Autoridade na ala feminina dos Bolsonaros, estilista de Michelle aposta em popularidade

Marie Lafayette foi responsável por vestir primeira-dama na posse e mulher de Eduardo em casamento

São Paulo

Se de um lado há quem se especialize no clã masculino dos Bolsonaros, como a jornalista Leda Nagle e suas entrevistas com o presidente e seus filhos, de outro há quem vire autoridade na ala feminina da primeira família brasileira.

Marie Lafayette, 38, foi responsável por vestir Michelle Bolsonaro, sua nora Heloísa e as meninas Letícia e Laura em momentos solenes recentemente, e é concisa ao definir a primeira-dama: “clássica e elegante”.

Marie Lafayette, estilista responsável por vestir Michelle Bolsonaro
Marie Lafayette, estilista responsável por vestir Michelle Bolsonaro - Sabrina Vasconcelos

Jair Bolsonaro se casou com Michelle em março de 2013, em uma cerimônia para 150 pessoas na Mansão Rosa, uma das casas de festa mais tradicionais da capital carioca, no Alto da Boa Vista. O pastor Silas Malafaia foi escolhido para celebrar a união do então deputado com Michelle, que, à época, frequentava a Assembleia de Deus presidida por ele. 

O vestido que Marie criou para a noiva Michelle era “fluido, leve, sem exageros”. O modelo, com aplicações de renda francesa, rebordado com cristais Swarovski e decotado discretamente nas costas, levou quatro meses para ficar pronto. “Ela adorou de cara, nossa sintonia foi imediata. Michelle gosta de coisas chiques.” 

Leticia Firmo, filha da noiva e enteada de Jair Bolsonaro, e Laura Bolsonaro, filha do primeiro casamento do hoje presidente da República, também ganharam vestidos brancos desenhados por Marie especialmente para a cerimônia. Em 2013, as meninas tinham 10 e 3 anos, respectivamente.

Nascida no Brasil, mas com um carregado sotaque francês, Marie Lafayette estudou na escola de moda espanhola Felicidad Duce, em Barcelona, e se formou em Paris há 13 anos. Conta que deve seu sobrenome ao jurista mineiro Lafayette Rodrigues Pereira, o Conselheiro Lafayette, morto em 1917 e que trabalhou como advogado, jornalista e diplomata.

Marie é filha de empresários e há uma década abriu seu primeiro ateliê. A loja passou nove anos no bairro de Botafogo e agora ocupa uma casa na Gávea, também na zona sul do Rio.

Em janeiro de 2020, será inaugurada a terceira unidade do Ateliê Marie Lafayette –além da praia de Jurerê Internacional, em Santa Catarina, Marie vai se instalar no bairro Anália Franco, na zona leste de São Paulo.

Depois do casamento com Jair Bolsonaro, Michelle e Marie acabaram perdendo contato. Voltaram a se aproximar na época da campanha para a Presidência da República, no segundo semestre de 2018, e, entre um café e outro, relembrando as histórias do vestido de noiva, a estilista sugeriu criar a roupa que Michelle usaria no dia da posse.

“O modelo foi desenhado na casa dela. Fiz esse vestido em um tempo bem recorde, trabalhando dia e noite. Apesar de ser uma peça aparentemente simples, é na verdade um tecido bem complicado de se trabalhar, nobre, encorpado, e que, se não for bem modelado, não fica bonito.”

Depois de 18 dias e quatro sessões de prova, saíram das rocas de Marie dois modelos diferentes: um branco perolado curto e um longo rendado preto. “Ela não gosta de decotes profundos ou roupas curtas, e prefere a altura sempre abaixo do joelho. Procuramos fazer os vestidos ficarem lindos e ao nível de um evento tão especial quanto a posse de um presidente do Brasil.”

Fã de Elie Saab e Christian Dior, que desenham roupas “sensuais e femininas sem ser vulgar”, a estilista diz se inspirar em Grace Kelly e Jacqueline Kennedy para criar as peças que vende para as 15 clientes que atende mensalmente no ateliê. “Meu trabalho é muito artesanal.”

Especialista em vestidos de noiva sob medida e roupas femininas para festas, Marie tem em sua agenda de clientes “mulher de deputado, filha de juiz, de procurador, de desembargador”.

A intimidade com a política facilitou também o contato com Heloísa Bolsonaro, que, em maio passado, se casou com Eduardo Bolsonaro vestindo uma peça criada por Marie.

E, enquanto a primeira-dama faz crescer a clientela de Marie com suas indicações, a estilista, por sua vez, retribui compartilhando sugestões. Como, por exemplo, a de que Michelle Bolsonaro coloque seus vestidos em leilão. “A ideia é que a renda arrecadada vá para instituições de caridade”, completa.

Prevendo que sua popularidade só cresça entre os famosos, Marie já começou a planejar uma rotina diferente no novo ateliê em São Paulo.

“Lá, vou atender apenas oito vestidos sob medida por mês, porque faço as provas pessoalmente, e tudo precisa ser agendado com antecedência”, afirma. “Além disso, também vou apresentar minha linha prêt-à-porter, com modelos prontos em que faremos apenas os ajustes necessários." 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.