Doria chama de 'inaceitável' declaração de Bolsonaro sobre pai de presidente da OAB

Parlamentares e governadores de oposição também condenaram a declaração do presidente

Ivan Martínez-Vargas Daniel Carvalho
São Paulo e Brasília

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), criticou na tarde desta segunda-feira (29) a declaração do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre o desaparecimento do pai do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz, durante a ditadura militar (1964-1985).

"É inaceitável que um presidente da República se manifeste da forma que se manifestou em relação ao pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. Foi uma declaração infeliz", afirmou Doria, em evento de anúncio de investimentos de uma companhia de celulose no estado, no Palácio dos Bandeirantes.

"Não posso silenciar diante desse fato. Eu sou filho de um deputado federal cassado pelo golpe de 1964 e vivi o exílio com meu pai, que perdeu quase tudo na vida em 10 anos de exílio pela ditadura militar", disse o governador tucano, que até aqui tem se mantido como aliado de Bolsonaro.

Na manhã desta segunda-feira (29), ao reclamar da atuação da OAB na investigação do caso de Adélio Bispo, autor do atentado à faca do qual foi alvo, Bolsonaro disse que poderia explicar ao presidente da entidade como o pai dele desapareceu durante a ditadura.

"Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de um dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade. Conto pra ele."

"Não é minha versão. É que a minha vivência me fez chegar nas conclusões naquele momento. O pai dele integrou a Ação Popular, o grupo mais sanguinário e violento da guerrilha lá de Pernambuco e veio desaparecer no Rio de Janeiro", disse Bolsonaro que, horas depois, voltou ao assunto e disse que, pelos relatos que obteve na ditadura, foram integrantes da esquerda que desapareceram com Fernando Augusto Santa Cruz de Oliveira.

O presidente da OAB respondeu e disse que a fala do presidente da República sobre seu pai demonstra "crueldade e falta de empatia". Em nota, disse que, "goste ou não o presidente", o que une sua geração com a de seu pai é "o compromisso inarredável com a democracia", e "por ela estamos prontos aos maiores sacrifícios". 

"O mandatário da República deixa patente seu desconhecimento sobre a diferença entre público e privado, demonstrando mais uma vez traços de caráter graves em um governante: a crueldade e a falta de empatia", escreveu o presidente da OAB.

Nas redes sociais, o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (DEM) mandou abraço e solidariedade a Santa Cruz e disse que "tudo tem um limite e ele foi ultrapassado".

OPOSIÇÃO

Parlamentares e governadores de oposição também condenaram a declaração de Bolsonaro sobre o desaparecimento de Fernando Santa Cruz Oliveira na ditadura militar.

"Essa é a criminosa declaração de Jair Bolsonaro contra a OAB e, especialmente, o seu presidente Felipe Santa Cruz, que teve a memória do pai covardemente atacada por esse facínora que usa, de forma indigna, a faixa presidencial. Não ficará impune", disse o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

Ao prestar solidariedade a Santa Cruz "diante dos insultos de Bolsonaro à memória de seu pai, vítima da ditadura", o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (MDB-AL) disse que o presidente da República "cada vez mais perde a noção do respeito, é inacreditável".

"Somos governados por um ser desprezível, que do cargo da Presidência insinua os crimes da ditadura que fizeram vítima o pai de Felipe Santa Cruz. Deplorável! Nossa solidariedade, Felipe! Não permitiremos que a verdade seja esquecida e a justiça não seja feita!", afirmou a líder da Minoria na Câmara, Jandira Feghali (PC do B-RJ).

Líder do PSB na Câmara, o deputado Tadeu Alencar (PE), disse que a afirmação de Bolsonaro é um escândalo e um imenso desrespeito, "ainda mais saída da boca de um presidente da República que deveria pugnar pela paz no seu país e não disseminar esse discurso de ódio e intolerância".

"É difícil saber onde um país vai parar quando o seu presidente age do jeito que Bolsonaro age", disse.

"O ataque de Bolsonaro ao Presidente da OAB e a memória de seu pai mostra que somos governados por um verme.Ele já havia feito essa afirmação quando deputado e foi rebatido por mim na hora,da tribuna. Bolsonaro é um lixo humano. Receba um forte abraço, meu amigo Felipe Santa Cruz", disse o deputado Wadih Damous (PT-RJ).

