Membros do partido Novo pedem suspensão de Salles em meio à crise ambiental

Requerimento diz que atitudes do ministro do Meio Ambiente contrariam os valores da legenda

Carolina Linhares
São Paulo

Membros do Novo protocolaram, no sábado (24), um pedido para que o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tenha sua filiação ao partido suspensa enquanto exerce seu cargo na Esplanada. 

O requerimento enviado à Comissão de Ética da legenda pede ainda que o ministro seja investigado pelo partido, num procedimento que poderia levar à sua expulsão definitiva. 

O pedido de expulsão é motivado pela conduta de Salles à frente do ministério em meio à crise das queimadas na Amazônia

"Entendemos que Salles tem atuado com grande convicção na adoção de condutas divergentes com os programas do partido Novo no tema ambiental, demitindo profissionais qualificados, desdenhando de dados científicos e revogando políticas públicas sem debate prévio", escreveu no Twitter o deputado estadual Chicão Bulhões (Novo-RJ), um dos autores do pedido. 

O requerimento também é assinado por Marcelo Trindade, que foi candidato a governador do Rio pelo Novo, e por Ricardo Rangel, que concorreu a deputado federal.

Chicão afirma que Salles não tem agido de acordo com o que pregava o programa ambiental de João Amôedo, presidenciável do Novo, que tinha medidas para evitar queimadas e desmatamento. 

O deputado diz ainda que cabe uma averiguação do partido sobre as condutas de Salles. "Principalmente porque ele tem uma condenação em primeira instância por improbidade administrativa, embora ainda caiba recurso e defesa na segunda instância."

A bancada federal do Novo ainda não discutiu a questão internamente, mas o líder na Câmara dos Deputados, Marcel van Hattem (Novo-RS), diz que o requerimento não tem fundamentação. 

Hattem diz que divergência política não é motivo para expulsão e considera que Salles tem feito um bom trabalho. "Existe uma série de políticas que estão sendo implementadas que estão em consonância com o que defende o Novo", afirmou. 

O líder da bancada acredita que o requerimento vai ser arquivado. Ele diz que trata-se de um gesto político de Chicão, que não consultou os colegas em Brasília. "Suspensão ou expulsão de filiado por opinião política não cabe. Ele [Chicão] pode pedir a Jair Bolsonaro que substitua o ministro do Meio Ambiente. Esse seria o caminho correto", declarou.

À Folha, Chicão disse concordar que não deve haver expulsão por divergência política, mas que não é caso de Salles. "No meu entender, há fatos objetivos que precisam ser averiguados pelo partido. É grave uma condenação por improbidade."

Na quinta (22), o Novo já havia se manifestado diante de críticas ao ministro. Em nota, o partido afirmou que Salles não foi uma indicação da legenda para o cargo e que, portanto, não representa a instituição. "O ministro foi escolhido e responde ao presidente Jair Bolsonaro", diz o texto.

Salles se candidatou a deputado federal em 2018, mas não foi eleito. Antes de ocupar o cargo de ministro do Meio Ambiente, foi secretário estadual do Meio Ambiente em São Paulo, entre 2016 e 2017, na gestão Geraldo Alckmin (PSDB). 

Críticas ao ministro também foram feitas por outros deputados do Novo, ​como o deputado estadual Daniel José (Novo-SP).

Ele cobrou autocrítica de Salles e tuitou: "Pra você entender se ele representa os valores do Novo e de seus filiados, ele fez uma das campanhas mais caras e ficou longe de ser eleito. [...] Dito isso, o problema nem é a política em si, é a postura do ministro de desdenhar de todo mundo que o confronta... De negar qualquer um que tenha outra visão. Ali, vale apenas uma verdade. A dele. Não é isso que o Novo cultua...".

Segundo Chicão, a "postura inadequada" de Salles e seu "histórico de constrangimentos" representam dano à reputação do Novo.

"Atitudes como essa reduzem a capacidade de interlocução do país com seus pares internacionais e geram instabilidade. Isto, por si só, já constitui violação dos princípios e valores do partido Novo, que prega a atuação ética e profissional dos agentes públicos!", tuitou o deputado.

Chicão menciona uma resolução do partido que determina a suspensão de filiados que ocupem cargos de primeiro escalão em qualquer governo quando não for uma indicação do Novo —como é o caso de Salles.

A resolução, no entanto, não se aplica ao ministro, porque foi aprovada em 31 de maio, quando ele já ocupava o cargo, e não tem efeito retroativo. O deputado estadual pede uma "reinterpretação" da resolução, na tentativa de que ela possa ser aplicada para Salles.

"A gente entende que não é retroagir, porque é o momento presente. Ele está, intencionalmente ou não, levando o,Novo para dentro do governo, sendo que o partido está reiteradamente dizendo que não faz parte [do governo Bolsonaro]", disse. 

Na quinta, o Novo declarou que Salles é apenas um dos seus filiados e que não exerce atividade partidária e nem tem cargos no partido.

"Não há qualquer interferência ou participação do partido na gestão do Ministério do Meio Ambiente. O ministro não mantém nenhum contato com o partido quanto aos seus planos, metas e objetivos para a pasta. Só temos conhecimento das suas ações quando divulgadas publicamente", disse o partido.

Na nota, o Novo cobra que Salles baseie as políticas públicas em dados, fatos e evidências. "Os mandatários do Novo no Legislativo e Executivo têm atuado com equilíbrio, diálogo e baseado suas políticas públicas e propostas em dados, fatos e evidências. Esta é a postura que esperamos de todos os membros do atual governo, em especial daqueles que são filiados ao Novo, como o ministro Ricardo Salles."

Procurado pela reportagem, o Novo afirmou que a Comissão de Ética recebeu a denúncia contra Salles. O partido declarou que toda denúncia passa por uma análise inicial para verificar o cumprimento de formalidades e, se superada essa etapa, pode se transformar em um processo disciplinar. 

Nesse caso, o denunciado apresenta sua defesa. Caso seja condenado pela comissão, pode recorrer ao diretório nacional do Novo. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.