoso, o que torna impossível aferir se houve edições no material alegadamente obtido. A Lava Jato é sustentada com base em provas robustas e em denúncias consistentes, analisadas e validadas por diferentes instâncias do Judiciário. Os integrantes da Força-Tarefa pautam suas ações pessoais e profissionais pela ética e pela legalidade", diz a resposta.

Em rede social, Moro afirmou que “a matéria do site, se fosse verdadeira, não passaria de supostas fofocas de procuradores, a maioria de fora da Lava Jato. Houve trocas de nomes e datas pelo próprio site que as publicou”, afirmou. 

O procurador regional Luiz Fernando Lessa disse que não possui mais o aplicativo Telegram nem as mensagens trocadas por meio dele e por isso não reconhece as conversas.

Os demais procuradores foram procurados pelo site e não responderam até a publicação da reportagem. 


PARA ENTENDER AS CONVERSAS

O que são Desde 9.jun, o site The Intercept Brasil vem divulgando um pacote de conversas envolvendo procuradores da República em Curitiba e Sergio Moro, na época juiz responsável pelos processos da Lava Jato

Período Os diálogos aconteceram desde 2014 pelo aplicativo Telegram

Fonte O site informou que obteve o material de uma fonte anônima, que procurou a reportagem há cerca de um mês. O vazamento, segundo o Intercept, não está ligado ao ataque ao celular de Moro, em 4.jun

Análise Folha teve acesso ao material e não detectou nenhum indício de que ele possa ter sido adulterado. Os repórteres, por exemplo, encontraram diversas mensagens que eles próprios trocaram com a força-tarefa nos últimos anos

Conteúdo As mensagens indicam troca de colaboração entre Moro e a força-tarefa da Lava Jato. Segundo a lei, o juiz não pode auxiliar ou aconselhar nenhuma das partes do processo

Defesa Moro afirma ser alvo de um ataque hacker que mira as instituições e que tem como objetivo anular condenações por corrupção. O ex-juiz diz ainda não ter como garantir a veracidade das mensagens (mas também não as nega), refuta a possibilidade de ter feito conluio com o Ministério Público e chama a divulgação das mensagens de sensacionalista

Consequências O vazamento pode levar à anulação de condenações proferidas por Moro, caso haja entendimento que ele era suspeito (comprometido com uma das partes). Isso inclui o julgamento do ex-presidente Lula


ERRO

 Erros na identificação de procuradores citados na reportagem do The Intercept Brasil provocaram reações nas redes sociais, incluindo a do ministro da Justiça Sergio Moro.

Na sexta (28), o jornalista Glenn Greenwald, fundador e editor do site, antecipou, no Twitter, trecho do material. A reportagem completa foi publicada na madrugada deste sábado (29).

Na prévia, Greenwald identificou como Ângelo Goulart Villela o autor da mensagem “Cara, eu não confio no Moro não. Em breve vamos receber cota de delegado mandando acrescentar fatos à denúncia. E, se não cumprirmos, o próprio juiz resolve. Rs".

O procurador Ângelo Villela foi preso, em 2017, vendendo para executivo da JBS informações sobre um processo em que a empresa era investigada. Mais tarde, Greenwald retificou a informação e atribuiu a frase ao procurador Ângelo Augusto Costa ---como está na reportagem do site. 

O erro foi apontado no site O Antagonista, que mostrou também que a procuradora Monique Cheker, que aparece em várias mensagens criticando a atuação de Moro, não atua em Osasco (Grande SP), mas em Petrópolis (RJ). A procuradora enviou nota para o veículo dizendo não reconhecer a mensagem.

“Sobre a parte em que o The Intercept diz que escrevi: ‘Desde que eu estava no Paraná, em 2008, ele (Sergio Moro) já atuava assim. Alguns colegas do MPF do PR diziam que gostavam da pro atividade dele, que inclusive aprendiam com isso’, esclareço que, conforme pode ser obtido publicamente dos meus assentos funcionais, durante praticamente todo o ano de 2008 eu trabalhei como procuradora de contas do Ministério Publico junto ao TCE do Rio de Janeiro, cargo que assumi em 2006. Nunca tinha ouvido falar do ex-juiz Sergio Moro, muito menos tive contato com alguém do MPF/PR. Tomei posse no MPF em dezembro de 2008, com lotação numa cidade do interior do Paraná. Da posse, seguiu-se logo o curso de ingresso e vitaliciamente em Brasília, e o recesso judicial, e só fui conhecer alguém do MPF/PR que já tinha trabalhado com o ex-juiz Sergio Moro, ou menção a esse nome, tempos depois”, diz a procuradora.

“Não reconheço os registros remetidos pelo The Intercept, com menção a minha pessoa, mas posso assegurar que possui dados errados e alterações de conteúdo, pelos motivos expostos acima”, afirma Cheker.

No Twitter, Moro escreveu que os erros reforçam a ideia de que o material pode ter sido adulterado.

“A matéria do site, se fosse verdadeira, não passaria de supostas fofocas de procuradores, a maioria de fora da Lava Jato. Houve trocas de nomes e datas pelo próprio site que as publicou, como demonstrado por O Antagonista”, disse o ministro.

“Isso só reforça que as msgs não são autênticas e que são passíveis de adulteração. O que se tem é um balão vazio, cheio de nada. Até quando a honra e a privacidade de agentes da lei vão ser violadas com o propósito de anular condenações e impedir investigações contra corrupção?”, afirmou o ex-juiz.

Também em rede social, Dallagnol afirmou que há evidências de adulterações e que “os procuradores da força-tarefa e outros que seriam os autores das mensagens não as reconhecem como autênticas”. ​

Segundo O Antagonista, sobre o erro na prévia da reportagem apontando o nome de outro procurador, Greenwald afirmou que “foi um erro de edição apanhado pela checagem de fatos antes da publicação”.

Em rede social, o jornalista reforçou que o material publicado pelo Intercept é confiável.

“Para aqueles que se apegam à última e desesperada tática de defender Moro —questionando do material— 2 pontos: 1) vários meios de comunicação têm acesso a verificaram; e 2) Moro, Deltan e LJ poderiam, a qualquer momento, mostrar o seu trabalho, mas alegam ter destruído tudo”, disse.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado em versão anterior deste texto, a procuradora Monique Cheker atua em Petrópolis (RJ), e não em Osasco e Barueri (SP). A informação incorreta foi reproduzida do site The Intercept Brasil, que corrigiu o erro na reportagem. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.