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) disse que Bolsonaro se torna cúmplice de um assassinato. "Bolsonaro afirmou que sabe como desapareceu na ditadura o pai de Felipe Santa Cruz, presidente da OAB, e que pode revelar o caso. Ele está acobertando um crime que é sabedor e se torna cúmplice do assassinato de Fernando Santa Cruz. Quebra o decoro do cargo e deve ser impedido."

Os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foram procurados, mas não haviam se manifestado até a publicação deste texto.

Alguns governadores também se manifestaram nas redes sociais sobre a declaração de Bolsonaro.
"A divergência de ideias não deve, nunca, extrapolar os limites da civilidade e do respeito ao próximo.

Considero que o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, foi hoje violentamente agredido, por palavras que não são apenas grosseiras, são desumanas", disse o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB).

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), disse que "o terrível assassinato do pai de uma pessoa não deve servir de arma para politicagem". 

"Quando o infrator da regra civilizacional básica é o presidente da República, mais grave é o fato. Nunca no Brasil se viu coisa igual. Minha solidariedade ao presidente da OAB, Felipe Santa Cruz."

 

QUEM FOI FERNANDO DE SANTA CRUZ OLIVEIRA

Militante da Ação Popular Marxista-Leninista, dissidência da Ação Popular, grupo de esquerda formado pela juventude católica em 1962, o pai do atual presidente da OAB foi visto pela última vez por seus familiares em 23 de fevereiro de 1974, segundo o relatório da Comissão Nacional da Verdade.

Fernando de Santa Cruz Oliveira havia saído de casa para encontrar um amigo de infância e havia dito à família que, caso não voltasse até as 18 horas daquele dia, “provavelmente teria sido preso”.

A Comissão Nacional da Verdade, criada pelo Estado para fazer um registro oficial dos crimes do regime militar, relata que Fernando e seu amigo —Eduardo Collier Filho, também militante contra a ditadura— provavelmente foram presos por agentes do DOI-Codi no Rio.

O relatório narra a partir daí o esforço dos familiares dos dois para descobrir, sem sucesso, o paradeiro de Fernando e Eduardo. 

A mãe de Fernando chegou a ir ao quartel-general do 2º Exército, em São Paulo, quando recebeu a informação, de um agente do local, de que seu filho e Eduardo estavam naquelas dependências.

Ao retornar, pouco dias depois, recebeu de outro funcionário uma informação diferente: a de que ocorrera um equívoco e que Fernando e Eduardo não estavam no 2º Exército.

Os familiares seguiram com as buscas, ainda de acordo com o relatório da Comissão Nacional da Verdade. Foram enviadas cartas ao comandante do 2º Exército e ao general Golbery do Couto e Silva, que em março de 1974 assumiu a chefia da Casa Civil do governo Ernesto Geisel.

A família recebeu uma resposta do 2º Exército, que negou que Fernando estivesse preso desde fevereiro de 1974 em “qualquer dependência” da instituição [2º Exército].

O texto da Comissão da Verdade também revela que a família escreveu cartas à primeira-dama dos Estados Unidos, à Comissão Interamericana de Direitos Humanos e a dom Helder Câmara, entre outras pessoas influentes. 

O regime militar disse, em resposta à CIDH, que Fernando estaria vivendo na clandestinidade. 

Apesar da versão oficial, a Comissão da Verdade cita um documento de 1978 no qual o Ministério da Aeronáutica reconhece que Fernando foi preso em fevereiro de 1974.

“Já na década de 1990, o Relatório da Marinha enviado ao então ministro da Justiça, Maurício Corrêa, em dezembro de 1993, informava que Fernando teria sido preso no dia 23 de fevereiro de 1974, sendo considerado desaparecido desde então”, acrescenta o relatório.

A Comissão da Verdade elencou duas hipóteses para o caso do pai do atual presidente da OAB. A primeira é a de que, depois de preso no Rio, ele foi levado para o DOI-Codi em São Paulo. 

“Essa indicação do DOI-Codi/SP como possível órgão responsável pelo desaparecimento de Fernando e Eduardo aponta para a possibilidade de os corpos dos dois militantes terem sido encaminhados para sepultamento como indigentes no Cemitério Dom Bosco, em Perus”, diz o texto.

Outra possibilidade levantada pela c omissão é a de que Fernando e seu amigo foram encaminhados para a chamada Casa da Morte, em Petrópolis (RJ), “e seus corpos levados posteriormente para incineração em uma usina de açúcar”.

“Fernando de Santa Cruz Oliveira e Eduardo Collier Filho permanecem desaparecidos até hoje”, conclui a Comissão Nacional da Verdade.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.