Chefe da Secom sugere retaliação após texto da Folha; entidades reagem

Fabio Wajngarten fez crítica a reportagem da Folha sobre caixa dois do PSL

Brasília e São Paulo

O chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) da Presidência, Fabio Wajngarten, usou suas redes sociais neste domingo (6) para criticar reportagem da Folha e sugerir um boicote publicitário a órgãos que, no seu entender, veiculam "manchetes escandalosas". Entidades do setor criticaram a iniciativa do secretário.

O secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, durante evento no Planalto
O secretário de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, durante evento no Planalto - Pedro Ladeira - 3.set.2019/Folhapress

Em postagem no Twitter, Wajngarten não cita diretamente a Folha, mas relata um episódio da campanha de 2018 no qual um empresário teria oferecido recursos a Jair Bolsonaro e o então candidato só teria pedido que ele gastasse "sola de sapato" e "conquistasse votos".

Reportagem publicada pela Folha neste domingo mostra que um depoimento dado à Polícia Federal e uma planilha apreendida em uma gráfica sugerem que dinheiro do esquema de candidatas laranjas do PSL em Minas Gerais foi desviado para abastecer, por meio de caixa dois, as campanhas de Bolsonaro e do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, ambos filiados ao partido.

Já na rede Instagram, Wajngarten repetiu a postagem e comentou que "parte da mídia “ecoa fakenews, ecoa manchetes escandalosas, perdeu o respeito, a credibilidade (e a) a ética jornalística. Que os anunciantes que fazem a mídia técnica tenham consciência de analisar cada um dos veículos de comunicação para não se associarem a eles preservando suas marcas”.

A Secom é o órgão do governo que define a divisão de verbas publicitárias oficiais para a mídia, e não tem ingerência legal sobre negócios privados. Desde quando era candidato, Bolsonaro faz ameaças a órgãos de imprensa que o desagradam com o argumento de que iria "secar a fonte" do financiamento estatal.

Já foram alvos de tais ameaças a Rede Globo e a Folha, por exemplo. Mais recentemente, ele admitiu que retirou a obrigatoriedade da publicação de balanços de empresas em jornais impressos como forma de retaliação a críticas que recebe em reportagens.

A Folha procurou Wajngarten, mas ele não respondeu os contatos.

Em uma nota conjunta divulgada neste domingo, a Aner (Associação Nacional de Editores de Revistas) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais) disseram condenar a manifestação de Wajngarten com críticas à mídia. As entidades disseram também repudiar “a conclamação” feita pelo secretário aos anunciantes.

“A ANJ e a Aner lamentam ainda a visão distorcida do secretário sobre mídia técnica, o que é preocupante vindo de quem tem a responsabilidade de gerir recursos públicos de publicidade”, afirma a nota.

Em nota, o presidente da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), Daniel Bramatti, disse que "a gravíssima manifestação do funcionário do governo Bolsonaro se insere em um contexto de sistemáticos ataques ao jornalismo vindos do presidente e de seus aliados". 

Segundo o presidente da entidade, eles "procuram suprimir ou desacreditar qualquer voz que se contraponha ou concorra com as narrativas oficialistas".

"Em uma democracia, é inaceitável que um representante do governo convoque anunciantes a boicotar veículos por insatisfação com o que publicam. Essa demonstração de descaso em relação aos princípios da impessoalidade e da liberdade de expressão (consagrados em nossa Constituição, por sinal) é típica de quem opta por seguir o roteiro da promoção do autoritarismo em vez do respeito à democracia", acrescentou Bramatti.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) também condenou as ameaças de retaliação à imprensa feitas pelo chefe da Secom.

"Consideramos inaceitável que uma autoridade pública defenda critérios não republicanos para a veiculação de publicidade e seguiremos alertas em defesa da mais ampla liberdade de imprensa e na luta contra ameaças de retaliação a qualquer veículo, independentemente de sua linha editorial", afirmou a entidade, por meio de nota. 

O ministro Sergio Moro (Justiça) também veio a público defender o presidente, afirmando que ele fez a campanha "mais barata da história" e que a reportagem da Folha sobre a suspeita de caixa dois em 2018 não reflete a realidade. No Twitter, Wajngarten repostou a manifestação de Moro.

A reportagem da Folha é baseada em depoimento de um ex-assessor do ministro do Turismo à PF e a uma planilha apreendida nas investigações. Em nenhum momento o jornal atribui conclusões sobre o assunto aos investigadores.

Haissander Souza de Paula, assessor parlamentar de Álvaro Antônio à época e coordenador de sua campanha a deputado federal no Vale do Rio Doce (MG), disse em seu depoimento à PF que "acha que parte dos valores depositados para as campanhas femininas, na verdade, foi usada para pagar material de campanha de Marcelo Álvaro Antônio e de Jair Bolsonaro".

Em uma planilha, nomeada como "MarceloAlvaro.xlsx", há referência ao fornecimento de material eleitoral para a campanha de Bolsonaro com a expressão "out", o que significa, na compreensão de investigadores, pagamento "por fora".

A Folha revelou, em reportagens publicadas desde o início de fevereiro, a existência de um esquema de desvio de verbas públicas de campanha do PSL em 2018, que destinou para fins diversos recursos que, por lei, deveriam ser aplicados em candidaturas femininas do partido.

Álvaro Antônio, deputado federal mais votado em Minas Gerais, foi coordenador no estado da campanha presidencial de Bolsonaro.

O ministro foi indiciado pela Polícia Federal e denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais na última sexta (4) sob acusação dos crimes de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa —com pena de cinco, seis e três anos de cadeia, respectivamente. Ele nega irregularidades.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.