Base da Funai em terra indígena foi atacada a tiros por caçadores clandestinos

Ataque ocorrido em julho foi o quarto em território indígena da Amazônia desde 2018

Rubens Valente
Brasília

Uma base da Funai (Fundação Nacional do Índio) que funciona como guardiã de uma das entradas de um santuário ecológico e território indígena na Amazônia, o vale do Javari, foi atacada a tiros por caçadores clandestinos na madrugada de 19 de julho, o que levou o Exército a fazer uma blitz de emergência na região.

Desde 2018, é o quarto ataque do gênero na Terra Indígena Vale do Javari.

Indígenas da região confirmaram à Folha que caçadores de animais silvestres deram pelo menos oito tiros, possivelmente de espingarda, contra a base localizada no rio Ituí, naquele momento ocupada por cerca de uma dúzia de servidores da Funai e indígenas de etnias diversas como kanamaris, marubos, korubos e matís.

Um grupo estimado em seis caçadores estava deixando a região pelo rio quando foi confrontado pela equipe da base da Funai, que acionou holofotes e sirenes.

Os caçadores, que procuram principalmente roubar tracajás, uma espécie de quelônio, e pirarucus responderam a tiros e conseguiram escapar. Ninguém saiu ferido.

Em dezembro passado, houve outro ataque a tiros contra a mesma base.

Na ocasião, a Polícia Militar de Tabatinga (AM) confirmou que uma guarnição policial que dava apoio à Funai em uma ação de fiscalização foi acionada para averiguar a presença de invasores na terra indígena e, quando chegou, os invasores "iniciaram um intenso tiroteio contra funcionários e guarnição da PM".

Uma das principais funções da base do Ituí é garantir a integridade de indígenas isolados. 

O vale do Javari, com seus 8,5 milhões de hectares e cerca de 5.000 índios de sete etnias diferentes, é considerado a região do planeta onde mais existem grupos indígenas isolados.

De 28 grupos isolados confirmados no país pela Funai, 11 estão no Javari. Há outras 26 informações sobre isolados ainda em estudo na Funai.

 

Desde o ano passado, os ataques às bases da Funai se intensificaram, o que gera apreensão entre índios e servidores do órgão. 

"O foco deles [invasores] é acabar com a base do Ituí. Já tentaram três ou quatro vezes invadir, acabar com a base. Principalmente agora que os direitos dos povos indígenas estão sob ataque, com esse governo, que fala que vai liberar garimpo", afirmou à Folha Kora Kanamari, líder indígena da região, assessor da Akavaja, associação dos kanamaris, e vereador em Atalaia do Norte (AM) pelo PT.

Dias depois do último ataque de julho à base do Ituí, o Comando de Fronteira Solimões do 8º BIS (Batalhão de Infantaria de Selva) do Exército e uma equipe da Funai apreenderam cerca de 300 tracajás e 40 mil ovos com outras equipes de caçadores ilegais dentro da terra indígena do Javari. 

No começo de agosto, sem fazer alusão ao ataque a tiros de julho, o Exército divulgou que foram apreendidos duas canoas pequenas, uma canoa grande, um motor de barco, 23 malhadeiras usadas em pesca, 150 kg de carne de anta, 600 kg de pirarucu e quatro arpões.

"No rio Ituí tem inúmeros pescadores e caçadores invadindo a terra, levam 700 quilos, 2.000 quilos de tracajá, toneladas de pirarucu. E a nossa grande preocupação é que ali é território dos índios isolados", disse Kora Kanamari.

Ele afirmou que uma aldeia dos índios kanamaris, na região conhecido como Jarinau, também foi assediada, por volta de junho, por um grupo de 20 garimpeiros bêbados que entraram sem autorização na aldeia e "ficaram importunando os indígenas, molestando as mulheres, um desrespeito muito grande".

"Em toda essa região tem muito sentimento anti-indígena porque eles têm o desejo de liberar o território indígena, onde estão hoje as riquezas de peixe, de tracajás. Eles já esgotaram tudo fora da terra indígena e agora querem pegar o resto", disse Kora Kanamari.

O vereador afirmou ainda que a situação da saúde indígena é caótica e se agravou nos últimos meses.

"Hoje o Distrito Sanitário de Atalaia do Norte não tem mais recursos, não tem mais horas-voo para dar socorro de emergências. Hoje temos uns 15 indígenas em Tabatinga com doenças sérias", disse.

Procurada, a Funai não se manifestou sobre o ataque a tiros no Ituí.

Em nota, disse apenas que informou "à delegacia de Polícia Federal de Tabatinga e o Exército sobre o ocorrido" e sugeriu procurá-la para mais informações.

Procurada, a Polícia Federal em Brasília informou que não se manifesta sobre investigações em andamento. A PF do Amazonas ainda não se manifestou.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.